As indicações para o Grammy de 2022 não vão acontecer antes de Novembro ou Dezembro, mas o final do período elegível está passando rápido. Para serem indicados a ganhar o troféu, músicas e álbuns precisam ser lançados entre 1º de Setembro de 2020 e 30 de Setembro de 2021, então faltam alguns poucos meses antes de fechar os detalhes para a próxima cerimônia. Isso significa que a maioria das músicas que serão nomeadas já foram lançadas, e uma nova mudanças nas regras pode beneficiar um cantor-compositor de mais sucesso e que já foi muito premiado nos últimos anos.

Não muito tempo atrás, a Academia revelou a regra que foi instituída apenas há alguns anos, que qualquer produtor ou compositor que está creditado para qualquer música em um EP ou um álbum completo que foi nomeado para o Álbum do Ano, mais conhecido como o maior prêmio da indústria, também vai ganhar a indicação. No passado, nomeações eram apenas dadas para cada um dos produtores e para o artista convidado, e mais recentemente, apenas para os produtores, compositores e artistas que estavam creditados em pelo menos 1/3 em todo o projeto.

De todos os músicos que se beneficiaram com essa mudança, Taylor Swift pode ser a mais visível, já que ela tem a chance de ganhar duas nomeações à Álbum do Ano no Grammy de 2022.

Taylor com certeza será indicada a categoria de novo pelo seu recente álbum “evermore”, que tem sido um candidato ao prêmio desde seu lançamento em Dezembro de 2020. O álbum é uma continuação de “folklore”, que ganhou a categoria de álbum do ano apenas alguns meses atrás, tornando Taylor uma das poucas musicistas a ganhar o prêmio três vezes. “evermore” está numa difícil batalha para conseguir ganhar o troféu, já que os votantes do Grammy podem não querer premiar a mesma pessoa por 2 anos seguidos, mas parece uma escolha certa para um dos oito espaços disponíveis.

Agora que todos os compositores estão elegíveis para o troféu desde que eles estejam presentes pelo menos nos créditos de uma música do álbum, Taylor pode se encontrar competindo contra ela mesma se “Sour” de Olivia Rodrigo acabar sendo um dos possíveis ganhadores. O álbum, o primeiro da cantora e compositora de 18 anos, se tornou um grande sucesso comercialmente, e os críticos amaram. Há grandes chances do álbum ser indicado, o que faz com que Taylor apareça duas vezes nas indicações.

Taylor foi creditada como compositora em “Sour” com “1 Step Forward, 3 Steps Back”, já que o álbum interpolou a música “New Year’s Day”. Pode ser que o comitê da academia desconsidere sua contribuição, mas não parece que isso vai acontecer.

É importante mencionar que ambos, “evermore” e “Sour” tem chances de ganharem a categoria, ou pelo menos só a indicação. Taylor ainda tem um terceiro título que pode ser elegível para Álbum do Ano também. Sua regravação de Fearless (Taylor’s Version) pode ser submetida por consideração, embora seja provável que Taylor não se esforce para que isso aconteça, já que pode prejudicar suas próprias chances de ser indicada. Mas não está totalmente fora de questão.

Se Taylor ganhar mais uma indicação ao Álbum do Ano, o total da sua carreira avançará para 5 indicações, e se ela conseguir as duas indicações, aumentará para 6 indicações no total. “Sour” pode ser sua primeira indicação de um álbum que não foi ela quem escreveu, e 2022 pode se tornar o primeiro ano que a cantora está disputando a categoria com um par de projetos, o que continua a ser um feito raro reservado apenas para as maiores e mais talentosas figuras do ramo.

Matéria publicada pela Forbes e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up