01 de março de 21 Autor: Maria Eloisa Barbosa
Relembre antigas declarações de Taylor sobre o “Fearless”

Neste mês, dez anos atrás, Music Etc. entrevistou uma estrela emergente de Nashville chamada Taylor Swift, falando sobre Fearless, que era apenas seu segundo álbum. Ela soava como uma profissional de longa data – e aos 18 anos, ela já era. Relembre a conversa:

A subida de Swift ao estrelato

Taylor Swift criou uma febre em Nashville quando lançou seu primeiro single, “Tim McGraw”, aos 16 anos, há apenas dois anos. Seu segundo álbum, Fearless, que ela co-produziu com um colaborador de longa data, Nathan Chapman, a apresenta com suas habilidades de escrita ainda mais aprimoradas e se tornando cada vez mais confiante no estúdio.

Se os downloads do single, “Fearless”, são qualquer indicação, Swift está prestes a desfrutar de mais uma onda de sucesso ainda maior: no mês passado, a música foi a faixa número um no iTunes em todos os gêneros. Para o Sound News, Swift falou sobre como ela mudou as coisas desta vez – tanto no estúdio quanto como escritora.

Sobre gravar no Starstruck Studios:

“Gravamos esse álbum principalmente no Starstruck, que tem um ambiente incrível – faz você se sentir confortável. Quando estou confortável, consigo direcionar melhor a banda, e certamente encontrei esse nível de conforto nesse álbum. A cabine dos vocais ficava nesta varanda de onde você pode ver de tudo. Ter Nick Buda (baterista) logo abaixo de mim, onde pude ver o que ele estava tocando, foi ótimo. Além disso, poder olhar para o engenheiro de som e vê-lo enquanto ele está falando é muito importante para mim”.

Sobre a captura dos vocais:

“Confio em meu co-produtor, Nathan Chapman, com todas as opções de equipamentos. Ele trabalha comigo desde que eu tinha 14 anos e tem um ouvido tão bom para o que soa bem na minha voz quando se trata de microfones. Mudamos os microfones vocais de vez em quando e é sempre diferente; não temos nenhuma fórmula pré concebida. Durante algumas das primeiras sessões de rastreamento, eu cantava vocais ao vivo e muitas vezes acabávamos usando esses vocais em vez de ter que voltar e recortar os vocais”.

Sobre trabalhar a instrumentação:

“Eu não toquei muito violão neste álbum porque, para mim, é sobre a direção do que eu quero que os outros músicos tomem – eu realmente deixei o Nathan responsável por essa parte. Normalmente toco para todos uma música que escrevi, e começamos com três músicos: Tim Marks no baixo, Nathan na guitarra, Nick Buda na bateria e eu nos vocais. Em seguida, gravamos no estilo ‘banda de garagem’”.

Sobre a coprodução com Nathan Chapman:

“É muito legal ser reconhecida como co-produtora do álbum. Quando escrevo uma música, ouço-a completamente produzida na minha cabeça. Eu ouço exatamente o que está acontecendo na faixa: a introdução e o gancho musical. Para mim, é tudo uma questão de entrar no estúdio e representar com precisão o que está em minha cabeça para a banda, e trabalhar com Nathan para garantir que tudo saia exatamente assim no estúdio. Às vezes, eu ouço um solo de guitarra e então canto para a banda. Ou ouço uma linha de baixo ou mesmo um dedilhado e eu canto para eles. Nunca aprendi a ler música – parecia matemática para mim. A música sempre foi muito mais baseada em sentimento; eu escrevo música porque é assim que lido com minhas emoções”.

Sobre como manter a magia em uma faixa:

“Eu trabalhei com produtores que acabavam comigo até que tudo estivesse perfeito – até que eles tivessem 18 amostras de cada palavra. Nathan não é assim e deixa a música se desenrolar naturalmente. Ele acredita em capturar a magia de uma música e não me faz cantar mais do que mais ou menos de três vezes. A maioria delas são canções de um take – por exemplo, meu primeiro single, ‘Tim McGraw’, foi um de um take. A fadiga vocal nunca acontece quando estou gravando com Nathan”.

Sobre a evolução como compositora:

“Quando eu estava escrevendo o primeiro álbum, era compositora de uma empresa de lançar músicas. Meu trabalho era co-escrever – é o que eu estava lá para fazer, e eu deveria escrever com o máximo de pessoas possível. Então, a maior parte do meu primeiro álbum foi co-escrita, e houve três canções que eu escrevi sozinha. No meu novo álbum, escrevi oito canções sozinha quando estava na estrada. Eu costumava depender de um co-compositor para editar as nuances e complexidades de uma música, mas assim que saí para a estrada e comecei a fazer turnê, [comecei] a ter discussões comigo mesma e me tornei minha própria editora. Tenho muito orgulho de ver meu nome como compositora no canto da tela, no final de um vídeo”.

Sobre a adição de músicas de última hora:

“O processo de gravação deste álbum foi distribuído ao longo do ano passado. Começamos a gravar no inverno passado e tocamos cerca de três músicas. Cerca de um mês depois, fizemos mais três. Duas semanas antes do álbum ter que ser entregue e masterizado, depois que todas as outras músicas foram finalizadas, eu escrevi uma nova música e também decidi que queria colocar outra música que já gravamos no álbum, fazendo 13 faixas em vez de 11. Fui até a gravadora e disse: ‘Existe alguma maneira de conseguirmos uma sessão de gravação de emergência? Eu preciso gravar essa nova música’. E [risos] meu presidente de gravadora respirou fundo e disse: ‘Sim, acho que você pode fazer isso’.

Eu sempre pareci me desafiar no estúdio quando o prazo já estava curto. No último disco, fiz a mesma coisa com uma música chamada ‘Should’ve Said No’, que ainda não tinha terminado. Mas eu tinha um pressentimento sobre a música, então, no final de uma sessão de gravação, perguntei a Nathan se eu poderia fazer com que a banda a gravasse uma vez, pensando em escrever o resto mais tarde. Essa realmente acabou sendo minha segunda música número um. Nesse álbum, fiz ‘Forever and Always’ e a entreguei para o ‘mixer’, que a mandou para o cara da masterização poucas horas antes do término do projeto inteiro”.

Sobre a construção do sucesso, um passo de cada vez:

“Eu sinto que o segundo álbum foi muito mais fácil. Nathan e eu nunca, jamais, queremos relaxar e dizer: ‘Tivemos sucesso; isso vai ser fácil’. Mas saber que tivemos sucesso com o primeiro álbum nos deu confiança de que o que estávamos fazendo era bom. Você sempre quer manter essa confiança tranquila, sem nunca deixar isso subir à sua cabeça, sem se sentir arrogante e pensar que tudo que você tocar vai virar platina”.

Entrevista publicada pela PSN e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up