28 de fevereiro de 21 Autor: Maria Eloisa Barbosa
Lana Wilson fala sobre “Miss Americana” em entrevista

Em entrevista, Lana disse sobre como fez o documentário Miss Americana, que acompanhou a trajetória de Taylor desde a Reputation Tour, em 2018, até o lançamento do Lover em 2019.

A diretora compartilhou que inicialmente ficou surpresa que foi escolhida pela Netflix para fazer o filme, considerando que seus antigos trabalhos abordaram tópicos mais sérios. Como uma fã da música de Taylor e sabendo de seu impacto cultural e global, Lana concordou em fazer o documentário.

“Taylor pessoalmente foi mais inteligente, engraçada, gentil e generosa do que eu esperava. Então foi uma experiência maravilhosa, quando você conhece uma celebridade, você sempre espera que eles sejam…especialmente quando você conhece alguém pelas suas musicas, ou você acha que conhece ele pelas suas musicas, eles são realmente aquela pessoa? E ela realmente é”, disse Lana.

Lana compartilhou que no momento que elas começaram o filme, Taylor não tinha dado nenhuma entrevista em 3 anos, depois da repercussão que ela teve nas redes sociais seguida da ligação vazada entre ela e o rapper Kanye West, quando seu nome foi mencionado na letra de “Famous” do Kanye.

“Ela estava se escondendo por um tempo. Ela teve uma repercussão na internet e ela se escondeu por alguns anos. E ela sabia que estava num momento pivô de sua vida de certa maneira, mas não tinha muita certeza sobre o que era ainda. E eu pude ver logo que a conheci que ela queria encontrar uma maneira de viver em que a opinião das outras pessoas, que o falatório do mundo, seja nos tabloides ou online ou em sua vida física, todas essas ameaças e assédios que ela lida com um nível de segurança todos os dias- ela queria encontrar uma maneira de viver em que ela pudesse encerrar tudo isso e focar em sua música, em seus fãs e no que realmente importa para ela”, disse Lana.

“Foi um momento em que ela meio que chegou no fundo do poço. E estava vindo disso e ela estava tentando descobrir qual era a melhor maneira de viver realmente, o que é algo que eu tento comprender em todos os meus filmes”, ela continua.

Lana também falou sobre o que tornou Taylor mais aberta a respeito de suas crenças políticas.

“Conforme eu fui a filmando, ela começou a ser cada vez mais aberta depois de ter sido notoriamente apolítica por um longo tempo durante a presidência de Trump, por conta, especialmente, do que estava acontecendo em nosso país e por causa de circunstâncias pessoais que ela estava passando, o que inclui não só se esconder por alguns anos e o julgamento do assédio sexual que ela passou, sobreviveu e venceu. Não sem que o julgamento fosse uma experiência desumana e humilhante pra ela. Acho que foi um momento que alterou a perspectiva dela de muitas formas”, disse Lana.

“Ela saiu disso com uma nova força e confiança. E eu acho que isso deu para ela o espaço para fazer algo que ela queria ter feito há um tempo, mas que disseram para ela que não era bom fazer, que era falar sobre política pela primeira vez”, ela acrescenta.

Ela relembrou de uma cena entre Taylor e seu pais, na qual eles discordam sobre ela apoiar um candidato político ou não.

“Eu acho que é uma cena muito poderosa. Uma cena em que muitas pessoas podem se conectar porque todos nós todos esse momento de maturidade em que nós podemos dizer ao nossos pais, ou para alguém que nós amamos ‘eu escuto você, mas eu preciso fazer as coisas da minha maneira agora'”, Lana disse.

Entrevista publicada pela Rappler e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site