Quando Taylor Swift lançou sua versão de 10 minutos de “All Too Well”, em 12 de novembro, um soluço invadiu as redes sociais.

“A maneira como todos nós choramos coletivamente e nos relacionamos muito bem com essa música me deixa genuinamente preocupado”, escreveu um usuário do Twitter, resumindo o efeito que a música de Swift estava tendo na Internet.

“All Too Well” era originalmente a faixa favorita de Swift em seu álbum “Red” de 2012. Ela disse a Seth Meyers, em uma entrevista recente, que começou a escrevê-la durante uma turnê em 2010. Sua gravadora não queria lançá-la como single porque eles não achavam que seria um sucesso. Mas, conforme relatado por Callie Ahlgrim do Insider, para “Swifties” – o nome dado aos fãs leais de Swift – a música se tornou uma das favoritas.

As partes integrantes da música não são nenhuma novidade, com o refrão e as progressões de acordes iguais às da original. Ainda assim, isso incendiou a internet, com emojis de cachecóis vermelhos tomando conta do Twitter em referência a uma das letras da música, e fãs aglomerando-se para “cancelar” e até ameaçar os homens famosos sobre os quais pensam que a música é.

A extrema resposta on-line pode ser atribuída a várias razões, segundo especialistas, incluindo a nostalgia relacionada a músicas do nosso passado e o relacionamento intensamente leal que Swift construiu entre ela e aqueles que cantam, dançam e choram com suas canções. Pesquisamos porquê “All Too Well” atingiu de forma diferente dessa vez.

Há uma razão científica pela qual talvez essa música crie uma conexão maior do que uma totalmente nova.

A swiftie Eve Santos, que é fã de Taylor desde 2009, disse ao Insider que ela se sentiu “nostálgica e emocionada” quando ouviu a versão estendida de “All Too Well”, que já era uma música que ela vinha escutando há anos.“

As músicas dela, mesmo que sejam de décadas atrás, sempre soam familiar”, ela disse. “Ela as escreve como se fossem sobre a sua vida também”.

Pode haver uma razão científica para explicar um relançamento ter sido tão particularmente emocionante.

Pesquisas mostram que humanos tendem a se agarrar em músicas que ouvimos enquanto crescíamos de forma especial. Enquanto adolescentes, com muitos hormônios e sentimentos intensos, nós absorvemos as canções e os sentimentos por trás delas muito mais do que quando somos mais velhos.

O médico Frederick Barrett, um professor associado de psiquiatria e ciência comportamental na Johns Hopkins que estuda os poderes terapêuticos e nostálgicos da música, disse ao Insider que uma música pode ser uma rica espécie de memórias sugestivas. De forma similar a como as memórias podem surgir de volta quando você entra numa casa que tem o mesmo cheiro que a casa em que você cresceu, música pode ser “uma chave que destranca uma série de memórias e associações”, ele disse.

“All Too Well”, de Swift, pode ter causado uma resposta emocional específica em pessoas que lembram de seu primeiro lançamento quando eram adolescentes ou jovens adultos, conhecida como “nostalgia de época”.

“As pessoas descrevem essa nostalgia de época como se lembrar de uma fase de ouro, um momento no passado onde as coisas eram melhores”, Barrett disse. “E então você sente um tipo de alegria e carinho por isso, mas também tem um pouco de sensação de perda por não ter mais aquilo”.

Emily Simonian, uma terapeuta com bacharelado em música contemporânea, disse ao Insider que a nova versão de “All Too Well” pode transportar os ouvintes de volta no tempo para suas versões mais jovens.“

De certa forma, você está revisitando o estado mental e de espírito em que estava quando escuta canções que gostava quando era uma criança ou um adolescente”, ela disse. “É uma experiência somática — quase como uma viagem no tempo emocional.

”A habilidade de Swift de se engajar com seus fãs online criou uma conexão poderosa deles com sua vida”. Swift tem uma conexão poderosa com seus fãs, o que também contribui para explicar o motivo de “All Too Well” ser uma sensação tão grande. O curta lançado para a música, que ganhou uma premiére organizada por Swift, já foi visto 48 milhões de vezes no Youtube.

Swift engaja um diálogo com seus fãs através de posts no Tumblr, memes, e mais recentemente através do TikTok. Simonian disse que isso faz com que ela se conecte a eles de forma mais profunda do que muitas celebridades permitem.

“Isso cria uma percepção de aproximação na vida real que lembra mais uma amizade do que uma distante idealização de celebridades”, Simonian disse. “Isso absolutamente contribuiu para o sucesso de seus relançamentos porque os fãs estão envolvidos em Taylor de maneira pessoal e emocional.”

Swift é notavelmente discreta sobre sua vida amorosa, exceto quando se trata de sua música. É por isso que os fãs separam e analisam cada letra, e procuram incansavelmente pelos Easter Eggs que Swift esconde para eles nas artes de seus álbuns e em posts nas redes sociais.

Isso certamente vale para Eve Santos, que encontra ainda mais com o que se identificar quando decodifica o significado das músicas de Swift.

“Quando você disseca e conecta com outras músicas que ela escreveu, elas formam esse tapete de histórias,” ela disse. “Ela realmente torna isso uma experiência pessoal para nós.”

Matéria publicada pelo Insider e traduzida pela equipe TSBR.





Twitter do site

Instagram do site

Facebook do site