28 de novembro de 21 Autor: Maria Eloisa Barbosa
Como Taylor Swift assumiu o controle de suas composições

Como também acontece com muitas outras formas na sociedade, os homens dominaram a composição musical no mundo ocidental. Isso inclui tudo, desde música clássica a várias formas de teatro musical, rhythm and blues, jazz, os “padrões” americanos e música folk.

O padrão de dominação masculina também continuou na era do rock ‘n’ roll. Poucos anos depois da explosão dos Beatles e dos Rolling Stones em cena, Joni Mitchell e Carole King deixaram uma marca importante e duradoura. Mas elas estavam em enorme desvantagem em relação aos homens. A lista é tão longa que quase parece tolice tentar digitá-la: John Lennon e Paul McCartney, Mick Jagger e Keith Richards, Bob Dylan, Paul Simon, Marvin Gaye, Leonard Cohen, David Bowie, Elton John e Bernie Taupin, Jackson Browne , Neil Young, Stevie Wonder, Bruce Springsteen, Billy Joel, Tom Petty, Michael Jackson, Elvis Costello, Prince – e assim por diante.


Mas isso não é mais o caso. Assim como as mulheres fizeram avanços enormes para fechar a lacuna entre elas e os homens nos campos dos quais eram excluídas, elas também alcançaram [a posição dos homens] quando se trata de composição. Mas elas não apenas chegaram ao mesmo lugar com seus colegas masculinos; elas realmente saltaram à frente deles para assumir o topo da lista de composições pop em termos de qualidade, quantidade e longevidade.

Já passou da hora de reconhecermos a conquista.

Por trás desse julgamento, em primeiro lugar, está a presença iminente de Taylor Swift, uma força da natureza na composição de canções. Swift escreveu ou co-escreveu todas as canções de seu álbum de estreia, lançado em 2006, quando ela tinha apenas 16 anos, e ela vem ganhando confiança e proficiência desde então, com sua popularidade, talento e produtividade atingindo níveis surpreendentes nos últimos dois anos e meio. Que surpreendente? Nos 16 meses entre agosto de 2019 e dezembro de 2020, ela lançou três álbuns completos de novo material contendo um total de 53 músicas.

Swift também está profundamente envolvida no processo de regravar grande parte de seu catálogo anterior, a fim de diluir o valor dos álbuns originais. (Desde 2019, ela está envolvida em uma disputa pela propriedade dos masters originais de seus primeiros seis álbuns.) Dois deles foram lançados até agora – Fearless e Red – e cada um deles incluiu seis faixas não lançadas anteriormente (“do cofre” ), elevando para 65 o número total de “novas” canções que Swift lançou nos últimos 28 meses.

Mas ela não está superando a concorrência apenas em quantidade. Seu álbum de 2019, Lover, foi um álbum brilhante repleto de canções pop tecnicolor insanamente cativantes. Então veio a pandemia e planos frustrados para uma turnê de shows. Isso inspirou Swift a se voltar para dentro como compositora. O resultado foram os dois álbuns mais maduros e mais artisticamente aclamados [em questão de prêmios e crítica] de sua carreira: folklore e evermore, lançados com apenas cinco meses de diferença. Suas 34 canções, a maioria delas em colaboração com Aaron Dessner do The National ou com o produtor Jack Antonoff, implantaram arranjos de indie-rock moderado e atmosférico em apoio às explorações líricas de Swift sobre personagens, amor e conflito pessoal. Ninguém sabe para onde ela vai a partir daqui, mas temos todos os motivos para pensar que a compositora de apenas 31 anos será uma presença incrivelmente formidável no cenário musical por muito tempo.

Matéria publicada pela The Week e traduzida e adaptada pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Instagram do site

Facebook do site