No início deste mês foi divulgado que Taylor Swift enfrentaria julgamento aberto por uma acusação de plágio por “Shake It Off” movido pelos compositores da música “Playas Gon’ Play” do grupo 3LW (clique aqui para entender melhor o caso).

Agora, os advogados de Taylor entraram com um pedido para que o juiz federal que havia decidido pelo julgamento cancele sua decisão que permite que um processo por violação de direitos autorais em “Shake It Off” prossiga a julgamento.

Em um novo processo judicial, os advogados alegam que o juiz falhou em abordar algo chamado de “teste extrínseco” quando decidiu em 9 de dezembro que os dois compositores que alegam que ela roubou um trecho da letra e o conceito apresentaram uma “disputa genuína” que deve ser resolvida por um júri.

A nova moção de defesa apresentada no dia 23 de dezembro pede ao juiz Fitzgerald que reconsidere sua decisão e que o tribunal se concentre apenas nas frases que são de domínio público.

“Ambas as músicas usam versões de duas frases curtas de domínio público – ‘players gonna play’ e ‘haters gonna hate’ – que são gratuitas para todos”, argumentam os advogados reforçando que ambas as músicas também usam frases repetitivas chamadas tautologias, que também não estão protegidas por direitos autorais.

“A presença de versões das duas declarações curtas de domínio público e duas outras tautologias em ambas as canções – uma semelhança que o tribunal observou – simplesmente não satisfaz o teste extrínseco. Caso contrário, os reclamantes poderiam processar todos os que escrevem, cantam ou dizem publicamente ‘players gonna play’ e ‘haters gonna hate’ sozinhos com outras tautologias. Permitir isso é sem precedentes e ignora o domínio público”, argumenta a nova moção.

Uma audiência sobre o pedido de reconsideração está marcada para 7 de fevereiro em Los Angeles.

Fonte: RollingStone.com





Twitter do site

Instagram do site

Facebook do site