Taylor Swift concedeu uma entrevista ao britânico Independent UK. Ela falou sobre suas origens na música country, as pessoas que ela admira e a rotulação de gêneros. Confira traduzida:

“Eu cresci com a música country, especialmente Patsy Cline e Dolly Parton,” diz Swift, que, aos 17 anos, conseguiu seu primeiro hit número 1 na parada country dos EUA com “Our Song”. “Quando eu era mais nova eu cantava as músicas delas pela minha cidade natal, em festivais, feiras e campeonatos de karaoke.”

Swift prontamente descobriu que usar seus relacionamentos falhados como material para suas músicas confessionais era uma fórmula de sucesso. Ela me conta: “Eu acho que eu comecei a perceber que queria estar na música country e ser uma artista quando tinha 10 anos de idade. Shania Twain apareceu e ela era tão forte e tão independente e escrevia todas as suas músicas. Isso significava tanto para mim. Ela é uma das mulheres mais bem-sucedidas a aparecer na música country e eu fiquei inspirada com ela. Também vi um VH1 Special sobre a cantora country Faith Hill e tive a certeza que a música country era o que eu queria fazer. Depois de assistir aquele programa de TV fiquei obcecada, irritantemente incomodando meus pais todos os dias até eles finalmente planejarem uma ida à Nashville.”

A primeira música que Swift aprendeu a tocar no violão foi “Cowboy Take Me Away”, das Dixie Chicks de 1999. Swift e a família dela juntaram suas tralhas e se mudaram da Pensilvânia para Nashville quando ela tinha 14, para que ela pudesse seguir sua carreira country. Deu certo – todos os quatro álbuns de Swift venderam bem mais do que cinco milhões de cópias mundiais e ela tem uma fortuna estimada em 165 milhões de dólares. Swift ainda é uma peça principal na música country apesar de soar mais como Britney Spears do que Dolly Parton. No início desse mês, ela tocou com um banjo no CMA Music Festival em Nashville, o Glastonbury da música country, quando mais ou menos 80.000 pessoas foram ao festival de quatro dias, um aumento de 15% do público em relação a 2012.

“Música country é o local onde as pessoas encontram realidade na música, e realidade nas estrelas que fazem a música,” Swift diz. “Tem bondade e honestidade nessas pessoas que eu admiro. Sempre vou amar Keith Urban (marido da Nicole Kidman), Twain e Hill. Sempre vou amar pessoas assim, que eu sinto que são completamente autênticas. Sou inspirada por pessoas que sinto que sei exatamente quem são, e isso me inspira para continuar a descobrir e me informar sobre quem eu sou como uma artista.”

O primeiro single de Red, último álbum de Swift, “We Are Never Ever Getting Back Together”, foi o primeiro número um dela na Billboard Hot 100 -mas ela está se acostumando com gêneros. Ao contrário, ela ainda reina como uma superstar country.

“Deixo a rotulação de gêneros para outras pessoas. Eu realmente deixo. Se eu fosse pensar muito sobre isso, me destruiria criativamente. Eu acho que se você parar para pensar que você tem que usar este instrumento nessa música porque se não as pessoas vão pensar que você é de um gênero diferente, então provavelmente eu vou estar analisando demais o que eu faço.”

Fonte: Independent UK

 





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up