26 de outubro de 20 Autor: Julia Cardoso
As melhores músicas do Speak Now segundo a Billboard

Em homenagem ao clássico terceiro álbum de Taylor Swift que completou 10 anos esse fim de semana, 11 membros da equipe Billboard escreveram sobre suas faixas favoritas no tão importante disco da cantora.

Provavelmente não é o primeiro álbum de Taylor Swift que vem à mente da maioria dos casuais ouvintes de música pop — não é seu disco mais vendido ou mais aclamado e não deu a ela um grande hit nos charts. Mas ‘Speak Now’ sempre terá um lugar especial no coração de seus maiores fãs: como um passo importante em sua evolução de queridinha do country para um ícone pop global, como o único álbum em que ela foi a única compositora em cada faixa, e simplesmente como uma de suas mais fortes, reveladoras e cativantes seleções de músicas até hoje — um álbum que ditou um alto padrão para todos os cantores e compositores no início dos anos 2010.

E já que a maioria da equipe da Billboard se considera parte dessa porcentagem de Swifties, não conseguimos nos conter quando se trata do seu clássico álbum júnior, ainda mais com seu 10º aniversário nesse fim de semana (25.10). Então nós escrevemos sobre cada uma das suas 14 faixas — com 11 redatores diferentes da Billboard falando sobre uma ou duas de suas favoritas. Veja o que dissemos abaixo, enquanto falamos de um dos mais essenciais e duradouros álbuns da última década.

1 – Mine

“Mine”, a primeira faixa e primeiro single do ‘Speak Now’ é Taylor Swift em sua essência — na época e agora. Há um garoto, uma garota e imagens sonhadoras de um amor que tudo consome. Claro, ela amadureceu na sua forma de contar histórias enquanto envelhecia no decorrer da década. Mas o conto da “filha cuidadosa de um homem descuidado” captura a mágica da angústia e do anseio adolescente. “Mine” certamente escapa das críticas frequentemente feitas a Swift, com um começo doce que se transforma em um refrão pop country que perdura para sempre. E 10 anos depois, toda vez que você ouve a música, ainda soa “como se fosse a primeira vez”. – DENISE WARNER

2 – Sparks Fly

Quando escuto uma música da Taylor Swift, eu espero por três coisas: uma história romântica, metáforas líricas criativas e um gancho feito para se cantar gritando. “Sparks Fly” marca todas as caixinhas. Sua fantasia com um ‘bad boy’ de olhos verdes que ela quer beijar na chuva e ser conduzida para quartos mal iluminados é um pouco mais sensual do que esperaríamos de uma Swift de cachinhos em 2010 — mas é exatamente o que faz com que a música se destaque no seu álbum mais maduro até então. A propósito, o trecho “Sou cativada por você, amor, como um show de fogos de artifício” em uma música chamada “Sparks Fly” (Faíscas Voam)? Genial! – RANIA ANIFTOS

3- Back to december

Ela já tinha lançado vários hinos ferozes de término quando seu terceiro álbum saiu, mas Swift disse que o segundo single do Speak Now, “Back to December”, foi a primeira vez que ela se desculpou por meio de uma música. Como resultado, a balada comovente sobre querer voltar no tempo para mudar a cabeça de alguém é extremamente comovente. Escutar Swift declarar e assumir ter errado ( com a estrela de crepúsculo, Taylor Lautner, o que foi confirmado por ele quatro anos atrás) é tanto confortante quanto fortalecedor e provou que é ok, e muitas vezes necessário, engolir o orgulho em nome do amor.
LYNDSEY HAVENS

4- Speak Now

Fale agora (Speak now) -como “Fale agora ou cale-se para sempre” que vem logo depois do “aceito” e normalmente não tem nenhuma resposta, mas acontece de ser uma deixa para um ato de ousado romantismo- aumenta os níveis do hit “You Belong With Me” como suas declarações de amor passando de bailes de formatura para cerimônias de casamento. Mas, a música que dá nome ao álbum é delicada e tem detalhes na letra, desde “um vestido moldado como um doce” até o reconhecimento de Swift de que impedir o casamento de alguém não é seu ‘normal’. “Eu não sou o tipo de garota/ que interrompe rudemente uma ocasião de véu branco” ela dá de ombros “mas você não é o tipo de garoto/ de estar casando com a menina errada”. A urgência de Speak Now, no fim, serve como uma tese para o resto do álbum, no qual Swift se recusa a ter suas emoções ignoradas, mesmo que seja em uma situação de terno e gravata. –
JASON LIPSHUTZ

5- Dear John

Para aqueles que achavam que Taylor Swift só começou com o rap mais tarde em sua carreira, por favor, vejam essa faixa picante, vingativa e pós-separação. Os rumores são de que Swift escreveu a sonhadora mas excruciante história com John Mayer, após seu breve relacionamento com o trovador guitarrista acabar. “Querido John / Eu vejo tudo claramente agora que você se foi /
Você não acha que eu era jovem demais para você ter me magoado?” ela pergunta com uma dor palpável e fúria no refrão, supostamente falando da diferença de 12 anos entre ela e o ex. Pode não ser exatamente um “The Story of Adidon” mas se pela energia que passava pela prosa de quase 7 minutos, sem dúvidas ela estava “pilhada” pelo término.

6 – Mean

Taylor como “a excluída” pode ser um terreno bem usado na obra de Swift neste momento, mas ela nunca apontou para seus inimigos tão diretamente quanto em “Mean”. Com seu som de banjo e linda letra, o single se mantém um hino feito especialmente para todos os sonhadores de olhar estrelado que já foram vítimas de bullying por não se encaixarem, e se mudaram para uma grande cidade tentando provar algo aos seus “haters” em casa. Pulando para 10 anos no futuro, se você for muito sortudo, a música pode soar como uma esperada “reivindicação”- porque agora você está escrevendo sobre isso na billboard. – GLENN ROWLEY

7 – The Story of Us

“The Story Of Us” foi escrita após um encontro com um ex – acreditamos ser John Mayer – no CMT Music Awards de 2010, sendo uma música mais pop-rock do que country. (Taylor falou sobre o evento estranho em entrevistas e a mensagem “CMT AWARDS” estava escondida no encarte do álbum). A música mostra Swift se comprometendo com uma metáfora bastante direta – esse relacionamento em particular não teve um final feliz – mas a história é bem escrita e permanece emocionante, mesmo você já sabendo como ela termina. Ela também possui um dos refrões mais frenéticos do Speak Now, abrindo caminho, embora não intencionalmente, para sucessos futuros de Swift como “Shake It Off” e “The Man”. NEXT CHAPTER! – Gag Ginsberg

8 – Never Grow Up

Embora Taylor Swift normalmente escreva sobre momentos muito específicos no tempo – nomeando as músicas até com a idade exata que elas se referem – a melancólica “Never Grow Up”, guiada por uma guitarra, traz um truque mágico, já que qualquer ouvinte, de qualquer idade, pode se relacionar com a música dependendo de sua perspectiva. No primeiro verso, você é a criança ou o narrador de Swift – que seria um irmão mais velho, um pai, um avô, talvez uma tia ou tio? No último verso, você é o jovem adulto em seu primeiro apartamento ou o pai que fez questão de levar um abajur de infância, só para garantir. Quando Speak Now foi lançado há 10 anos, eu tinha uma resposta diferente das que tenho agora para essas perguntas, já que agora a mãozinha da minha filha de 5 meses está enrolada em meu dedo. A magia dessa música, além de sua mensagem universal de tentar manter sua própria inocência e / ou proteger os inocentes ao seu redor, é que “Never Grow Up” é capaz de crescer junto com os fãs de Swift. – KATIE ATKINSON

9 – Enchanted

A maneira como essa música começa, com nada mais do que uma produção brilhante e acordes de guitarra repetidos, permite que a letra de Swift fique em destaque, ressaltando os detalhes da cena (“Seus olhos sussurraram ‘nos conhecemos?’ / Do outro lado da sala, sua silhueta começa a chegar até mim”). Enquanto a produção dá uma virada para alternativa com um rápido riff de guitarra elétrica e batidas firmes de bateria, Swift implora: “Quem você ama?” – capturando a pressa e a inevitável natureza consumidora de conhecer um estranho e acabar se apaixonando. É uma pergunta vulnerável que ela faz apenas a si mesma, e passa o resto da música pensando, deixando os ouvintes igualmente no escuro, mas encantados da mesma forma – uma ferramenta envolvente de contar histórias a qual ela voltou várias vezes. – L.H.

10 – Better than Revenge

Para qualquer um que fingiu estar chocado com a mesquinhez e ferocidade que Taylor Swift mostrou em Reputation, vá ouvir “Better Than Revenge”, a antecessora espiritual desse álbum. Embora o som se aproxime bastante do pop-punk ao invés do country-quase-pop que guia o resto do Speak Now, o conteúdo lírico não poderia estar mais perto de uma música (que veio muito depois) como “I Did Something Bad”, já que a cantora (supostamente) fala da atriz que “roubou” o afeto de Joe Jonas dela, Camilla Belle. As farpas afiadas de Swift também se misturam com golpes inteligentes contra si mesma ( o verso “ela pensa que sou psicopata porque gosto de rimar o nome dela com coisas” se destaca), colocando sua escrita em seu formato mais direto e menos insinuado em “Better Than Revenge “- o que é fascinante escutar mesmo uma década depois. – STEPHEN DAW

11 – Innocent

Cantada pela primeira vez no MTV Video Music Awards de 2010, um ano depois do incidente no VMA, “Innocent” foi feita como uma espécie de ramo de oliveira (símbolo de paz) de Taylor Swift para Kanye West, um tapinha no ombro para basicamente dizer: “Eu entendo.” Mas, por mais que a música quisesse tomar o caminho certo, a mágoa de Taylor com a interrupção no palco feita por Kanye e as consequências disso não puderam evitar brilhar sobre sua linda produção country alternativa. Golpes de empatia como “Não era mais fácil em seus dias de capturar vaga-lumes?” mostram uma inteligência tolerante e comentários como “32 e ainda está crescendo agora” parecem marcados tanto com rancor quanto simpatia. Ela não tinha superado tudo ainda e hoje “Innocent” é um capítulo ainda mais fascinante sobre a rivalidade mais reveladora do pop do século 21 por sua tentativa extremamente identificável de ser uma pessoa maior, mesmo quando você ainda não terminou totalmente de se sentir pequeno. – ANDREW UNTERBERGER

12 – Haunted

Em um álbum cheio de canções de término verdadeiramente excelentes, “Haunted” poderia facilmente cair no esquecimento como um single inferior. Mas 10 anos depois, a tendência de Swift para o melodramático – especialmente com letras como “Está ficando escuro e está tudo muito quieto / E não posso confiar em nada agora” – resultaram em um corte profundo extremamente atraente. Talvez “Haunted” se destaque simplesmente porque não segue a fórmula de uma música de término; em vez de oferecer guitarras acústicas silenciosas e letras quase sussurradas, a faixa explode com angústia, medo e desespero graças ao seu refrão, linha de bateria implacável e cordas agitados. — SD.

13 – Last Kiss

Paciência é uma virtude subestimada do Speak Now, sendo o álbum mais longo de Taylor Swift até agora, com 67:29, embora a soma de faixas seja quatro músicas mais curtas do que o Lover. Suas melhores canções se desenrolam lentamente, com cuidado, delicadamente – porém não mais do que na penúltima balada de seis minutos, “Last Kiss”. O refrão não aparece até quase dois minutos depois e continua tomando seu tempo a partir daí, dando enfoque mais nas pausas do que na letra em si. “Eu nunca pensei que teríamos um último… beijo… / Nunca imaginei que acabaríamos… assim!”. É uma espécie de sequência da música “Forever and Always” mas se ela é uma música de término parecida com uma tempestade de emoções que segue imediatamente um coração partido, “Last Kiss” captura perfeitamente a devastação calma e cruel que silenciosamente se instala depois, um suspiro delicioso que parece durar uma vida inteira. – A.U.

14 – Long Live

Eu sempre digo que se Taylor Swift e eu conhecêssemos IRL, seríamos amigos imediatamente – afinal, temos muito em comum (principalmente no nosso gosto por gatos e britânicos). Por causa de músicas como “Long Live”, acho que o sentimento seria mútuo. Enquanto Taylor acertou na arte de canções de amor, a última faixa do Speak Now parece especial porque é sua primeira canção de amor dedicada aos fãs: nós! Perto do final do álbum, ela ainda torna as coisas mais íntimas: “Você pode tirar um momento / me prometa isso / que você estará comigo para sempre…” É um momento que nos faz sentir como se todos fizéssemos parte do mesmo fã clube – e realmente, já fazemos. – MIA NAZARENO

Matéria publicada pela Billboard e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up