Taylor Swift – cujo patrimônio líquido a Forbes estima em US$570 milhões – está recebendo todo o amor e a maior parte do dinheiro, enquanto a Ticketmaster recebe uma ninharia relativa junto com montes de raiva dos fãs e escrutínio regulatório.

Swift deve ganhar cerca de 48 vezes mais que a Ticketmaster com sua turnê “The Eras”. Sua receita com o show pode ser de cerca de US$620 milhões, com base nas suposições de um especialista. Enquanto isso, a Billboard estima que a Ticketmaster — que controla 70% do mercado de ingressos — poderia ganhar no máximo US$12,9 milhões.

Além do mais, o desejo dos Swifties de conseguir um lugar na data da turnê “The Eras” – que começará em Glendale, Arizona, em 13 de março de 2023 e terminará em 9 de agosto em Inglewood, Califórnia – sobrecarregou as operações de venda de ingressos da Ticketmaster. A empresa está destruindo o que os economistas chamam de bem-estar do consumidor. Doze anos após a fusão com a Live Nation, os consumidores estão pagando mais caro por uma experiência de compra de ingressos muito pior.

Como assim? Os preços dos ingressos triplicaram desde 1995 – estimulados por um mercado secundário que faz os preços dispararem – enquanto o índice de preços ao consumidor quase dobrou. Além do mais, a experiência de compra de ingressos da Ticketmaster é péssima. Swifties e seus pais estão indignados depois de dedicar horas a tentativas muitas vezes malsucedidas de comprar ingressos para a turnê.

Isso estimulou apelos para que o governo desfaça os danos causados ao consumidor pela fusão de 2010. O pai da Ticketmaster, Live Nation Entertainment, será separado para remediar a raiva dos Swifties e seus parentes?

A turnê “The Eras”, de 52 datas, fará dela a artista feminina de maior bilheteria de todos os tempos. De acordo com a Billboard, Swift venderá os 170.000 ingressos restantes para sua turnê antes do final de 2023 – o que estima vendas totais de US$591 milhões a um preço médio de ingresso de US$215.

Madonna – cuja turnê Sticky & Sweet em 2008 e 2009 detinha o recorde anterior com vendas de US$407 milhões – cairá para o segundo lugar na lista das artistas femininas de maior bilheteria.

Swift é o artista popular dominante de hoje. Como David Herlihy, professor de ensino do nordeste e coordenador do programa da indústria musical, me disse em 19 de dezembro: “Ela supera todos os outros artistas em sua capacidade de se conectar com seus fãs e escrever ótimas canções que fazem as pessoas chorarem. Ela é linda e telegênica. Swifties – que não vão a seus shows desde antes da pandemia – estão desejando a experiência de um show pessoalmente com ela.”

A Billboard não estimou quanta receita Swift receberia da turnê. Herlihy – que não viu seus contratos – me ajudou a adivinhar a resposta – cerca de $620 milhões – ou 105% da receita de ingressos.

Herlihy diz que Swift receberá entre 100% e 110% dos US$591 milhões em vendas de ingressos para a turnê. Como assim? “Seu promotor deveria ficar feliz em pagar a ela mais porque ele não tem que assumir nenhum risco de que seus shows não se esgotem.”

O dinheiro adicional para Swift virá da venda de mercadorias nos locais – o que poderia adicionar cerca de US$87 milhões em receita – muitos dos quais ela manteria. Como Herlihy explicou, “Em cada local [dos quais ‘The Eras’ ocupará 52] ela provavelmente venderia 30.000 peças de mercadoria a um preço médio de $80 por item. Trinta por cento disso iria para o local e o restante iria para Swift e o promotor”.

Após as despesas, Swift poderia manter entre US$465 milhões e US$496 milhões. Como ele disse: “Ela tem que pagar impostos, sua equipe, aluguel do local e despesas da turnê – possivelmente caminhões redundantes, equipes, segurança, instrumentos musicais e assim por diante. Essas despesas podem variar entre 20% e 25% de sua receita.”

Fonte: Forbes





Twitter do site

Facebook do site