“Nem um chute. Nem uma única chance. Sem chance alguma”.

Taylor Swift – que, aos 30 anos, alcançou um estado zen de realismo com boas vibrações – ri enquanto se inclina sobre um travesseiro que colocou sobre as pernas cruzadas dentro de sua suíte no Beverly Hilton Hotel, inclinando-se ainda mais para suas grandes chances de ganhar um Golden Globe, que estarão zeradas quando ela se dirigir ao baile televisionado em poucas horas.

Não importa se a música que ela co-escreveu, “Beautiful Ghosts”, poderia realmente ter merecido um prêmio de melhor música original (ou estar na lista do Oscar, o que não aconteceu). Desde que as indicações ao Globo foram reveladas, os eleitores dificilmente conseguiriam ficar imunes à rapidez com que o filme “Cats”, no qual ela também é co-estrela, tornou-se alvo de piadas sobre erros caros de cálculo de Hollywood e desastres criativos. Não que você ouça Swift pronunciar uma palavra desanimadora sobre tudo isso. “Estou feliz por estar aqui, feliz por ser nomeada e me diverti muito trabalhando naquele filme esquisito”, declara ela. “Não decidirei retroativamente que não foi a melhor experiência. Eu nunca teria conhecido Andrew Lloyd Webber ou chegado a ver como ele trabalha, e agora ele é meu amigo. Eu comecei a trabalhar com os dançarinos e artistas mais incríveis. Sem queixas”.

Se isso faz você acreditar que a estrela pop está super bem, considere seu outro novo filme – um documentário muito mais significativo que apresenta Swift não apenas sem peles digitais, mas sem o verniz da indústria de celebridades. A produção da Netflix, “Taylor Swift: Miss Americana”, tem um espaço de prestígio na estreia da noite de gala do Sundance Film Festival, em 23 de janeiro, antes de chegar ao mundo em um lançamento teatral como um monstro de streaming em potencial em 31 de janeiro.

O documentário passa grande parte do seu ato de abertura unindo as alegrias da criação com os danos do estrelato global – a essência de muitos documentários pop, se visto em detalhes especialmente íntimos – antes da mudança mais provocativa em sua última parte para se concentrar mais firmemente em como e por que Swift se tornou um animal político. É a história de uma jovem séria auto-descrita com uma fixação de “boa garota”, trabalhando em seus últimos medos restantes de ser envergonhada quando ela abraça suas garras e suas causas.

Dado que o filme retrata quão gradualmente, e às vezes com relutância, Swift passou a colocar-se como comentarista social, “Miss Americana” é um retrato do nascimento de uma ativista. A diretora Lana Wilson organiza o filme para que ele gire em algumas grandes decepções para o assunto. A primeira aparece no início do filme e no início da manhã, quando o publicitário de Swift telefona para atualizá-la sobre quantas das três principais categorias do Grammy seu álbum de 2017 “Reputation” está indicado: zero. Ela está claramente chateada com a exclusão do álbum pelo comitê de nomeação dos prêmios, como seria praticamente com qualquer pessoa que já havia vencido o álbum do ano duas vezes e, com determinação, diz ao seu representante que apenas fará um disco melhor.

Mas ela sofre o que parece ser um golpe mais significativo no final do filme. No outono de 2018, Swift finalmente sai do armário politicamente para intervir em nome dos democratas nas eleições locais em seu estado natal, Tennessee. Como o Washington Post colocou, esse anúncio “caiu como um martelo nos sub-fóruns de adoração a Trump da Internet de extrema direita, onde as pessoas se convenceram … de que a estrela pop mundialmente famosa era uma fã secreta do MAGA”. Donald Trump foi diante das câmeras para sorrir e dizer que agora ele gosta um pouco menos da música de Swift. A cantora conseguiu alistar milhares de jovens para se registrar para votar, mas seu candidato senador, o democrata Phil Bredesen, perde para a republicana Marsha Blackburn, que ela chamou de inimiga flagrante do feminismo e dos direitos dos gays.

“Definitivamente, isso foi uma decepção maior para mim”, diz Swift, colocando o desprezo a médio prazo contra o desprezo do Grammy. “Acho que o que está acontecendo no mundo é maior do que quem ganha um prêmio numa festa”.

Nem sempre foi assim para Swift – como destacaram os acusadores que a pressionaram por ficar quieta durante a última eleição presidencial. Se você tivesse que escolher o momento mais embaraçoso ou lamentável de “Miss Americana”, poderia ser o clipe de TV do “The Late Show With David Letterman”, no qual o apresentador aborda a política e faz com que Swift defenda essencialmente o mantra “cale a boca e cante”. Enquanto o público do estúdio grita pela aprovação de seu voto de permanecer apolítica, Letterman dá a ela o que agora parece ser o soco mais antigo da história.

Pensando bem, Swift é incrédula. “Toda vez que eu não falava sobre política quando era mais jovem, eu era aplaudida por isso”, diz ela. “Foi selvagem. Eu pensei: ‘Sou uma garota de 22 anos. As pessoas não querem ouvir o que tenho a dizer sobre política’. E as pessoas pensavam “Yeahhhhh!”

Nesse momento, Swift já estava começando a gravar faixas pop isoladas, dando passos de bebê que logo se transformariam em passos largos, longe de seu gênero inicial. Mas se ela tinha planos de mudar de estilo ou não, a lição do exílio forçado das Dixie Chicks após o comentário de Natalie Maines contra o então presidente George W. Bush era algo que já estava marcado para Taylor, principalmente quando ela acabara de plantar sua bandeira de adolescente jovem em Nashville e ouviu muitas lamentações dos compositores mais antigos do Music Row sobre como as Chicks jogaram tudo fora.

“Vi como um comentário político colocou fim em um reinado poderoso, e isso me aterrorizou”, diz Swift. “Hoje em dia, nas mídias sociais, as pessoas podem ficar muito bravas com algo em um dia e depois simplesmente esquecerem o motivo semanas depois. É uma falsa indignação. Mas o que aconteceu com as Dixie Chicks foi uma verdadeira indignação. Isso ficou marcado para mim: qualquer comentário que você fizer pode ser o fim da sua carreira”.

Talvez a cena mais cativante de “Miss Americana” seja a que Swift discute com seu pai e outras partes de sua equipe sobre a declaração que ela está prestes a soltar contra Blackburn e – fica claro por suas referências à oposição da Casa Branca ao Equality Act – também ao Donald Trump. Os comentários foram tão espontâneos que Wilson não estava lá para filmar o momento, mas o diretor pediu às pessoas que ligassem a câmera se algo interessante acontecesse, e certamente aconteceu.

“Por 12 anos, não nos envolvemos em política ou religião”, alguém na equipe disse para Swift, sugerindo que ir contra um presidente e candidatos republicanos ao governo e ao Senado poderia ter o efeito de reduzir pela metade o público da sua turnê. O pai dela diz: “Eu li a [declaração] inteira e… bom, agora estou apavorado. Eu sou o cara que saiu e comprou carros blindados”.

Eu precisava chegar a um ponto em que estivesse pronta, capaz e disposta a enfrentar, em vez de apenas sorrir

Taylor Swift

Mas Swift é inflexível em pressionar o botão para publicar algo quase inédito no seu Instagram, dizendo que Blackburn votou contra a nova Lei da Violência contra as Mulheres, bem como projetos compatíveis ao grupo LGBTQ: “Não consigo ver outro comercial [com] ela disfarçando essas políticas por trás das palavras “valores cristãos do Tennessee”. Vivo no Tennessee. Eu sou cristã. Não é isso que defendemos”. Contendo as lágrimas, ela lamenta não ter se manifestado contra Trump dois anos antes, “mas não posso mudar isso. Eu preciso estar do lado certo da história. … Pai, preciso que você me perdoe por fazer isso, porque estou fazendo”.

Swift diz agora: “Essa era uma situação em que, do ponto de vista da humanidade, e pelo que minha bússola moral estava me dizendo que eu precisava fazer, eu sabia que estava certa e realmente não me importava com repercussões”. Ela entende porque enfrentou uma oposição tão acalorada na sala: “Meu pai está aterrorizado com ameaças contra a minha segurança e minha vida, e ele tem que ver com quantos stalkers lidamos diariamente e saber que essa é a criança dele. É o lugar de onde ele vem”.

Swift foi recentemente anunciada como ganhadora do Vanguard Award do GLAAD, e ela mencionou a organização em seu single arrasador “You Need to Calm Down”, que foi lançado no outono passado como um dos teasers para um álbum aparentemente mais socialmente consciente. Parte de sua politização, diz ela, é a sensação de que seria hipócrita sair com seus amigos gays, enquanto politicamente, estava os deixando à sua própria sorte. No filme, ela diz: “Eu acho que é tão ridículo e covarde da minha parte ficar no palco e falar ‘Feliz mês do Orgulho, pessoal’ , e depois não me posicionar quanto a isso, quando alguém está literalmente os perseguindo”.

Um ano e meio depois, ela elabora: “Celebrar, mas não advogar, me pareceu errado. Usar minha voz para tentar advogar foi a única escolha a ser feita. Porque eu já falei sobre igualdade e cantei sobre isso em músicas como ‘Welcome to New York’, mas estamos em um ponto em que os direitos humanos estão sendo violados. Quando você está dizendo que certas pessoas podem ser expulsas de um restaurante por causa de quem elas amam ou como se identificam, essas são políticas reais que certos políticos vocalmente defendem e que as disfarçam como valores familiares, isso é sinistro. Tão, tão pesado”.

Seu crescente alinhamento com a comunidade LGBTQ não foi a única coisa que elevou sua consciência ao limite. O mesmo aconteceu com o julgamento por agressão sexual em que ela foi apalpada por um DJ durante uma sessão de fotos nos bastidores (como restituição financeira, Swift pediu US $ 1).

Sua experiência com o julgamento foi crucial, diz ela, ao se descobrir em uma posição em que “precisava falar sobre as crenças que eu sempre tive, porque parecia uma oportunidade de esclarecer como são esses julgamentos. Minha experiência foi como uma pessoa extremamente privilegiada, então só posso imaginar como é quando você não tem isso. E acho que um tema que acabou surgindo no filme é o que acontece quando você não é apenas uma pessoa que agrada aos outros, mas alguém que sempre respeita as figuras de autoridade, fazendo o que deveria, sendo educada a todo custo. Ainda acho importante ser educada, mas não a todo custo”, diz ela. “Não [precisa ser educado] quando você está sendo pressionado além dos seus limites, e não é necessário quando as pessoas estão passando por cima de você. Eu precisava chegar a um ponto em que estivesse pronta, capaz e disposta a enfrentar, em vez de apenas sorrir”.

Isso entrou em cena quando Kanye West entrou em sua vida e a envergonhou publicamente pela segunda vez. No vídeo de Kim Kardashian lançado em 2016, você pode ouvir a Swift que tentava agradar a todos, agradecendo timidamente a ele por informá-la sobre a frase “Eu e Taylor ainda podemos ter relações sexuais” que ele planeja incluir sobre ela em uma música – apenas para se arrepender mais tarde, quando a frase lançada também inclui a frase “Por quê? Tornei essa cadela famosa”. A frase, é claro, remonta ao momento em que ele a interrompeu e roubou seus holofotes nos VMA da MTV seis anos antes, quando ela estava no meio de um discurso aceitando o prêmio. West não é um nome que sai publicamente dos lábios de Swift, por isso pode ser surpreendente para os fãs que esses eventos sejam recapitulados em “Miss Americana”, embora Swift diga que as decisões do filme foram todas da diretora, que explica a reação de Swift ao episódio foi importante ser incluído.

“Com os VMAs de 2009, me surpreendeu que, quando ela falou sobre como toda a multidão estava vaiando, ela pensou que eles estavam vaiando ela, e como isso era devastador”, diz Wilson. “Isso era algo que eu nunca tinha pensado ou ouvido antes e tornou [o acontecimento] muito mais compreensível e possível de se identificar para qualquer pessoa”.


Eu vejo o filme como um olhar do outro lado de ser a queridinha da América

Lana Wilson, diretora de “Taylor Swift: Miss Americana”

Swift reconhece como os dois incidentes foram formativos em sua vida, para o bem e para o mal. “Quando adolescente, eu estava apenas na música country, participando da minha primeira premiação pop”, ela diz agora, “alguém se levantou e me enviou a mensagem: ‘Você não é respeitado aqui. Você não deveria estar aqui neste palco. Essa mensagem foi recebida e se afundou na minha psique mais do que se sabia. … Isso pode levar você a uma de duas maneiras: eu poderia ter me enrolado e decidido que nunca mais voltaria a um desses eventos, ou isso poderia me fazer trabalhar mais do que alguém espera e tentar coisas que ninguém esperava, e conseguir esse respeito – e espero que um dia eu consiga”.

“Mas então, a pessoa que provocou todos esses sentimentos volta à sua vida, como fez em 2015, e eu senti que finalmente recebi esse respeito (do West), mas logo percebi que, para ele, tudo era sobre criar alguma história revisionista onde ele estava certo o tempo todo, e era correto e decente como ele se levantou e fez isso com uma adolescente …”, ela suspira. “Eu entendo por que Lana colocou isso”.

A mulher que iniciou seu recente álbum “Lover” com uma brincadeira alusiva ao West chamada “I Forgot That You Existed” acrescenta: “Não penso muito nesse assunto agora”.

O que não está no filme é qualquer menção a seus outros inimigos mais famosos – Scooter Braun e Scott Borchetta, da Big Machine Records, com quem ela se desdenha publicamente há vários meses. “O assunto da Big Machine aconteceu muito tarde no nosso processo”, diz Wilson. “Não estávamos tão longe do bloqueio de imagem. Mas também não há muito a dizer que não seja conhecido publicamente. Sinto que Taylor já publicou a história com suas próprias palavras, e já foi amplamente abordada. Eu estava interessada em contar a história que não havia sido contada antes, que seria surpreendente e emocionalmente poderosa para o público, independentemente de serem pessoas da indústria da música ou não”.

Ainda assim, a maneira como Swift está disposta a se posicionar politicamente pelos outros é paralela à maneira como ela se defendia em relação a Braun, No recente Billboard Women in Music Awards, em qie fez um discurso totalmente empolgante, revelando nomes sem fazer prisioneiros, perseguindo os homens que agora controlam seu catálogo de seis álbuns, Big Machine. Certamente Swift estava ciente de que, junto com os apoiadores, havia muitos amigos e parceiros de negócios de Braun entre os VIPs no Hollywood Palladium que não ficariam satisfeitos com o que esse puxa-saco muito reformado tinha a dizer.

Uma coisa que todos que estavam na sala concordaram é que você pode ouvir um alfinete cair enquanto Swift usa seu discurso para tornar ainda mais ousada essa disputa por carne. Alguns diriam que é porque ficaram fascinados pela ousadia dela em falar a verdade ao poder, outros porque se sentiram desconfortáveis. Diz um colega homenageado que trabalha em uma posição de destaque no setor (e que já trabalhou com alguns clientes de alto nível da Braun): “As pessoas estavam empolgadas com ela no início do discurso. Mas uma vez que ela começou a ir em uma direção negativa em um evento que deveria estar comemorando realizações para as mulheres, eu senti que ela caiu em uma boa parte da sala, porque não era o lugar apropriado para se dizer isto”.

Não foi intimidador para Swift, sabendo que ela poderia estar polarizando um auditório cheio das pessoas mais poderosas do negócio? “Bem, durmo bem à noite, sabendo que estou certa”, ela responde, “e sabendo que em 10 anos será uma coisa boa que eu falei sobre os direitos dos artistas à sua arte e que apresentemos conversas como: os acordos de gravação devem ser de curto prazo ou se estão realmente ajudando os artistas, se não estão dando a eles o primeiro direito de recusar a compra do trabalho, se assim o desejarem?”

“Obviamente, sempre que você se posicionar contra ou a favor de algo, nunca receberá elogios unânimes. Mas é isso que o força a ser corajoso. E isso é diferente na maneira como vivo minha vida agora”. (A equipe de Braun não respondeu a um pedido de comentário.)

Uma coisa que Taylor Swift não pode dobrar à sua vontade determinada é a saúde de sua família. Ela revelou há alguns anos que sua mãe, Andrea, uma figura amada entre os milhares de fãs que a conheceram nos shows, está lutando contra um tipo de câncer não revelado. Swift abordou a incerteza dessa luta em uma canção angustiada em seu último álbum, “Soon You’ll Get Better”. Muitos que veem “Miss Americana” procurarão sinais de como sua mãe está. O assunto aparece em uma seção do filme que inclui uma cena relativamente alegre, na qual é mostrado que uma das maneiras de Andrea Swift de dizer “dane-se” para o câncer recentemente foi quebrar o molde e trazer um cachorro – “seu cachorro acompanhante” – em uma família famosa por amar felinos.

A verdadeira resposta pode estar na atividade de Swift para a turnê de “Lover”. Embora, normalmente, ela passe nove meses do ano na estrada após o lançamento de um álbum, ela planeja limitar-se, dessa vez, a quatro datas em estádios nos Estados Unidos neste verão e uma viagem ao redor do circuito de festivais da Europa. E talvez isso não seja 100% por motivos pessoais: “Eu queria poder me apresentar em lugares onde não tivesse ido tanto e fazer coisas que nunca havia feito antes, como Glastonbury”, diz ela. “Sinto que não toco em festivais desde o início da minha carreira – eles são divertidos e aproximam as pessoas de uma maneira muito legal. Mas eu também queria poder trabalhar o tanto que eu aguentar agora, com tudo o que está acontecendo em casa. E eu queria descobrir um jeito de fazer as duas coisas”.

Ser capaz de estar lá para a mãe é a principal preocupação? “Sim, é isso. Essa é a razão”, diz ela. “Quero dizer, não sabemos o que vai acontecer. Não sabemos qual tratamento vamos escolher. Foi apenas a decisão a tomar no momento, por enquanto, pelo que está acontecendo”.

No caso dela, é como se sua empresária e a pessoa com quem ela sempre foi mais próxima tivessem ficado gravemente doente, de uma só vez. “Todo mundo ama sua mãe; a mãe é importante pra todo mundo”, ela se permite dizer. “Mas para mim, ela é realmente minha força orientadora. Quase todas as decisões que tomo, eu converso com ela sobre primeiro. Então, obviamente, foi realmente muito difícil até mesmo falar sobre sua doença”. Durante as filmagens, quando o câncer de Andrea voltou pela segunda vez, “ela estava passando por quimioterapia, e isso é algo difícil o suficiente para uma pessoa passar”. E então ficou mais difícil. Falando sobre esse último desenvolvimento publicamente pela primeira vez, Swift revela, quietamente: “Enquanto ela estava em tratamento, eles encontraram um tumor em seu cérebro. E os sintomas que uma pessoa com tumor cerebral apresenta são muito diferentes do que os que a gente já tinha lidado com seu câncer antes. Então, esse é um momento muito difícil para nós, como família”.

Comparado a isso, quase qualquer outro tópico abordado pelo filme poderia parecer irrelevante. Mas encontra força ao falar de outros tipos de coisas não saudáveis, como as expectativas físicas que são colocadas nas mulheres em geral e nas mulheres celebridades, especificamente, Swift não sendo exceção. Neste departamento, ela tem suas próprias heroínas. “Eu amo pessoas como a Jameela Jamil porque a maneira como ela fala sobre imagem corporal, é quase como se ela falasse em mantras. Mulheres são condicionadas a um padrão de beleza tão ridículo, e estamos vendo tantas coisas nas redes sociais que fazem nos sentir menos que outras, ou que não somos o que deveríamos ser, que você meio que precisa de um mantra pra repetir na sua cabeça quando você começa a ter pensamentos ruins. Eu juro que o jeito que a Jameela fala parece trechos de música, fica preso na minha cabeça e me acalma”.

A colaboradora de Swift nesse projeto, Wilson, estava numa lista de diretores em potencial que a Netflix a entregou quando ela expressou interesse em fazer um documentário logo após o show especial que estreou na plataforma há pouco mais de um ano. Você pode perceber uma mensagem feminista, se você escolher isso, no fato de que Swift escolheu uma diretora mais conhecida por um documentário sobre médicos que fazem aborto. “After Tiller”. Swift diz que ficou mais impressionada, no entanto, que os documentárioss de Wilson buscam nuances e sutileza ao abordar assuntos que tendem a acabar em caixas de sabão (uma plataforma elevada sobre a qual se faz um discurso improvisado, geralmente sobre um assunto político), e a primeira conversa foi sobre o desejo mútuo de evitar “propaganda” de qualquer forma.

Se há uma agenda feminista em “Miss Americana”, Wilson e Swift queriam que ela surgisse naturalmente, embora a diretora admita que foi bastante flagrante desde o início, já que ela montou o filme (que é co-produzido por Morgan Neville, o “operador de som” da diretora) com uma equipe exclusivamente feminina. Ou quase toda feminina, diz Wilson, rindo: “Vou sempre dizer que tivemos assistentes de produção masculinos, porque gosto de mostrar às pessoas que os homens podem buscar café para as mulheres”.

Wilson acrescenta: “Quando comecei a filmar, foi antes de ela se revelar politicamente. Ela sabia que estava saindo de um período muito sombrio e queria colaborar em algo que capturasse o que estava passando e que fosse realmente cru, honesto e emocionalmente íntimo”. O despertar político, segundo a diretora, “foi uma decisão profunda para ela. Nisso, vi essa história feminista de amadurecimento com a qual, pessoalmente, me conectei e que realmente acho que mulheres e meninas em todo o mundo também irão se identificar”.

Quanto maior fica sua carreira, mais você luta com a ideia de que muitas pessoas o veem da mesma maneira que veem um iPhone ou um Starbucks

Taylor Swift

O filme pegou emprestado o título de uma das músicas do álbum “Lover”, “Miss Americana & the Heartbreak Prince”. Essa talvez seja a única música totalmente alegórica que Swift já lançou – e, à sua maneira, é uma ótima música de protesto. Toda a letra é uma metáfora de como Swift cresceu como uma patriota sem piscar e teve que, relutantemente, deixar para trás sua ingenuidade na era de Trump. Seu parceiro nessa faixa, além de em outras músicas como “You Need to Calm Down” e “The Man”, foi um novo co-compositor e co-produtor em sua banca de colaboradores desta vez, Joel Little.

Com a música “Miss Americana & the Heartbreak Prince”, embora a letra esteja encoberta por uma metáfora, “gostamos de pensar que foi uma afirmação muito clara”, diz Little. “Há muitas pequenas mensagens ocultas nessa música que apontam para o modo como ela pensa e sente sobre política e sobre os Estados Unidos. Eu amo o fato de usar muitas imagens clássicas de Taylor Swift, em termos de tópicos de composição sobre ensino médio e líderes de torcida, como um aceno inteligente ao que ela fez no passado, mas ligado a uma forte mensagem política”.

“Miss Americana & the Heartbreak Prince” não aparece, de fato, no documentário, mas o diretor diz que o título do filme é entendido pelos fãs como uma referência óbvia a temas políticos. “Mesmo que você não conheça a música”, diz Wilson, “eu vejo que o filme aborda o lado negativo de ser a queridinha da América, então eu gosto de como o título evoca isso também”.

O documentário não carece de suas próprias músicas de protesto. No meio de seu descontentamento, Swift é vista escrevendo um hino para os millenials (nascidos entre 1980 a 1990) que podem estar desiludidos com o processo político. Aquela música inédita, “Only the Young”, é vista em uma versão demo antes de ser reproduzida na íntegra nos créditos finais; ela vai ser lançada como um single digital em conjunto com o documentário. Letra principal: “Você fez tudo que poderia ter feito / O jogo foi fraudado, o juiz acionado / Os errados pensam que eles estão certos / Nós éramos minoria – dessa vez”.

“Uma coisa que eu acho incrível nela”, diz Wilson, “é que ela vai ao estúdio e para compor músicas como um processo do que ela está passando. Eu amo como, quando ela recebeu a notícia do Grammy (sobre “Reputation”), ela não é alguém que vai se sentir mal consigo mesma ou dizer ‘Isso não foi justo’. Ela, em vez disso, diz ‘Ok, eu vou trabalhar ainda mais duro’. Você enxerga o quão forte ela é naquele momento quando ela recebeu as notícias. E depois com os resultados das eleições, eu amei como ela canalizou tantos dos seus pensamentos e sentimentos em “Only the Young”. Foi um ótimo jeito de mostrar como as coisas que acontecem na sua vida vão diretamente em suas músicas; você testemunha isso nos dois casos.

Então o filme tem como objetivo satisfazer a fã base ou provocar os grupos não convencidos que podem assisti-lo como um stream gratuito? “Eu acho que é um pouco dos dois”, Taylor diz. “Eu escolhi a Netflix porque é um meio muito vasto e acessível para pessoas que são tipo ‘Hey, o que é isso? Estou entediado’. Eu amo isso, por eu fazer muitas coisas focando especialmente nos meus fãs que gostam da minha música, eu acho importante se colocar em algum lugar para alcançar pessoas que não se importam nenhum pouco sobre você”.

No despertar do último round com Kanye, picada pelas reações daqueles que escolheram ficar do lado dele, Taylor deu uma pausa de 3 anos de entrevistas. O mantra do seu álbum de 2017, “Reputation”, e da sua subsequente turnê foi “Sem explicações”. Mas o sumiço no estilo de Beyoncé foi passageiro. Com “Lover” e agora, especialmente no documentário, ela não poderia ser mais explicativa. Apesar de essa entrevista ser a única que ela planeja falar do documentário, é perceptível que ela vai voltar em uma fase aberta, e que ela considera seu habitat natural.

“Eu realmente gosto de toda a discussão em torno de música. E durante ‘Reputation’, nunca senti que seria sobre música, não importa o que eu dizia ou fazia”, ela disse. “Eu abordo álbuns de maneiras diferentes, de quanto eu quero mostrar eles ao mundo ou o que eu me sinto confortável nesse momento da minha vida”. Sendo mais transparente “me senti bem com esse álbum. Eu realmente senti como se pudesse continuar a fazer mais – essa é a vibe de agora. Eu não acho que escrevi tanto como agora. Isso se percebe em ‘Lover’, já que o álbum tem a maior quantidade de músicas que eu já coloquei em um álbum (18, para ser exata). “Mas mesmo depois de ter feito esse álbum, eu continuo escrevendo e indo para o estúdio. Isso é algo novo que estou passando nesse momento. Essa abertura que parece que finalmente eu consegui tirar a tampa de uma jarra que eu estava tentando há anos”.

Esse reinado nunca durou muito por alguém que se estabeleceu como uma das mais talentosas cantoras e compositoras confessionais da história pop. “Eu realmente não opero muito bem como um enigma,” ela diz. “Isso não é gratificante para mim. Funciona muito bem em outras carreiras do pop, mas eu acho que me faz sentir completamente incapaz de fazer o que eu consegui fazer, que é me comunicar com as pessoas. Eu vivo pelo sentimento de estar em um palco e dizer, ‘Eu me sinto desse jeito’ e a plateia me responder com ‘nós também!’ E eu falar ‘Sério?’ e eles: ‘Sim!’”

Swift acredita que falar de novo não é uma forma de ceder ao narcisismo – é uma maneira de afastar a mercantilização.

“Quanto maior fica sua carreira, mais você luta com a ideia de que muitas pessoas o veem da mesma maneira que veem um iPhone ou um Starbucks,” ela diz. “Eles acabam sendo inundados com seu nome na mídia, e você se torna uma marca. Isso é inevitável para mim, mas eu realmente acho que é extremamente necessário sentir que eu ainda posso me comunicar com as pessoas. Como uma compositora, é muito importante ainda me sentir humana e processar as coisas de maneira humana. A questão principal é humanidade, e alcançar as pessoas e falar com elas de modo que elas percebem que nem tudo são flores e coisas fofas”.

“Há muitas coisas nada fofas nesse documentário”.

Matéria publicada pela Variety e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up