Hoje (01), a revista Forbes liberou sua lista de 15 mulheres mais poderosas da mídia e do entretenimento em 2017. De acordo com eles, este ano elas foram responsáveis por denunciar assédio e abuso e causar mudanças para as mulheres em geral. Confira o artigo e a lista completa:

Assédio sexual na mídia e no entretenimento não é novidade. Mas agora que ele está em evidência no mundo, mulheres em posições de poder estão lutando para seguir em frente.

O número crescente de denúncias de abuso contra Harvey Weinstein acendeu um fogo no mundo da mídia e do entretenimento que se alastrou para outras empresas, uma após a outra. Denúncias de abuso e comportamento impróprio de homens de lugares como NBC, Nickelodeon e Vox levaram a diversas demissões, e a Fox News continua lidando com as consequências das denúncias de assédio de Bill O’Reilly.

O problema que as mulheres no poder encaram agora é saber o próximo passo.

O assédio sexual não é um problema novo em Hollywood. Desde que existem filmes, existem homens pressionando mulheres a fazer o “teste do sofá”. Em seu livro de memórias de 2016, a atriz Tippi Hedren acusou Alfred Hitchcock de abusar sexualmente dela durante as filmagens de seu filme Marnie, de 1964.

A diferença hoje é que há mais mulheres em posições de poder nos estúdios e nas publicações que podem começar a causar mudanças reais.

Dana Walden, presidente e CEO do Fox Television Group e número 60 na lista de Mulheres Mais Poderosas deste ano, acredita que, para a cultura evoluir, precisamos de mais mulheres em posições executivas. “Precisa haver mulheres nas posições mais altas de toda organização, e representação feminina significativa em todo conselho corporativo”, diz Walden. “Nosso recrutamento e nosso treinamento têm que ser orientados a garantir que estamos identificando e estimulando futuras gerações de líderes mulheres.”

Zanny Minton Beddoes, editora-chefe do The Economist e número 72 da lista, acredita que as últimas revelações podem significar que a indústria finalmente atingiu seu limite. “Eu acho que pode haver mudanças”, ela diz. “Não faz tanto tempo assim que comentários racistas e homofóbicos eram predominantes nos ambientes de trabalho. E agora isso não é nada ok.”

Ela acredita numa reavaliação das formas com que a dinâmica de poder se manifesta no ambiente de trabalho.

“Precisa haver um comprometimento genuíno das firmas para enraizar e proteger isso, mas seria necessária uma combinação de fatores para mudar a cultura”, diz ela. “A longo prazo, é de interesse de todos que isso esteja certo, porque, se as mulheres se sentirem desconfortáveis, muitas delas vão simplesmente ir embora. E isso sempre torna as empresas menos efetivas.”

No meio-tempo, algumas das mulheres da nossa lista estão fazendo o que podem para mandar os assediadores embora. Taylor Swift (#85) rompeu seu silêncio no assunto processando um DJ que teria cometido abuso contra ela em 2013. O US$ 1 pedido por ela foi uma indenização simbólica, mas sua vitória significou muito mais para as hordas de garotas que a admiram. Ela se comprometeu a doar mais para “organizações de caridade dedicadas a proteger mulheres de atos similares de abuso sexual”.

Laurene Powell Jobs, #14 da lista, demitiu Leon Wieseltier, antigo editor do The New Republic, da Emerson Collective, onde ele trabalhava em uma nova publicação. Wieseltier foi acusado de cometer assédio sexual enquanto trabalhava no The New Republic.

À medida que mais mulheres ascendem a posições de poder, elas têm mais voz na cultura de suas empresas, e muitas acreditam que é aí que as coisas começam a melhorar de verdade. Como Stacey Snider (#47) disse à Variety: “Quando mais mulheres estiverem escolhendo o elenco de seus próprios filmes, ou contratando os engenheiros de suas próprias start-ups –aí não vai mais haver a mesma facilidade para os homens abusarem desse tipo de poder sobre as mulheres.”

15 Mulheres Mais Poderosas: Mídia/Entretenimento

  1. Anna Wintour, Diretora Artística, Condé Nast
  2. Bonnie Hammer, Presidente, NBCU
  3. Stacey Snider, Presidente-CEO, 20th Century Fox
  4. Beyoncé Knowles, Cantora
  5. Margarita Simonyan, Editora-Chefe, RT (Rússia)
  6. Dana Walden, CEO, Fox Television Group
  7. Katharine Viner, Editora-Chefe, The Guardian
  8. Donna Langley, Presidente, Universal Pictures
  9. Zanny Minton Beddoes, Editora-Chefe, The Economist
  10. Kathleen Kennedy, Presidente, Lucasfilms
  11. Arianna Huffington, Cofundadora, Huffington Post
  12. Taylor Swift, Cantora
  13. J.K. Rowling, Escritora
  14. Shobhana Bhartia, Presidente, HT Media
  15. Priyanka Chopra, Atriz-Embaixadora da ONU

(Original)





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up