Vinte e três anos após sua morte, o mundo se apaixonou pela princesa Diana novamente.

De repente, ela está em todo lugar, desde o The New York Times até o The New Yorker. As reedições de seus suéteres mais famosos estão esgotados. A BBC está reinvestigando suas entrevistas mais polêmicas.

Essa popularidade é, sem dúvida, graças à mais nova temporada de The Crown, em que Peter Morgan e a Netflix finalmente entregam a história que esperávamos desde o início: o romance condenado entre Diana Spencer (linda e triste) e Príncipe Charles (uma abobrinha humana).

Eu sou uma fã dedicada de The Crown desde o início, mas a 4ª temporada me cativou completamente. Desde o momento em que a atriz Emma Corrin apareceu por baixo de uma cortina com uma franja loira, eu fiquei obcecada. Pesquisei o documentário de Diana no Netflix e devorei uma série de podcasts em cinco partes sobre ela. Eu me convenci de que eu também seria capaz de usar um moletom com gola redonda e parecer chique e não uma caloura da faculdade no dia da lavanderia.

Diana – a Diana real, não a fictícia – nunca ocupou realmente um lugar importante na minha consciência. Eu tinha 4 anos quando ela morreu e não me lembro de nada sobre isso além de ganhar um Beanie Baby roxo que eu vagamente sabia que estava ligado a alguma princesa e alguma tragédia. Diana existia para mim apenas nos golpes mais amplos possíveis: a jovem que teve o casamento de conto de fadas, o casamento infeliz, a cisma com a família real e o fim violento, possivelmente misterioso.

Não amamos as celebridades pelo que fazem – nós as amamos pelo que são.

Assistindo The Crown e aprendendo sobre Diana, estou finalmente entendendo como ela se tornou um ícone para uma geração inteira. Acho que a obsessão cultural duradoura com Diana é melhor explicada se pegarmos Taylor Swift como referência.

Primeiro, há o aspecto da realização do desejo. Diana era uma princesa viva da Disney, a personificação da fantasia que tantas meninas são ensinadas a ter desde a infância. Ela era fabulosamente rica, tinha amigos famosos incríveis e usava roupas lindas. Humanos são animais que desejam mais do que podem (por qual outro motivo eu me torturaria com o grande número de celebridades que sigo no Instagram?) e Diana – linda, loira, igualmente chique, tanto em alta costura quanto em calça de moletom – se encaixa perfeitamente.

Mas há muitas pessoas ricas, muitas celebridades, muitas pessoas bonitas… muitas pessoas iguais. O magnetismo de Diana veio da sensação de que ela era real. Os outros membros da realeza estavam desempenhando um papel quando compareciam a exposições de caridade ou visitavam crianças da escola local, mas Diana, ela parecia realmente se importar. E sua vida foi uma corrente da tragédias. Ela foi rejeitada por seu marido, teve azar no amor e estava desesperada para encontrar o homem certo que pudesse salvá-la.

Quando adolescente, me apaixonei pelas músicas da Taylor Swift, não apenas porque eram cativantes, mas porque suas canções pareciam uma janela secreta para uma vida que ela estava compartilhando comigo. E então, surpreendentemente, descobri que os sentimentos dela eram iguais aos meus.

No excelente livro de Maris Kreizman, “Slaughterhouse 90210”, ela associa uma foto de Taylor com um trecho de “Slouching Towards Bethlehem” de Joan Didion: “Acima de tudo, ela é a garota que ‘sente’ as coisas, que se agarrou ao frescor e a dor da adolescência, a menina sempre ferida, sempre jovem.”

Aqui estava Taylor – essa milionária convencionalmente bonita de quase 1,80, vestindo roupas lindas e namorando Jake Gyllenhaal e Harry Styles – e ela ainda estava se torturando, pensando no porquê seu namorado não tinha ligado. Ela teve paixões e desgostos. E suas letras milagrosamente faziam duas coisas ao mesmo tempo: eram percepções diárias sobre as relações dos tablóides que eu estava curiosa para saber, e então, de alguma forma, ao mesmo tempo, eram perfeitamente aplicáveis ​​ao meu cotidiano suburbano e minha vida escolar.

Como é difícil ver em uma tela o ciúmes não sinalizado e a facilidade com que uma briga pode começar por conta de escolhas erradas de palavras (e não sobre o que elas realmente significam).

Diana não se expressou por meio da escrita ou da música – os detalhes de sua vida saíram codificados em fofocas, por meio da narrativa remendada de fotos de paparazzi. Mas esse também é o segredo de nossas celebridades mais populares. Estrelas como Beyoncé e Taylor Swift, dominaram a arte de reter informações e revelar coisas apenas com total controle e meticulosidade. Elas entendem o jogo da fama: a perseguição e especulação são mais emocionantes do que a verdade. Nossas mentes preenchem as lacunas com algo mais convincente do que a verdade jamais pode ser. A falta de Diana – os vazios de sua história e sua chocante morte – nos faz querer preencher as lacunas de sua história.

Assistir Corrin como Diana quase implorando a seu marido para amá-la, sem saber a maneira certa de fazer isso e ele rebatendo cada tentativa, me fez lembrar de todos os meus relacionamentos terríveis dos 20 anos. Como é duro, vê-lo em uma tela: os ciúmes não ditos, a facilidade com que os argumentos se tornam sobre a escolha de palavras e não sobre o que realmente tratam. Como é doloroso vê-la chorar por causa de um vaso sanitário e ouvir aquele jorro dolorosamente familiar de vômito caindo na água. Ela era imperfeita e não amada da mesma forma que eu, mas também convencionalmente linda, humana e gentil com estranhos.

Se os verdadeiros podcasts de crime nos deixaram uma coisa clara, é que não nos cansamos de mulheres brancas, ricas e mortas. Sharon Tate e Laura Palmer deixaram uma pegada gigante em nossa cultura. Diana nos cativou antes de morrer – sim, a tragédia a preservou em vidro como ícone – mas ela foi amada como uma princesa antes de sua morte, a menina com título, dinheiro, fama, mas que, mesmo com tudo isso, ainda parecia exatamente igual a nós.

Matéria publicada pela Bustle e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up