Em mais uma crítica sobre o novo single da Taylor Swift, em parceria com o Brendon Urie, dessa vez o site britânico Independent comenta sobre o início da nova era para a cantora com o lançamento da música “ME!”.

Swift mais uma vez prova seu domínio da pegada pop em uma das mais drásticas reinvenções de sua carreira até hoje.

Poucos artistas se divertem tanto com o desenvolvimento de novas músicas como Taylor Swift. Num momento em que a norma é álbuns surpresa e singles lançados aleatoriamente ao longo da semana com pouco aviso, Swift tende a preferir uma abordagem mais lenta. Então, depois de semanas, se não meses de provocações, sua música “ME!” é lançada.

A participação de Brendon Urie do Panic! at the Disco’s é uma mudança drástica do que os fãs estavam acostumados com o Reputation, que foi alimentada por um esquema de cores vermelho e dourado e um tema de vingança onde Swift estava feliz em interpretar a vilã (contanto que ela pudesse fazer do jeito dela). “ME!” Está mais próximo do predecessor do Reputation, o 1989, na medida em que adota uma atitude trilhada e leve que pede ao ouvinte que não leve as coisas tão a sério. Tem uma estrutura de música que lembra seu hit “Blank Space”, com uma abordagem gentilmente auto-zombeteira (“Eu sei que eu fui psicopata ao telefone / eu nunca me saio bem o suficiente sozinha”) e muita piscadela para seus depreciadores.

A colaboração com Urie é perfeita para isso. O álbum de 2018 do Panic! At The Disco, Pray for the Wicked, teve um som pop similar e Urie compartilha o senso infantil de Swift, como ilustrado na cena de abertura onde os dois discutem em francês em sua casa. Suas vozes se misturam bem, com a estrutura de pergunta e resposta da música apresentada como dois amantes trabalhando suas diferenças à medida que avançam.

Liricamente, está longe de ser o melhor que Swift já ofereceu, mas o que falta em espírito, compensa com ganchos pop contagiantes. Além disso, as letras são menos importantes para esse tipo de faixa, cujas qualidades semelhantes à Vila Sésamo lembram a interpolação bizarra de “I’m Too Sexy” em “Look What You Made Me Do”. É mais uma conversa inicial do que qualquer outra coisa: vir para o pop simples e escapista que ela amava quando adolescente. Fique atento para encontrar pistas sobre o seu sétimo álbum. A jovem de 29 anos é brincalhona pessoalmente, apesar de sua aparência elegante, e ela não tem medo de ser boba.

Quando eu ouço ‘I Write Sins Not Tragedies’ do Panic! At The Disco, eu sou transportada de volta para os meus 16 anos, dirigindo pelas ruas de Hendersonville, Tennessee, com minha melhor amiga Abigail, gritando euforicamente as letras ”, escreveu ela na revista Elle. Seu novo hit parece sinalizar uma era – pelo menos uma que ela pretende praticar – de positividade e aceitação. O mundo é um lugar bastante escuro, ela parece dizer, sem outro álbum se desesperando com o jeito dele. Ela prefere deixar a luz entrar.

Fonte: Independent

Próxima notícia >

»




Twitter do site

Facebook do site