Se te pedissem para apontar o País de Gales no mapa, você saberia onde é? As chances são de que Taylor Swift também tivesse certa dificuldade até desembarcar na terra da Princesa Diana no último final de semana para fazer parte do festival de verão da BBC. Junto com nomes como Ed Sheeran, Rita Ora, Shawn Mendes, Camila Cabello, Thirty Seconds to Mars, Liam Payne, Sam Smith e Florence and the Machine, todos fizeram jus ao nome do festival: o final de semana foi realmente enorme para a cidade praiana.

Biggest Weekend da BBC Music, Swansea: Uma apresentação empolgante e ousada

“Vocês não estão cantando junto, é como se estivessem gritando”, sorriu Taylor Swift no Biggest Weekend da BBC Music, examinando o seu reino enquanto o sol se escondia abaixo do horizonte de Swansea. Dependendo de qual encarnação de Swift você estava lá para ver, poderia facilmente ter sido tanto um insulto como um elogio.

Com o ano de folga do Glastonbury abrindo um abismo na cobertura usual do festival da BBC, o Big Weekend anual da Radio One foi atualizado e diversificado neste verão, ambiciosamente renomeado como Biggest Weekend e espalhado por quatro locais diferentes – Belfast, Perth, Coventry e Swansea. Dos quatro, foi Swansea o de maior impacto, com uma formação implacavel de pop, que incluía Ed Sheeran, Rita Ora, Liam Payne, Sam Smith, Camila Cabello, Florence and the Machine e – em sua primeira aparição em um festival no Reino Unido, nos últimos três anos – Taylor Swift.

Quando Swift abriu o Britsh Summer Time em 2015, foi para vender seu feminismo relativamente recém-descoberto, oferecendo à plateia discursos motivacionais estimulantes sobre auto-empoderamento e amizade feminina. Então, para demonstrar seu compromisso com a irmandade, ela desfilou com suas “amigas” pelo palco – amigas como Cara Delevingne, Serena Williams e Gigi Hadid. Mas nos últimos anos, as coisas mudaram.

Depois de algumas notícias pouco lisonjeiras, Swift tentou conter a repercussão ao se inclinar à ela, matando “a velha Taylor” com seu sexto álbum, Reputation, e abraçando temas de malevolência e vingança. Mas nunca ficou claro o quão sinceramente ela estava fazendo isso. Foi uma confissão ou uma refutação? E como você apresenta uma amarga polêmica, direcionada à pessoas que te odeiam, para uma multidão de pessoas que amam você?

A apresentação ousada e empolgante de Swift no Biggest Weekend não reconciliou muito com sua personalidade contraditória. “Que bom que a BBC nos deu esta festa hoje à noite”, ela disse docemente, momentos depois de entrar com tudo, suar e franzir o cenho durante Look What You Made Me Do, na qual ela avisou: “Talvez eu tenha o meu mas vocês todos terão o seus.” No final, ela se apresentou com tal proficiência que não importava muito se ela estava fazendo isso para nos entreter ou irritar.

Em outros lugares no fim de semana, a abundância de grandes nomes significava que as apresentações eram relativamente curtas – misericordiosamente, no caso do ex-astro do One Direction Liam Payne, que passeava pelo palco mandando beijos com olhos mortos, antes da exuberância de George Ezra que roubou da memória o cinismo sem alma de Payne. Mas foi o set de Years & Years – uma massa pansexual de corpos suados e movimentos de dança escorregadios, ao mesmo tempo transgressivos e acessíveis – que provaram ser o destaque de um festival repleto de grandes sucessos.

Fonte: The Telegraph





Twitter do site

Facebook do site