Lançado com pouco alarde, a mudança para composições mais suaves é a prova de que a música de Swift pode prosperar sem o drama das celebridades.

Taylor Swift anunciou a existência de seu oitavo álbum 17 horas antes do seu lançamento: “A maioria das coisas que eu planejei neste verão acabaram não acontecendo”, disse Swift – entre elas, ser headliner em Glastonbury – “Mas há algo que eu não tinha planejado que aconteceu.” Swift lançou seu último álbum, Lover, em agosto passado. Se ela ficou surpresa por ter saído do confinamento com o Folklore – um álbum de 16 faixas amplamente produzido (remotamente) por Aaron Dessner -, seus fãs ficaram ainda mais impressionados com o fato de Swift lançar um disco sem toda uma programação.

Swift foi pioneira na arte do lançamento de álbuns que consomem tudo. Geralmente começa com o compartilhamento de pistas que seus fãs bem treinados entendem imediatamente. Depois, há teasers de vídeos de letras que geram clipes de grande sucesso, repletos de referências para que Swifties e jornalistas analisem. É uma estratégia promocional inteligente para uma artista que pouco publicou nos últimos cinco anos, e uma boa maneira de fazer com que suas ações pareçam estar escritas nas estrelas. Algumas ações são até desconcertantes. O lead single muitas vezes impopular raramente soa como o resto do álbum. Quando o disco chega, já há um certo ceticismo: a sensação de que uma das maiores compositoras de todos os tempos do pop está supercompensando apesar de seu talento claro.

Álbuns recentes, também, foram consumidos com os diversos dramas que a atormentaram desde que a ingênua cantora country se tornou uma estrela pop do Red (2012). Apesar de nos últimos 12 meses ela estar trazendo uma certa discordância com sua antiga gravadora e disputas longas com Kanye West, felizmente o Folklore não apresenta nada disso, além de chegar inadvertidamente no mesmo dia em que West disse que estava lançando um novo álbum. Além disso, Swift transmite a sensação de que sua tendência a desejar ter a última palavra, em público e em particular, foi sua ruína: “Eu estava tão à frente da curva que a curva se tornou uma esfera / caiu atrás de todos os meus colegas de classe e acabei aqui ,” Ela canta em This Is Me Trying.

Folklore prova que ela consegue se afastar do barulho: se você interpretar “colegas de classe” como cantores pop, Swift não está mais competindo. O Pop bombástico abriu caminho para composições suaves e uma visão única comparado ao alegre mas cheio de apostas Lover. Com shows fora dos planos por um futuro próximo, não precisar ter quatro lados de um estádio lotado talvez tenha provido liberdade.

Sua fã base há muito tempo queria que ela revisitasse a música de Nashville de sua juventude através da visão de adulta, mas esse não é o álbum. Folklore é amplamente construído em torno das cascatas suaves de piano, violão estridente e música eletrônica quebrada e frágil que serão familiares aos fãs da produção Country pós-2010 – pelo menos parte do álbum surgiu da escrita de Swift aos esboços musicais de Dessner. O álbum mais coerente de Swift desde seus dias difíceis no country, é, no entanto, o mais experimental, desenvolvendo-se no final mais estranho e minimalista de Lover. Mais de uma música evoca a ternura íntima de Sufjan Stevens, por volta de Carrie e Lowell. No extremo oposto da escala, This Is Me Trying cresce sutilmente em sua grandiosa orquestra destruída, soando ainda mais perturbadora ao ver como a voz de Swift, processada em uma distância fantasmagórica e vasta, parece abranger toda a música com seu desespero.

Swift é conhecida por sua franqueza vocal – não há estrela pop tão habilidosa em queimar um coro em seu cérebro ou piscar em sua acidez – se não ela. Mas as demandas do pop significam que sua voz nunca foi ouvida como está aqui: a aceitação que a colore em The 1, uma recordação alegre de um amante perdido dos seus “vinte e tantos anos”; desgastada pelo tempo e ainda em paz ela soa ao se lembrar das partes boas de um relacionamento traiçoeiro em Cardigan, uma música tão cavernosa e cintilante quanto uma piscina de pedras em uma caverna. Suas marcas vocais permanecem nos seus gritos de iô-iô em August e no clímax processado e ambientizado de My Tears Ricochet, ela se mantém contra a casca ferida de Justin Vernon on Exile, de Bon Iver, que faz uma fenda em cenas de traição aberta e, em seguida, harmonias sutis e deslumbrantes, com propósitos cruzados, indicando um problema mais profundo que uma infidelidade.

Dada a produção mais terrena, alguns irão caracterizar Folklore como um lado mais autêntico de Swift. Isso não seria fácil, afirmar um eu autêntico explicitamente não é seu objetivo. Em um breve ensaio incluído nas notas principais, ela diz sobre o conceito do álbum: “As linhas entre fantasia e realidade se confundem e as fronteiras entre verdade e ficção tornam-se quase indiscerníveis”. Ela escreve que algumas músicas são sobre ela e outras são sobre personagens inventados. Mais interessante do que analisar qual é qual (muitas são obviamente as duas) é a sensação de que Swift está interrogando sua própria concepção e desafiando essa mitologia pessoal: quão úteis e verdadeiras essas idéias são para si mesma como uma mulher de 30 anos.

A obsessão lírica mais longa de Swift é a perda de inocência, um tema que ela torna bastante devastador aqui. Definida como agitada por um piano, Seven alterna entre versos de rima sobre rituais de infância e representações suplicantes de si mesma aos sete anos, “no meio das ervas daninhas, antes que eu aprendesse a civilidade”, ela canta. “Eu costumava gritar ferozmente / a qualquer hora que quisesse.” O condicionamento que a atingiu como uma menina, voltou décadas depois: a tensa e instável Mad Woman traça o ciclo de autoperpetuação de mulheres que ficam irritadas por serem rotuladas de irritadas – ambas melhoram enormemente o tratado de desigualdade de gênero de Lover, The Man, porque são pessoais, não projeções. Mais tarde, ela recorda o amor jovem e ingênuo, “quando ainda estávamos mudando para melhor”, depois em Illicit Affairs, entrando de bom grado em um relacionamento enganoso com alguém que “me mostrou cores que você sabe que não posso ver com mais ninguém”.

A autoconsciência que Swift exibiu em Lover se aprofunda no Folklore, no qual ela sutilmente considera a linha obscura entre corrupção e cumplicidade, entre ser vítima e catalisadora. As recriminações são menores, as lutas mais justas e seu senso de responsabilidade nelas maior. Os choques sísmicos de seu rude despertar da era Reputation sobre sua imagem pública ainda são sentidos: “Eu posso mudar tudo sobre mim para me encaixar”, ela canta em Mirrorball, um maravilhoso wooze de aço de pedal feito com Jack Antonoff. No entanto, ela tenta hesitar o que está em sua essência: a profunda dedicação que ela canta sobre a paz ressonante e minimalista e o romantismo permanente de Invisible String.

O isolamento social tem sido um período frutífero para esse tipo de busca da alma, a ausência no caminho da nova formação da memória, provocando devaneios e arrependimentos nostálgicos. Este verão estranho de desenvolvimento interrompido está terminando constantemente. Folklore vai durar muito além disso: tão fragmentado quanto Swift está em seu oitavo álbum – e por mais que você espere que isso não marque o fim de suas ambições no pop – sua acuidade emocional nunca foi tão garantida.

Resenha publicada pelo The Guardian e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up