The City of Lover Concert de Taylor Swift: uma celebração triunfante e íntima de seus fãs e carreira–NME


No meio do show The City of Lover, de Taylor Swift, sua banda e dançarinos desapareceram do palco. O fundo, que antes piscava com gráficos brilhantes, desbota para o preto e um violão é entregue para a estrela pop.

“Há muitas músicas nesse álbum lançado que eu nunca toquei ao vivo antes e eu estava pensando sobre como eu realmente gostaria de tocar algumas dessas músicas pela primeira vez”, Swift disse para a plateia. “E eu estava pensando que talvez a melhor maneira de fazer isso seria apenas tocando as músicas acústicas, do jeito que eu as escrevi”.

Ela atira uma versão despojada de “Death By A Thousand Cuts”, transformando-a de uma música brilhante e legal de verão para um pop-country sério e certeiro. “Cornelia Street” segue, com Swift revelando que ela a escreveu numa banheira (“Apenas pelo contexto”, ela acrescenta) e então “The Man”-cada música tocada pela primeira vez do jeito que ela as compôs.

Está há a milhas de distância da massiva Reputation World Tour do ano passado. Ela estava completamente naquela turnê, tocando para dezenas de milhares de pessoas todas as noites (o Olympia Hall tinha apenas algumas milhares) e aumentando o drama com o bombástico design do palco.  Havia coreografias inocentes, trocas de roupa, pirotecnia e gigantes cobras infláveis. Esse momento acústico, delicado e emotivo relembra os primeiros lançamentos de Swift–e é difícil imaginar ela soando melhor.

Esse show é o primeiro completo que Swift faz desde o lançamento de seu sétimo álbum, Lover, algumas semanas atrás, e parece como uma celebração. “Na minha mente, eu olho para isso [show] como uma festa de lançamento”, ela disse para a plateia no meio do show.

Você não poderia comprar ingressos para esse show. Em vez disso, fãs de 37 países diferentes ao redor do mundo eram capazes de ganhar o acesso por meio de várias competições, o que significa que o público estava cheio de Swifties persistentes, vestidos com produtos feitos em casa e segurando cartazes feitos à mão.

“Nós tivemos que comprar um físico [cópia] álbum e então resumir em uma razão porque amávamos Taylor Swift”, Felix, um fã de Hong Kong que ganhou um ingresso dourado, me disse. A razão dele? “Ela mudou minha vida. Eu estava enfrentando alguns problemas mentais e suas músicas realmente me ajudaram a superar aqueles desafios”.

O resultado de ter fãs de todo o mundo é uma atmosfera elétrica. Os versos de cada música–até mesmo as que foram lançadas há poucas semanas–são berrados de volta para a cantora e eles apenas se calam enquanto Swift está falando, para que a ouçam melhor. Outro toque pessoal inclui uma tela gigante mostrando mensagens que os fãs escreveram e pulseiras de LED que cintilam e piscam em sincronia com a música. 

Em um ponto, Swift então espera um minuto e meio para que os aplausos parem antes que ela comece a próxima música. E ela devolve o favor para seus fãs, espalhando raridades e estreias durante o show.  

Além da músicas acústicas do “Lover”, Swift toca algumas das favoritas dos fãs ao longo de sua carreira.  Ela toca “Red” pela primeira vez em mais de um ano, dando à música um toque emocional ao tocá-la em um piano de cauda.  “All Too Well” é outro ponto alto, com Swift de novo nas teclas. Enquanto isso, “Love Story” – a qual Swift disse que “escrevi quando eu tinha 17 anos, sentada no chão do quarto” – traz o brilho quente de nostalgia para a setlist.

Mas nem todas são baladas e versões acústicas. “Blank Space” e “I Knew You Were Trouble” mostram Swift se mexendo confiante no palco e a gloriosa “Style” continua extremamente boa. Depois da alegre balada country “Lover” (que Swift se refere como “provavelmente a minha música favorita que eu já escrevi nesse momento específico”) vem o smash hit “Shake it Off”, com Swift pulando para fora do palco. Sem Bis, o que não significa a chateação dos fãs, que animadamente analisam todos os momentos do show.

Como um agradecimento à seus fãs e uma celebração do quão longe Swift chegou desde seu primeiro álbum uma década atrás, The City of Lover Concert foi um triunfo. No seu álbum anterior, Swift estava preocupada com sua “Reputação” – continue fazendo shows assim e ela não precisará se preocupar nem um pouco.

Taylor Swift tocou:


Me!
Blank Space
I Knew You Were Trouble
The Archer
Love Story
Delicate
Death By A Thousand Cuts
Cornelia Street
The Man
All Too Well
Red
Daylight
Style
You Need To Calm Down
Lover
Shake It Off

Nota: 5 estrelas


Resenha publicada pela NME e traduzida pela equipe TSBR.


Tags

Comentários