Em mais uma entrevista de divulgação do álbum “Red”, Taylor Swift falou dessa vez com o Yahoo! sobre as mudanças visíveis em seu novo álbum, a inspiração para escrever o single “Begin Again” e muito mais. Confira a entrevista completa abaixo:

Yahoo! Music: Quando você tocou no iHeartRadio Music Festival recentemente, você estava fazendo o show com a maioria de suas músicas antigas, mas terminou com “We Are Never Ever Getting Back Together.” E parece que a música é um fenômeno o que é uma coisa muito rara: uma nova música tão poderosa que poderia tornar-se imediatamente a sua performance mais esperada a cada nova noite de turnê, em vez de “Love Story” ou outra música conhecida.

SWIFT: Eu acho que quando eu cantei “We Are Never Ever Getting Back Together ” ao vivo, tanto no VMA quanto no iHeartRadio, foi muito claro para mim que ele poderia acabar sendo uma daquelas músicas com que você fecha o show. E eu estou sempre pensando em como vamos apresentar uma música ao vivo, como vamos montar a set list. Eu acho que essa música é uma das que mais pessoas cantaram juntas enquanto eu cantava. Então é realmente sair e olhar para fora, uma multidão, e ver que todo mundo está cantando as palavras do coro. É o sentimento mais gratificante.

YAHOO!: Você tem  um momento falado no meio da música, e parece que foi algo capturado em um momento da gravação no estúdio ao invés de algo que você colocou na música mais tarde.

SWIFT: Você está absolutamente certo. Eu amei escrever ” We Are Never Ever Getting Back Together “, porque eu escrevi com Max Martin e Shellback, e nós estávamos no estúdio no meio da gravação de uma música completamente diferente. E um cara entra no estúdio, que eu nunca vi antes, mas eu sabia que era um amigo de meu ex-namorado. Ele era como “Ei, assim, assim e assim tem falado sobre você. Ouvi que vocês vão voltar a ficar juntos.” E eu estava tipo, “Prazer em conhecê-lo, sabe?” E Max era como, “Nós estamos no meio de uma música, mano!” E ele sai e eu meio que fiz esse discurso de, ” We Are Never Ever Getting Back Together, ever, like, ever.” E eu expliquei toda a situação para Max e Shellback, e lhes contei do começo ao fim todo esse vai-e-volta do relacionamento que foi desgastante… E acabou funcionando bem depois como sendo a base da música, e eu acho que foi ideia de Max para que ela ficasse num estilo pop. Foi um daqueles momentos em que se aproveita o momento antes de escrever a música que acabou se incorporando na música, então foi realmente emocionante.

YAHOO!: O seu pequeno monólogo foi capturado porque alguém deixou o microfone ligado no estúdio?

SWIFT: Bem, foi uma mensagem de voz no iPhone de alguém. Tivemos que desligar nossos telefones. Quando você está em uma sessão de gravação, você está dizendo coisas e cantando melodias que você não se lembra depois, então você tem que voltar e  ouvi-las e eles dizem: “Oh, essa segunda coisa que você fez foi muito legal.” Então, nós sempre tínhamos algum tipo de dispositivo de gravação ligado.

YAHOO!: Se você está fazendo no álbum um teste de olhos vendados, você pode imediatamente mostrar a diferença entre uma produção do Max Martin/Shellback e uma produção de Nathan Chapman. Mas dado que, a coerência é notalvemente muito boa…

SWIFT: Oh, obrigado por dizer isso.

YAHOO!: Mas você teve dúvidas ao longo do caminho em relação a isso? Não havia nenhuma garantia de que o seu material tradicionalmente baseado no acústico, mas ainda assim alto, que acaba sendo finalizado depois  por Nathan Chapman, iria misturar-se com o material de pop puro que se encaixa perfeitamente no Top 40 das rádio que é onde ele está agora.

SWIFT: Quando eu estava me aproximando da ideia de fazer este álbum… Ele levou dois anos. No primeiro ano, eu escrevi um monte de coisas no meu próprio estilo de produção com o Nathan, da maneira que sempre fazemos as coisas. E minha gravadora veio a mim e disse: “Está feito. Este álbum está concluído. Parabéns.” E eu olhei para o Scott Borchetta, e disse: “Eu não acho que está. Porque eu acho que está bom, mas eu não acho que esteja diferente o suficiente. E eu não acho que estamos cobrindo um novo terreno o suficiente por aqui. ” Porque este é o quarto álbum . E quando você está fazendo o quarto álbum, você tem duas opções: Você pode fazer as coisas do jeito que você sempre fez, e então você estará formando um padrão de fazer as coisas sempre da mesma maneira, ou você pode alternar e ir para fora de sua zona de conforto. E para mim, a minha zona de conforto é escrever músicas sozinha. Então eu pensei, e se eu fosse saciar essas curiosidades que eu sempre tive? Desde que eu fiquei madura o suficiente para entender o que um produtor/compositor é, eu tive uma curiosidade sobre como o Max Martin cria o que ele cria. Eu queria ver isso acontecer. Eu queria estar lá. Eu queria aprender com ele. Eu queria saber como Jeff Bhasker cria esses sons de bateria. E eu queria estar no estúdio com Butch Walker e ver como ele cria essa música realmente orgânica, mas emocionalmente carregada. Eu queria entender como essas pessoas fazem o que fazem, e ver as pessoas que fazem música de uma maneira diferente da que eu faço. Então me preocupar se era coeso ou não, se essas músicas iriam soar como as outras… Eu não queria que o álbum tivesse um som definitivo que fosse tudo uma reminiscência de outro. Mas as emoções que eu senti nos últimos dois anos foram muito singulares. Cada um daqueles sentimentos foram tão diferente de qualquer outro. Estavam muito espalhados por todo o lugar. Então, eu queria que o álbum refletisse como esses sentimentos me faziam sentir. E a maneira que o trabalho do álbum terminou, acabou sendo uma coisa coesa. Ele acabou sendo trabalhado para que todas eles fossem tecidas com o mesmo tipo de histórias líricas. Eu realmente gosto do fato de que é uma mistura eclética de música.

YAHOO!: Falando sobre as emoções do álbum, ele tem uma gama bastante ampla, para dizer o mínimo. Você sempre disse que seus álbuns são um diário de seus últimos dois anos. Em janeiro, a revista Vogue saiu com uma entrevista com você dizendo que este ia ser um álbum sobre um grande término de um romance. Então, eu estava esperando algo  10 vezes “Better Than Revenge” ou “Querido John” ao quadrado. Mas este não é definitivamente isso. Tem seus momentos voláteis, mas Red parece ser mais um doce álbum do que o que você estava prometendo lançar na entrevista Vogue.

SWIFT: Eu acho que, para mim, a parte interessante sobre fazer um álbum por dois anos é que a maior quantidade de mudança acontece nos últimos seis meses do mesmo. Então, você está trabalhando na escrita das músicas no primeiro ano, reunindo listas, vai no estúdio, produz essas músicas. Mas o que acaba acontecendo é normalmente, que o primeiro ano é como uma fase de desenvolvimento, e você geralmente acaba  tirando da lista um monte de músicas que você fez. Naquele momento [quando a entrevista ocorreu à Vogue], o álbum era sobre um relacionamento. E então você vai para dois anos, e você tem novas experiências e aprende todos os tipos de novas lições. E ainda há algumas coisas que são muito sobre coração partido no álbum. Mas também há tons de diferentes tipos de coisas que eu estava inspirada, camadas diferentes de emoção, diferentes níveis de emoção.

YAHOO!: Em “Begin Again”, você canta que, antes do momento capturado na canção, por “oito meses” você estava pensando que o amor era uma porcaria, basicamente. Se o registro é autobiográfico, poderíamos supor que você estava escrevendo as músicas para o álbum, antes, durante e após esse período de oito meses pensando que o amor sempre termina.

SWIFT: Eu tive muitas opiniões diferentes de amor ao longo dos últimos dois anos. E a música “Begin Again” surgiu após o tipo de poeira liquidada em uma daquelas situações que eu estava dentro e é uma espécie de sensação interessante quando você olha por cima dela. Para o passado, você  olha para ele e conta tudo, apenas escrevendo sobre ele e é tipo uma volta no tempo. Então, de repente, você tem esse momento em que você olha por cima e olha em volta e perceber que há algo mais para você lá fora, claro. E eu acho que esse tipo de coisa que acontece quando você de repente tem essa epifania, há esperança, que ele comece de novo, que há um renascimento em que todo final de um relacionamento é horrível, eu acho que é uma bonito momento maravilhoso. E para mim esse momento inspirou a canção “Begin Again”.

Yahoo!:  Quando você estava sendo apresentada no iHeartRadio Music Festival, a atriz que apresentou você pela primeira vez, te chamou de “queridinha da América”, momentos depois ela se refere a você como “valentona”. Esse é um paradoxo muito bom para definir  você. Mas as pessoas têm essas duas imagens gêmeas de você como a amável e tão doce, mas também uma valentona, que coloca o que pensa em suas canções. Você acha que este álbum finalmente virá de uma forma ou de outra, para a valentona ou a queridinha?

SWIFT: Eu acho que, para mim, minha música é uma maneira de eu conseguir dizer o que eu normalmente não digo em minha vida. Na minha vida, eu nunca gritaria com você, e eu nunca vou realmente jogar algo em alguém. Mas, na minha música, quando estou sentado ali sozinha no meu quarto e eu posso dizer essas coisas que realmente, realmente significam, que são completamente verdadeiras, posso dizer-lhes em uma canção. E isso é para mim… a música sempre foi o caminho para eu finalmente ter a chance de ser completamente 100% honesta com as pessoas, mesmo que isso as machuque. E a única razão de eu falar isso em uma música é porque alguém me magoou. Mas essa é a parte onde eu sinto que posso me rebelar. Você sabe, as pessoas são sempre assim “ah, você é tão bem-comportada”. É tipo, não: todo mundo tem seus momentos de rebelião, tem locais para isso. E, para mim, é quando eu pego meu violão. Isso é quando eu sinto que está tudo bem, não há regras aqui, vamos lá.

Tradução e adaptação: Louise – Equipe TSBR





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up