12 de agosto de 13 Autor: Erika Barros
Scans + tradução: Taylor na Caras México

caras2

Os repórteres da revista Caras mexicana estiveram no show da RED Tour em Dallas, em Maio deste ano, e entrevistaram a cantora para uma super matéria da publicação.

Os scans foram recentemente disponibilizados na internet, e podem ser conferidos em nossa galeria:

001~90.jpg 005_001.jpg 012_001.jpg 009_001.jpg 011_001.jpg

A extensa reportagem sobre Taylor foi traduzida pela equipe do site Swift World Br, e pode ser conferida abaixo:

Taylor Swift

Gosta de ir ao supermercado, escutar os conselhos de seu pai e não está atrás de um namorado. Conversamos com a estrela no meio de sua turnê RED.

Talento inesgotável

Com apenas 23 anos de idade e quatro álbuns, é uma das cantoras americanas de maior sucesso no mundo. Estivemos com ela no backstage de um dos seus shows da RED TOUR, onde falou sobre sua família, o primeiro instrumento que aprendeu a tocar, o melhor conselho que seu pai lhe deu para tomar boas decisões e muito mais.

THE RED TOUR

Chegaram mais de 80 mil pessoas ao Cowboys Stadium de Dallas, Texas, para ver ao show da garota de olhos azuis que mede 1,78m. Sua turnê, que leva o nome de sua quarta produção discográfica, RED, seguirá até o dia 14 de dezembro deste ano terminando sua temporada em Melbourne, Australia.

Horas antes de subir o telão e começar o show, fãs de todas as idades fazem do show um grande espetáculo de criatividade e moda. A emoção se faz presente em meninas e mulheres de 5 a 25 anos de idade aproximadamente, e que se vestem como fosse a melhor festa de sua vida: a maquiagem brilhosa, corações próprias em suas camisetas e cartolinas, se vestem com o look de Taylor Swift (a maioria com vestidos curtos e botas de cowgirl), carregam cartazes com o nome da cantora, vão em grupo vestidas iguais, onde cada uma carrega uma letra que forma a frase “Nós amamos você”, o nome de “Taylor” ou a palavra “RED”. Nota-se que as mais jovens foram ajudadas por sua mãe com seus figurinos e chegam com cartazes que literalmente se acedem e apagam.

As lâmpadas de cores com o nome da turnê estão por todo o estádio. Inclusive, há uma seção com a roupa que Swift usou em seus vídeos e estantes de seus perfumes para que os assistentes possam tirar fotos em qualquer desses lugares. Os fãs também usam seus Keds vermelhos (a patrocinadora oficial da turnê) e carregam o estilo de Taylor em sua maquiagem e penteado (lábios vermelhos e pele e cabelo encaracolado).

O show começa com a música “State Of Grace”; seguida “Holy Ground”, “Red”, e logo inclui “Mean”, “Stay, Stay, Stay”, “22”, “Fifteen”, “I Almost Do”, “I Knew You Were Trouble”, “All Too Well”, “Love Story” e termina com o primeiro single de Red: “We Are Never Ever Getting Back Together”.

Em cada canção se conta uma história com trocas de figurino e conceito com um estilo teatral muito visual, também há fogos pirotécnicos e os gritos das fãs e os entusiasmos não param. A cantora conversa em várias ocasiões com o público, inclusive vai a parte de trás do estádio enquanto canta alguns temas e caminha entre a plateia para pegar na mão se seus fãs e abraça-los, algo que disse desfrutar-se e que sempre tem feito desde sua primeira turnê.

Nos dias de hoje, Swift é uma grande estrela internacional, que tem ganho quase todos os prêmios existente na indústria musical – incluindo o Grammy por álbum do ano em 2010 (a mais jovem da história) e Artista do Ano no Billboard Music Awards 2013 (arrastou 8 prêmios) – sua vida nem sempre foi assim…

Com a música nas veias

Taylor Alison Swift Finlay (se chama assim por causa do cantor e guitarrista americano James Taylor), nasceu em 13 de dezembro de 1989 em Pensilvania, Estados Unidos. Cresceu em uma fazendo de cultivo de árvores de Natal, rodeada de animais e natureza.

Há feito quatro álbuns para o mercado (mais edições especiais) com o que há quebrado recordes de vendas. É filha de Scott Kingsley Swift (corretor financeiro) e Andrea Finaly (dona de casa), e tem um irmão dois anos mais novo que ela chamado Austin.

Quando tinha 8 anos de idade, Taylor assistiu ao show de LeAnn Rimes em Atlantic City e ficou maravilhada. Ela acredita que assim foi introduzida a música country (Taylor também é considerada uma cantora pop).

Quando estava na quarta série, ganhou um concurso nacional de poesia chamado “Monster In My Closet”.

Desde muito pequena, começou a cantar e aos 10 anos já pedia a seus pais para morar em Nashville, Tennessee, berço da música country.

Aos 11 anos, a pequena Taylor já havia gravado um cd com canções de karaokê, o qual andava com sua mãe, atrás de grandes gravadoras quando iam passear em Nashville. “Comecei a cantar aonde podia, até em um bar aos 13 anos, mesmo aquele não sendo o melhor lugar”, disse Taylor em entrevista para o programa 60 Minutes em 2012.

Em 2001, finalmente a gravadora RCA lhe deu um contrato “de prova” por um ano para prepara-la, porém, eles pediam para cantar canções escritas por outras pessoas. No momento que assinou com a RCA, seus pais decidiram apoia-la e foi quando por fim, foram morar em Nasvhille.

Depois de um ano na RCA, lhe oferecem uma renovação de seu contrato de prova por mais um ano, porém a pequena Taylor decidiu não aceitar mais um ano com essas condições e renunciou. “É como sair com alguém sem que esse alguém seja seu namorado. Estava mal e sabia em meu coração que isso não era o que queria”, falou em sua entrevista.

Em 2004, Swift fez um showcase em um lugar chamado The Bluebird Café e Scott Borchetta estava li. Scott chegou a ter sua própria banda (que não teve sucesso) e havia trabalhado em diferentes gravadoras, Universal Music Nashville foi uma delas, assim que escutou Taylor cantando, chegou a ela no final do show e disse: “Tenho uma boa notícia e uma má: a boa é que quero assinar você em minha gravadora. A má é que não estou trabalhando com Universal Music e ainda não tenho uma gravadora própria, nem oficiais, nem nome para a companhia, nem equipe, porém tenho um sonho e querem que tu faças parte dele”.

Borchetta se interessava que Taylor poderia escrever e interpretar suas próprias canções, e foi isso que fez com que a cantora acreditasse nele. Assim foi como Scott contratou Taylor quando ela tinha 14 anos, e fundou sua gravadora, a que chamou de Big Machine Records, onde hoje é o presidente e CEO.

Começo do sonho

Em 2009, a intérprete de “Fearless” fazia suas turnês em carros alugados e acompanhada por sua mãe, tinha seu primeiro single, “Tim McGraw” (dedicado a seu ídolo da música country), onde mandava para várias estações de rádio. Pedia aos DJs para tocarem sua canção. Pouco a pouco, começou a abrir os shows de Brad Paisley e até o próprio Tim McGraw.

A fama chegou graças ao seu talento nato para escrever a letra de suas canções, que são de amor e desilusões, e também a compor sua música. Os temas que tem escrito são autobiográficos ou sobre alguém próximo a ela. Por exemplo, “The Best Day”, incluída no segundo álbum, Fearless, é dedicada a sua mãe; “Love Story” surgiu de uma discursão que teve com seus pais sobre um namorado “meio assustador” que teve, “nessa época eu acreditava que era incrível assim que pensei na história de Romeo e Julieta de Shakespeare e escrevi essa canção o chão do meu quarto em 20 minutos, porém eu coloquei um final feliz”.

“Love Story” foi a primeira canção do gênero country-pop da história a chegar aos primeiros lugares da lista Billboard. “Fifteen” foi escrita para uma de suas melhores amigas, Abigail Anderson, e fala sobre a primeira vez que entregou seu coração e o quebrarão. “Teardrops On My Guitar” foi escrita para seu amor platônico chamado Drew. Falam que a canção “Mean” é dedicada ao crítico de música Bob Lefsetz, que fez um comentário muito duro sobre Taylor e a insultou por cantar em uma nota errada no Grammy Awards 2010 quanto fez um dueto com Stevie ick. Porém, Taylor converteu sua ferida em uma canção antibullying.

Taylor tem sido garota propaganda da Cover Girl, Keds, Coca-Cola e Diet Coke, entre outras marcas. É CEO de sua própria companhia e dona dos ônibus que viajam ela e suas equipes durante as turnês.
A intérprete de “I Knew You Were Trouble”, gosta de tirar fotos com seus fãs e organizar meet and greets durante uma hora antes de cada show. Vive sozinha desde os 20 anos de idade e escreveu “Never Grow Up” na primeira vez que entrou em seu novo apartamento pois teve sentimentos encontrados. Também gosta de cozinhar bolinhos e pastéis, não tem uma boa vista e adorar sua gata Metedith, a qual colocou o nome em homenagem a sua personagem favorita da série de televisão Grey’s Anatomy.

Nosso encontro com Taylor

Em mais um dos shows que irá realizar em 45 cidades como parte de sua turnê, chegamos ao Cowboy Stadium em Dallas, Texas. Ali, esperamos fora do “Club RED” (onde Taylor recebe seus fãs), até que, acompanhada por seus seguranças, chegou caminhando lentamente com um vestido amarelo com branco, de gola V e sapatos brancos de salto baixo.

A noite anterior, estivemos jantando com parte de sua equipe de trabalho, que são amigos da família há muito tempo e que a conhecem desde pequena. É o que Swift gosta de rodear-se, de “seu pessoal”, em quem pode confiar e sentir-se tranquila.

Quando no “Red Room” somente não ficamos com ela e Paula (sua agente), sentamos em uma das mesas, mostramos alguns exemplares da Caras e começamos a conversar.

Taylor, quais são as suas melhores recordações que tem por ter crescido em uma fazendo de árvores?
Sempre tinha espaço para correr e para criar coisas da minha imaginação. Encanta-me lembrar de que minha mãe pintava comigo e desenhávamos, pois cresci em um espaço muito simples para me sentir criativa. Recordo-me que sempre soube que meus pais me amaram, o que foi muito bom. Creio que quando era menina era essencial saber que teus pais te amam e que estão orgulhosos de ti quando aprende a fazer algo novo… Também é básico que quando você desenha algo, o coloque no refrigerados (risos).

O que você gostava de brincar?
Eu gostava de me disfarçar, parar em frente de muitas pessoas e cantar; criar uma obra de teatro ou criar uma fortaleza. Para mim foi muito divertido ser criança, creio que nunca deves deixar de ser criança e se emocionar com as coisas pequenas da vida.

Como era tua personalidade de menina? Sabemos que cantava quase desde quando era um bebê.
Sempre estava observando e tratando de aprender tudo o que podia. Fui muito verbal desde criança, primeiro aprendi a falar e logo andar. E era muito séria, todo tempo estava tratando de averiguar o porquê das coisas. Minha mãe disse que eu perguntava muito.

Como começou seus interesses pela música?
Comecei a me interessa na música antes de saber que estava interessada nela. Comecei a cantar desde quando tinha um, dois, três anos e creio que para mim foi algo que sempre amei sem questioná-lo. Comecei a atuar em um teatro infantil, porque meus pais vieram sempre que podiam, me parava ao cantar em frente das pessoas. E assim comecei a estar em produções teatrais, assim, creio que isso influenciou em como faço meus shows hoje, pois sou muito teatral e gosto de contar uma história com personagens e é o que se pode ver em meus shows.

Qual foi o primeiro instrumento que aprendeu a tocar?
O violão. Tinha 12 anos. Sempre tivemos piano em casa, assim, podia tocar quando quisesse, mas comecei a cantar usando primeiro o violão. Aprendi em 12 cordas e alguém me disse que era mais difícil, me propus e aprendi porque era o que queria fazer. Sou muito determinada.

Que papel tem tido a sua família e seus amigos em seu sucesso?
Minha família tem tido um papel enorme em meu sucesso pois sempre tem me ajudado a conservar minha atitude e minha perspectiva em linha e me manter normal. Tem me ajudado a minha prioridade em ter uma vida normal sem circunstanciais anormais. Meus pais são honestos comigo incluindo com as coisas que não quero escutar e acredito que isso é muito importante porque te rodeias de gente que te diz o que queres escutar todo o tempo, pode começar a viver no mundo onde sente que apenas você existe. E acredito que ninguém deve viver nesse mundo.

O que admira em seus pais?
Em meu pai admiro sua atitude positiva e amor pelo o que faz. Ele ama ser um corretor financeiro da mesma maneira que amo ser uma artista. De minha mãe admiro sua organização, sua maneira de resolver os problemas, sua compreensão pelos outros e o jeito que faz as coisas muito rápidas. (risos). Pode decorar uma casa inteira em uma semana, organizar um jantar ou uma festa em pouco tempo de antecipação… coisas assim; é muito boa em resolver problemas.

Sabemos que não bebe, não faz gestos obscenos e tão pouco arma escândalos como outras celebridades. Como faz isso?
Realmente minha família não me restrita e nem vive dizendo “Não faça isso e não faça aquilo?”: o que realmente é que nunca quero decepciona-los. E algo que o meu pai sempre dizia é: “Sempre coloque para frente o vídeo de sua vida. E se está a tomar uma decisão que vai se arrepender quando tiver 80 anos, não faça”. Acredito que as vezes cometemos erros, não podemos viver a vida sem cometê-los, mas a maneira em como o tentamos evitar é tentando entender como o nós veremos no futuro.

Quais são seus três maiores pontos fortes e fracos?
Sou confiante, amigável e curiosa. Meus pontos fracos são sou muito confiante, penso demais nas coisas e me estresso muito.

O que te faz feliz e o que te faz triste?
As coisas pequenas e simples me fazem feliz. Eu gosto de ir ao supermercado e comprar ingredientes para preparar um jantar para alguém: eu gosto de pintar, fazer presentes de aniversário a minhas amigas e escrever cartas para as pessoas. Creio que essas coisas me mantem equilibrada.
Uma das coisas que me põem tristes é o câncer entre as crianças, isso sempre me faz chorar. Quando esses pequenos entram no meet e greet e ver que eles estão tão doentes e são tão pequenos penso que não deveriam estar assim, meu dia muda e também a maneira como vejo as coisas. Também me deixa triste quando caçadores matam espécies em perigo de extinção, e isso me deixa frustrada. Entristece-me a tragédias dos demais, a qual vejo em minhas turnês de algumas pessoas que vem aos meus shows estão tristes por uma ou outra razão. Por exemplo, alguém me contou que tinha perdido recentemente o seu pai em um acidente, e em outra ocasião uma mãe que perdeu a sua filha, e como ela gostava da minha música, que quis vir ao meu show para falar sobre ela… Tem muitas coisas muito tristes e imprevisíveis que podem acontecer, e acredito que cada dia que passa tem que agradecer a cada dia que não aconteceu uma tragédia que mude o curso da vida.

O que considera como sua maior conquista no momento?
Ganhar o Grammy do melhor álbum (em 2010), por que poder fazer uma grande carreira no mundo da música e nunca viver isso. Agora que vejo, o quão sortuda fui por ganhar um tão cedo.

O que mais valoriza em um amigo?
Que goste de se divertir – e que saiba – se divertir mesmo que não esteja fazendo algo emocionante. Que ria das mesmas coisas que eu e que seja aberto, por que não se pode ter amigos que não se abram contigo e nem que te contem coisas pelas as quais estão passando.

O que está buscando em uma relação conjugal?
Neste momento não sei. Acreditava que sabia, mas olhando atrás honestamente não creio que esteja buscando nada numa relação neste momento. Creio que devo estar buscando coisas nas pessoas e tomar um segundo para saber o que eu quero na realidade.

Qual é o tipo de filme que mais gosta de assistir?
Gosto das que fazem você fazer uma reflexão das coisas da vida. Gosto de 500 dias com ela e (Love Actually), também gosto de filmes de história, (Saving Private Ryan e Forrest Gump)

A jovem de 23 anos (e tamanho 2) é um ícone da mosa. Ama os vestidos e define seu look como retrô.

Curiosidades

Para eventos formais, gosta de Elie Saab o J. Mendel.
Não gosta de usar secador, seu cabelo é encaracolado naturalmente e adorar colocar tiaras. Faz penteados para eventos especiais e elegantes. Em sua turnê Fearless Tour, ela mesma se maquiava e não tem camarim exclusivo, pois disse que é mais divertido ficar com suas amigas do show.
Sua adorável mascote se chama Meredith em homenagem a protagonista de Greys Anatomy. Taylor sempre viaja com sua gata (raça Scottish Fold), pela qual tende a colocar suas fotos e vídeos no Instagram e Twitter.

Outras participações

Apareceu em um episódio de CSI: Crime Scene Investigation (2000)
Fez a voz de Audrey no filme de animação The Lorax (2012)
Contribuiu com duas canções originais para o filme Hunger Games (2012): “Safe & Sound” e “Eyes Open”
Atuou no filme Valentine’s Day (2010) como Felícia.

Tradução: Jefferson Souza e Mariana Andrade – Equipe Swift World Br





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up