30 de abril de 15 Autor: Erika Barros
Entrevista completa de Taylor Swift para Glamour UK

Já postamos anteriormente que Taylor Swift é a capa da nova edição da revista Glamour UK. Em entrevista para a revista, Taylor fala sobre seu comportamento em relação à fama, relacionamentos e mais! Confira a entrevista completa traduzida a seguir:

Taylor Swift toma conta

… do rádio, da internet, do mundo, sem mencionar esta edição da GLAMOUR. Prestes a lançar sua turnê global “1989”, Jo Elvin descobriu que a força da imparável do pop também é a mais gentil.

O que aconteceu com Taylor Swift? Embora já soubéssemos, intelectualmente, há algum tempo que ela é loira, doce, uma estrela country multi-platinada, nós não poderíamos afirmar isso no Reino Unido, poderíamos? De fato, por muitos anos, você preferiria ‘pagar calcinha’ no ônibus a deixar alguém ver o nome dela na tela do seu iPod.

Agora? Ela ganhou a todos nós – o fenômeno global de um álbum, uma obsessão para seus 25.5 milhões de seguidores no Instagram. Um quadro do Saturday Night Live de alguns meses atrás resume isso muito bem, quando um monte de adultos iam aos seus médicos sofrendo de Taylor Swifttunes, um prazer novo, sincero e livre de ironias. A piada era que isso é um pouco confuso e alarmante para eles. E acho que a maioria de nós podemos nos identificar. Seu álbum 1989 é uma das coleções de músicas pop mais ridiculamente pegajosas desde ‘The Fame’ da Lady Gaga. Resistir tem sido inútil. E agora não é apenas educadamente tolerado, como na verdade é super cool adorar Taylor Swift sem vergonha. Ué, até Kanye, que uma vez subiu no palco porque ela tinha vencido ‘o VMA da Beyoncé’, agora é um fã.

“Na verdade nós podemos, eu acho, ser chamados de amigos agora!”, ri Taylor com suas pernas de gazela vestidas em uma calça skinny preta e enroladas umas nas outras na poltrona. “Eu honestamente acho que precisei continuar a provar a mim mesma em minha carreira e acho que finalmente cheguei a um lugar onde ele percebeu que respeitava o que eu faço como artista.”

É por isso que Taylor Swift irá aguentar firme. Bonita e doce, sim, mas essa garota de 25 anos de idade não é tão fofinha. Ela é pura coragem e aço. Ela foi não atrás do amor meu, seu ou do Kanye. Ela continua com a sua estratégia, fazendo suas próprias coisas e adivinha, todos nós fomos correndo atrás dela. Desde seus dias como uma garotinha de 11 anos na Pennsylvania, que perguntava toda noite antes de dormir a sua mãe ‘Você acha que eu vou conseguir um contrato com alguma gravadora?’ até uma princesa do pop vencedora do Grammy que está me dando uma preciosa hora antes de subir ao palco do BRIT Awards 2015, ela sempre falhou ou se deu bem nesse meio musical, 100% da sua própria forma. E pensar que seu grande triunfo veio com o 1989, o álbum que sua gravadora nem mesmo queria que ela fizesse.

“Foi uma grande surpresa pra mim”, ela diz. “A única coisa que eles tiveram problema foi em eu querer fazer um álbum pop. Eles tinham muito medo que eu não mantivesse o nível de sucesso que tivemos com o Red. Mas eu não liguei. Seria totalmente minha culpa se não vendêssemos metade do que eles queriam, e eu sabia disso. Mas eu sabia [também] que não se pode deixar seus fãs ficarem confortáveis com o que você faz. Nós temos que entreter as pessoas. Repetir uma coisa após a outra vez após vez não é divertido.”

Refrescante também, é o fato de ela ter chamado de ‘besteira’ retumbante a ideia de que as mulheres devem ser pornográficas para vender sua música. A garota mais doce do pop foi a artista mais bem sucedida de 2014, com o maior lançamento em 12 anos, até agora, pelo menos, ela fez sexo zero vezes com bolas de demolição. (Nota: A pequena Miss Bolas de Aço recentemente tirou do ar dois domínios pornográficos que usavam seu nome, por comprá-los.)

“Sabe, todo mundo tem diferentes prioridades como artista”, ela diz diplomaticamente. “Toda mulher tem coisas diferentes que as fazem sentir fortes e poderosas. Pra mim, eu não tenho a necessidade ou o impulso pra escrever sobre sexualidade explícita. Apenas nunca me ocorreu. Eu aprecio garotas que cantam sobre o que elas querem, porque é sobre o que elas querem cantar.”

Percebe? Ótimo. Algo que Taylor Swift fez, sozinha, ser legal.

“Bem, eu não dou muita prioridade em aparentar ser legal”, ela dá de ombros. “E acho que aos 25, eu finalmente estou OK em me sentir assim. Eu já disse isso antes. Acho que existe essa certa prioridade em ter essa personalidade que aparenta ser legal ou da moda ou tediosa. E todas essas coisas são sexy. Todas essas coisas são chiques, quando você aparenta não ligar pra nada além de você mesma. E eu apenas não compro isso. Fico muito empolgada com muitas coisas. Acho que entusiasmo é a melhor proteção. Pode te proteger de qualquer coisa. E eu não fico entediada com nada disso, então eu não me esforço pra aparentar ter tédio de nada disso.”

É claro que, o que ela acha profundamente chato, ao ponto de [se tornar] irritante, é a especulação sem fim sobre sua vida amorosa.

“Sim, eu me sinto cansada sobre relacionamentos, para ser honesta”, ela diz. “Acho que a mídia me passou uma mensagem bem injusta nos últimos anos, que eu não tenho permissão de namorar por alegria, ou diversão, ou pra ter novas experiências ou aprender novas lições. Só estou autorizada a namorar se for pra ser uma relação duradora de vários anos. Do contrário, e eu cito, sou uma ‘namoradeira em série’. Ou, citando, ‘louca por garotos’. A narrativa tem sido tão errada, toda vez a mesma coisa. É ‘Taylor é vista conversando com esse cara, ela está perseguindo ele’. Eles criam o início de uma história que não acontece na maioria das vezes, logo eles precisam criar um final. Então eles sempre vão pelos finais mais fabricados do que qualquer outro tablóide já tenha usado na minha história, que é, ‘ela é muito pegajosa’, ou ‘Taylor tem muitas emoções, ela assustou o cara’. O que, honestamente, nunca foi o motivo de nenhum dos meus términos. Sabe o que tem sido o motivo? A mídia. Você pega algo tão frágil, quanto tentar conhecer alguém, e a sensação é de que você está andando no meio de uma arena de gladiadores com alguém que acabou de conhecer. E de repente, o público e a mídia tem a permissão de aprovar ou não. Então, eu não tento mais isso.”

Eu realmente não sabia o que dizer sobre isso. Então, fiz uma piada sugerindo que ela tentasse o Tinder.

“O que é isso?”, a famosa namoradeira em série nunca tinha ouvido falar do Tinder, muito menos usado ele. Quando eu expliquei, ela revirou os olhos e riu. “Bem, não tem nenhuma forma fácil pra que eu possa engatar em um romance. Sou realmente muito ocupada, então não posso. E é algo bom se sentir realmente independente e eu sinto que meus amigos são tudo o que preciso. É meio triste a maneira que eu cheguei [a esse ponto], ainda que, passando vergonha por isso. ”

Vergonha?

“Bem, de que se pode chamar quando você tem dois namorados em um ano e todo mundo te chama de ‘louca por garotos’, fazendo piadas sobre você em premiações? Isso é humilhação pública. E eu não acho que isso seja justo.”

E, com um timing certeiro, quando vamos a mídia, a vida amorosa de Taylor estava sob o holofotes novamente. Ela tem sido vista com Calvin Harris algumas vezes (ela o conheceu no dia da nossa entrevista no BRITs, segundo fontes). O que a garota deveria fazer? Ela é linda. Ele também. E sim, nós estamos obcecados.

É difícil entender como alguém que é tão massacrada pela mídia, que é fotografada a cada momento, que tem que constantemente se desculpar com seus vizinhos que são motivo de piada na internet e vigiados pelos tablóides (apenas no caso deles serem o novo namorado da Taylor), que recentemente admitiu que ela sorri em seu sono, pois sonha que está sendo motivo de piada, permaneça sã.

No momento, ela e sua amiga de infância estão trabalhando na questão da Taylor poder ser a dama de honra de seu casamento sem o constante barulho dos helicópteros da mídia sobrevoando no dia. Eu tenho que perguntar, francamente, como é viver nessa implacável bolha impenetrável sem “fazer a Britney”?

“Eu acho que o único modo que eu posso explicar o porque de não ter sentido a necessidade de me rebelar contra isso de forma drástica, ou desistir, ou ter um colapso, é porque nada disso foi idéia de alguém. É insanamente legal como eu comecei a fazer isso nos meus próprios termos. E sim, parece febril agora, mas tem sido uma lenta, lenta chama. Meu primeiro álbum vendeu 30.000 cópias na primeira semana, o segundo vendeu, tipo, 500.000, e os três últimos venderam um milhão. Não foi como se eu eu estivesse sido atirada por um canhão – Aconteceu 5 anos depois de eu ganhar o reconhecimento de todos,” diz a cantora.

“Eu acho que essa parte de mim não indo à loucura sou eu admitindo que minha vida é estranha e não é normal. Minha mãe é muito boa em me mostrar uma outra perspectiva. E é muito legal quando ela diz, ‘Eu sei que não tem nenhuma maneira de entender o que você está passando, mas aqui está o que eu acho.’ E, algumas vezes, soa injusto, mas então eu ando pelo meu apartamento, que nem acredito que consegui comprar e não parece mais tão injusto.”

Como todos nós sabemos, o apartamento dela é o ponto mais frequentado para festas do pijama. A lista de amigas de Taylor parece ser composta pela mulheres mais glamurosas do mundo.

“Eu me sinto sortuda por ter dez amigos, como Karlie, Lena e Selena, pra quem eu posso ligar a qualquer momento do dia e noite, que conseguem se relacionar com o que eu estou passando. É um círculo de mulheres fortes das quais eu dependo. Algumas vezes, nós temos um tema para a noite; Nós iremos, tipo, hoje nós iremos nos vestir, beber Shirley Temples e iremos ao novo restaurante do Ralph Lauren e seremos chiques. Ou será mais improvisado; uma garota aparece em traje de ginástica, outra aparece com roupa e maquiagem de uma sessão de fotos, a outra aparece direto do trabalho e nós iremos cozinhar todas juntas.”

Taylor não nos falou muito sobre as noites do pijama, receitas e festas de aniversário. Ela deixa a atitude de celebridade – de novo – ao alcançar fora da bolha.

Um fã recebeu recentemente uma ‘playlist de coração partido’ quando Taylor a notou expondo seu coração ao falar sobre ter sido rejeitada. Muitos outros recebem pacotes de presentes e mensagens pessoais. E a única coisa que Taylor pensa que é incomum sobre isso é nós acharmos isso incomum.

“Não é tão difícil,” ela diz, com snaturalidade. “Eu sei que se torna mais difícil para os outros artistas quando eu digo algo desse tipo, porque eles tem que ir online e tentar conhecer um pouco sobre seus fãs. Mas não é tão difícil. Agora, no Natal eu posso ir ao shopping e comprar presentes pra eles e mandar através do oceano. Eu posso entrar no Tumblr, achar o blog deles, pegar informações sobre eles, pedir para minha equipe mandar um email dizendo, ‘Ei, você parece ser um ótimo fã, você se importa em nos dar seu endereço para nós mandarmos alguns presentes?’.  Não é difícil. E isso me mantêm sensata. Conectar o que eu faço com as pessoas faz isso tudo menos sufocante. Como um grupo, sim, eles acumulam milhões, mas se você pensar neles individualmente, é muito mais legal fazer esse trabalho se você se importa com isso.”

E aqui estamos de novo. Aquela que se importa. Aquela que presta atenção. Eu a vi conhecendo cerca de 200 fãs em uma tarde antes de um show da Red tour na arena O2 e cada um deixou o local o local de uma forma diferente. Eles realmente sentiram que tinham uma conexão. Certamente, meu dia com a Taylor hoje não deixou buracos em minha teoria: Que, quanto mais famoso, mais reconhecido e mais talentoso você é, mais sincero e legal você é. Ela chegou cedo para o nosso ensaio (nunca acontece). Ela aprendeu o nome de todos no set, do fotógrafo até as pessoas que fazem sanduíches (isso acontece, mas é raro). Ela tomou seu tempo para me elogiar em meu vestido, mas não para fazer um lanche (ela faria isso a caminho dos ensaios para o Brits), pois ela estava preocupada caso a gente não conseguisse tudo o que queríamos no tempo que tínhamos. Comparando com outras estrelas não tão grandes com as quais lidamos na Glamour, isso é algo notável. Eu pergunto a Taylor por que ela acha que algumas celebridades não conseguem fazer isso.

“Eu passei muito tempo observando pessoas em meu caminho,” ela diz. “Tudo começou quando eu era criança e eu assistia a um programa da VH1, o Behind The Music, onde eles mostravam a criação e o decaimento de uma banda. E eu percebi que, na maioria das vezes, a queda acontecia porque eles começavam a tratar mal as pessoas. E eles paravam de se importar com a decência básica do ser humano assim que conseguiam alguns prêmios ou conseguiam dinheiro para um carro caro. E eu acho que, com o progresso da minha carreira, quando eu comecei a ir em premiações, eu não estava no radar de ninguém. Então, eu caminhava pelo tapete vermelho e via como as pessoas agiam e pensei em relembrar várias vezes: ‘Veja como essa pessoa não está fazendo contato olho a olho com as outras pessoas. Nunca faça isso. Veja como aquela pessoa foi apresentada para um grupo de pessoas e não falou seu nome, porque achava que todos deveriam saber. Nunca faça isso.”

Um pouco depois de nos conhecermos, Taylor vencerá outro prêmio. Dessa vez no iHeartRadio Awards. E ela irá celebrar postando uma foto de seu adorável rosto no Instagram.

É por isso que me vendi a Taylor. Ela pode não ser ‘descolada’, mas 1 milhão de likes provam, nesse momento, que o fato de não ser descolada é a melhor coisa do mundo.

 

     





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up