The Economist avalia como Taylor conseguiu tirar algo positivo da crise mundial
30/07/2020
The Economist avalia como Taylor conseguiu tirar algo positivo da crise mundial

Livre de obrigações comerciais, Taylor Swift muda de direção.

Ela é a última em uma longa lista de estrelas da música que transformaram uma crise em algo vantajoso.

Lançar um álbum surpresa não é mais uma surpresa: é exatamente o que as estrelas fazem. Mas, ser uma estrela e lançar um álbum surpresa que não se parece nada com o seu trabalho anterior, como Taylor Swift fez com o “folklore” no dia 24 de julho, é realmente uma surpresa.

Swift aproveitou a quarentena para fazer discretamente um disco que se afastou do pop puro de seus álbuns recentes, se juntando a Aaron Dessner, do The National.

Lançado com críticas brilhantes, “folklore” evita sintetizadores e ritmos de R&B, voltando-se para uma espécie de música americana empoeirada, brilhando com toques eletrônicos sutis.

Albert Einstein teria dito uma vez que “no meio de toda crise existe uma grande oportunidade” – e isso também é verdade na música.

O Covid-19 proporcionou a Swift a chance de se aventurar em novas pastagens, sem pressão para vender 80.000 ingressos para 100 shows em estádios e sem a necessidade de participar de programas TV e entrevistas em revistas para promover seu trabalho.

Sem as demandas normais da indústria da música, ela foi capaz de fazer algo puramente porque queria. Sendo Taylor Swift, as primeiras respostas são de que ele foi um sucesso: “folklore” vendeu 1,3 milhão de cópias nas primeiras 24 horas de lançamento e foi tocado 80,6 milhões de vezes no Spotify no mesmo período, o número mais alto no dia do lançamento por uma artista feminina.

O que é surpreendente é que mais artistas não tenham utilizado os últimos meses pra tentar ir além. Houveram eventos incomuns – Charli XCX gravando um álbum inspirado no lockdown durante o lockdown; O sublime show de piano solo de Nick Cave, que foi transmitido na semana passada – mas nada além da escala da reinvenção de Swift, por mais temporário que possa ser.

Os artistas costumam usar crises para apresentar novas versões de si mesmos para seu público, às vezes resultando em mudanças dramáticas, não apenas no estilo próprio, mas também na forma do próprio pop.

Em 29 de julho de 1966, Bob Dylan bateu sua motocicleta em Woodstock, Nova York, e usou o período de recuperação para desaparecer. Enquanto isso, ele se juntou à The Band, escrevendo e gravando como músicas que depois foram lançadas como “The Basement Tapes”, mas que entraram em circulação quase que imediatamente. Além de ter suas músicas sendo feitas de covers por artistas como Fairport Convention, Brian Auger, Julie Driscoll e Trinity, e Manfred Mann, inspiradas em uma jornada do rock de volta ao básico e na reprodução de músicas country no final dos anos 60.

Brian Eno também transformou seus machucados em uma nova forma de música depois de ser atropelado por um táxi em Londres em janeiro de 1975. Recuperando-se em casa, ele lançou um álbum de harpa que uma antiga namorada havia trazido à tona. Um canal de seu aparelho de som não funcionou e o amplificador foi ajustado em um nível muito baixo, com o resultado de que a música era quase inaudível. “Isso apresentou para mim uma nova maneira de ouvir música”, disse Eno, “como parte da ambientação do local, assim como a cor da luz e do som da chuva faziam parte do ambiente”. Então ele partiu daí para inventar música ambiente.

Ou então, Robert Wyatt, que quebrou a espinha em 1973, e agora um usuário de cadeira de rodas, passou de baterista a cantor e tecladista, sob o pretexto de que ele mudou de um dos principais protagonistas do rock experimental inglês para um tipo totalmente único de cantor e compositor.

Ou lembre-se de Olafur Arnalds, o compositor neoclássico que desenvolveu seu sistema de piano Stratus depois que um acidente temporariamente o roubou do uso da mão direita.

No geral, é claro, a vida seria mais agradável sem crises e não há ninguém que pense que o “folklore” compensa as tragédias e privações que tivemos no mundo este ano. Mas o álbum mostra como mentes criativas podem obter o triunfo das mais terríveis circunstâncias.

“Isoladamente, minha imaginação correu solta e esse álbum é o resultado”, disse Swift. “Pegar uma caneta foi a minha maneira de escapar para a fantasia, história e memória.”

Poder se juntar a ela será um consolo para os fãs.

Matéria publicada pelo The Economist e traduzida pela Equipe do TSBR.

2009 - 2020 Taylor Swift Brasil - todos os direitos reservados. Desenvolvido por Marcelo Monteiro | Erika Barros online
Scroll Up
error: Content is protected !!