Quando um ano termina e outro é iniciado, surgem diversas listas e estatísticas no mundo dos negócios e também no mundo da música. Estatísticas essas que podem ser boas ou não para os artistas. Confiram a seguir a matéria da NY Magazine traduzida, que fala sobre as melhores e piores vendas de revistas em 2010.

Queridos editores de revistas: Lady Gaga >>>>>>>>>>>>> Taylor Swift. Mas isso não é tão óbvio sem os últimos números do Audit Bureau of Circulations (Agência de Auditoria de Circulações), resumindo quem vendeu e quem não vendeu em 2010? Sim, amigos: Esse é o balanço anual que oferece algumas informações sobre o poder e intriga das celebridades mais lucrativas do ano passado em vez de apenas fotos recicladas delas em diversas roupas. As capas de revistas de moda e para damas com Lady Gaga estão entre as mais vendidas do ano passado, enquanto aquelas que estampam Taylor Swift estão entre as piores. A capa da revista Rollng Stone com Gaga — revista que também contém o perfil provocativo de Stanley McChrystal — vendeu três vezes mais que a média da revista em 2010. Sua revista Vanity Fair foi a segunda mais vendida, ficando atrás apenas da revista a qual Angelina Jolie era capa. Sua capa da Elle foi a terceira mais vendida da revista, enquanto sua Cosmopolitan foi a edição mais vendida.

Por outro lado, a outra diva loira onipresente de 2010, Taylor Swift aparentemente não é tão interessante para as massas compradoras de revistas de moda. Sua capa de Abril para a revista Elle foi a com piores vendas de 2010, enquanto sua capa de Novembro da Glamour foi a segunda menos vendida da revista, e sua capa na Marie Claire foi a edição que ficou em terceiro lugar entre as menos vendidas.

Juntando-se a Swift no ranking das vendas desapontadoras está Blake Lively, que teve sua capa na revista Vogue como a terceira menos vendida de 2010 e da Esquire como a menos vendida do ano (apesar disso, ela foi a capa mais vendida da revista Allure — vai entender). E Jessica Simpson pode ser dona de um império de roupas que vale 1 bilhão de dólares, mas a edição da revista Marie Claire em que ela posou sem maquiagem foi a revista que menos vendeu no ano de 2010.

A garota-que-está-em-todo-lugar-a-todo-momento Rihanna foi muito melhor. Sua capa na revista GQ foi a segunda mais vendida da marca enquanto sua capa na Seventeen foi a mais vendida do ano. Ela também se destacou na Elle, que teve sua capa de Julho vendendo uma média de 285.000 cópias. Mas esses números provam seu apelo entre os homens (ou quem quer que leia GQ), adolescentes e mulheres.

Então parece que a para que as revistas vendam muito não basta colocar na capa apenas meninas que são loiras, bonitas e aparecendo em todos os lugares (caros editores: POR QUE NÓS PRECISAMOS VER MAIS SOBRE ELAS E LER SOBRE O QUÃÃÃÃO FABULOSO FOI O ALMOÇO DOS REPÓRTERES COM ELAS, ONDE A ESTRELA INICIANTE — COF COF — PEDIU BATATAS FRITAS?), mas mulheres que são provocativas, também porque quando não estão estão semi nuas, elas estão vestindo algo que as faz parecer totalmente, incrivelmente insanas, ou porque elas compartilham a casa com Brad Pitt. Mas para traduzir isso mais facilmente, os EUA ama pessoas (gostosas) nuas.

Fonte: NY Magazine





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up