Taylor Swift frequentou a “escola de gatos” para aprender o que os Jellicles podem e o que os Jellicles fazem.  Para se preparar para “Cats”, a adaptação para tela grande do musical de Andrew Lloyd Webber, 1981, Swift e suas colegas de elenco se matricularam em aulas para dominar os movimentos de seus personagens de quatro patas. No filme, Swift interpreta Bombalurina, uma outsider intrigante que derruba catnip sobre o baile Jellicle.

Swift não ligou (ou miou) para conseguir tratamento diferenciado para sua performance em “Cats”, estrelado por Idris Elba, Jennifer Hudson, Jason Derulo, Ian McKellen e Judi Dench.  Ela queria estar pronta para seu grande número, “Macavity”, e no caso de Lloyd Webber a convidar para escrever uma nova música para o filme. Quando ele fez isso, a colaboração foi rápida e fácil, gerando “Beautiful Ghosts”, uma balada confessional performada pela gata vira-lata Victoria (Francesca Hayward) que serve como base para “Memory”, a música assinada pela produção.  Na manhã em que “Cats” estreou em Nova York em 16 de dezembro, Swift ainda não havia assistido o filme. Ela estava ansiosa para ver como seria a “tecnologia digital de peles” do diretor Tom Hooper, um longo processo de pós-produção em que os atores humanos se transformavam em gatos. Swift falou à Variety sobre “Cats”.

 Como você soube pela primeira vez que Tom Hooper estava adaptando “Cats” para filme?
Bem, na verdade, começou muito tempo antes disso.  Quando ele estava gravando “Les Misérables”, ele me chamou para Cosette [mais tarde interpretada por Amanda Seyfried].  E eu disse: “Eu não sou soprano, mas adorei a música de Eponine, então posso fazer um teste para Eponine?” Passei por todo o processo de voar para Londres. Fiz um teste de tela com Eddie Redmayne e fingi morrer nos braços dele, o que foi fabuloso, mas não consegui o papel e [Samantha Barks], que atuou em West End, conseguiu o papel e foi absolutamente fenomenal. Mas eu me diverti muito com isso. Eu acreditava que, se eu tivesse a chance de trabalhar com ele, seria uma ótima experiência. Ele veio direto para nós com a oferta para o papel dessa vez. Eu não fiz nenhum teste de tela.

E você disse sim?
Eu disse sim imediatamente. Você precisa deslocar o resultado final com sua experiência e precisa se comprometer a fazer isso apenas com base no que você acha que será essa experiência e se isso vai te ensinar coisas que enriquecem sua vida. Então foi exatamente o que pensei que seria: trabalhar com os melhores dançarinos e intérpretes do mundo, performar ao vivo no set, trabalhar com um dos melhores diretores do mercado, os produtores e a equipe mais incríveis de Andrew Lloyd Webber e [coreógrafo] Andy Blankenbuehler. O que mais eu poderia pedir em uma experiência? E foi isso que fez eu me comprometer imediatamente.

Como você entrou na mentalidade do seu personagem?
Foi muito divertido estar no set porque eles tinham uma espécie de aula de comportamento animal chamada “escola de gatos”.

Eles tinham?
Nós literalmente ficávamos horas seguidas com os pés descalços rastejando no chão, assobiando um para o outro. Aprendemos sobre os instintos dos gatos, a maneira como eles se comportam e como processam as informações, como vêem o mundo, como se movem. O que é estranho é que, desde o começo de todo o processo, todos do lado diretor / coreografia decidiram que não íamos rastejar o tempo todo e que também não andaríamos o tempo todo. Seríamos híbridos tanto em nossa aparência quanto em nosso comportamento e movimento. O que foi muito engraçado porque você entra no set um dia e eles ficam tipo, “Oh, nós temos que refazer a coreografia! Está um pouco humano demais hoje. Precisamos tornar isso mais gato hoje. ”Ou eles diziam:“ Está gato um pouco demais e não tem dança o suficiente, então precisamos abandonar um pouco gato e tornar isso mais dançante.” E era tão engraçado porque independentemente do resultado final, nunca houve um filme como esse, e é por isso que foi tão divertido fazer parte.

Como você trabalhou no seu rosnado?
Eu faço isso desde os seis anos de idade. Não se preocupe.

Você frequentou muito a “escolas de gatos”?
Eu fui, eu diria, quatro vezes mais do que estava programada para estar lá porque eu queria fazer parte disso. Eu sou uma cantora. Este não é realmente o meu forte. Eu queria estar lá o máximo possível e apenas pegar o jeito, aprender minha coreografia, memorizar minha música e trabalhar no dialeto. E o que acabou acontecendo foi que eu estava junto com o elenco quase tanto quanto um dos protagonistas que dançavam em todas as cenas. Eu me aproximei muito das pessoas, conheci todo mundo, o que realmente foi incrível. Mas o que acabou acontecendo comigo por meio que ficar passeando tanto por ali, foi que acabei escrevendo uma música com Andrew Lloyd Webber.

Você não foi convidada desde o começo para escrever “Beautiful Ghosts” com ele?
Não. Desde o início, eles pensaram que não fazia sentido que Victoria, a personagem de Francesca, fosse essencialmente o narrador e o personagem principal do filme. Mas nós nunca ouvimos ela falar. Ela nunca diz o que está sentindo ou passando. Ela nunca canta no musical original. E Andrew havia dito que estava tão apressado durante a versão de 1981 e foi essencialmente um workshop que decolou e se tornou viral – a versão de 1981 de ‘viral’ – o que tornou o musical muito bem-sucedido muito rapidamente.
E ele me disse que essa era a única coisa que ele teria feito diferente. Ele daria à Victoria a chance de realmente dizer qual tinha sido sua experiência, em vez de simplesmente dançar. Então essa foi uma oportunidade para ele voltar e acrescentar isso. Eu acho que eles estavam trabalhando em algum tipo de idéia para o personagem cantar uma música, mas eles não sabiam o que queriam que a música fosse. E uma das razões pelas quais eu estava no set todos os dias era porque eu realmente queria conhecer esse personagem; se alguém me ligasse para ajudar com a música, eu queria saber o que estava fazendo. E quando alguém disse: “Oh, Andrew quer que você vá ao apartamento dele para ensaiar”, eu meio que pensava: “Espero que ele me peça para escrever sobre isso, porque eu sei exatamente o que eu iria querer que ela dissesse.”
E ele pediu. Assim que ensaiamos, ele começou a tocar uma melodia que eu sabia que não estava na versão de “Cats” que eu tinha visto. Eu soube imediatamente que era uma melodia nova e fiquei tipo: “O que você está tocando?” E ele disse: “Bem, é uma música nova. Esperamos que Victoria cante, mas não sabemos o que queremos que ela diga.” Era apenas o sonho do que eu esperava que ele dissesse, porque então eu poderia simplesmente me jogar e ajudar.

Neste ponto a música tinha um nome?
Não tinha nome nem letra. Era uma bela peça instrumental.

Você escreveu rápido?
Eu inventei o verso e o coro ali mesmo no escritório dele, e decidimos que, para a ponte, eu levaria para casa e escreveríamos na casa de campo dele, o que foi a melhor ideia. Eu pude ir até lá, tocar a ponte que eu havia escrito, depois comer um assado incrível de domingo e conhecer toda a sua família, que são as pessoas mais amáveis de todas.

A música foi indicada para o Golden Globes!
É realmente ótimo. É tão incrível que eles nos indicaram porque essa é uma música que eu acho que é essencial para a história. Eu não acho que o filme seja o mesmo sem a música. Às vezes, você vê uma situação em que uma música fica presa ao filme e o melhora um pouco. Isso é imperativo para a narrativa de “Cats”.

Você estaria interessada em atuar em mais filmes?
Com certeza. Vamos ver como isso vai ser. Quero dizer, honestamente, eu amo muito meu trabalho. Eu amo escrever músicas e cantá-las. Eu amo tanto que isso foi para mim uma experiência realmente especial, estranha e emocionante de ter. E se houvesse algo que fosse realmente interessante de uma maneira diferente, seria legal. Mas eu realmente só quero fazer coisas que enriquecem minha vida e quero ter aventuras e quero fazer coisas que me interessam e me deixam curiosa. É exatamente onde eu estou agora.

Matéria publicada pela Variety e traduzida pela equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up