17 de dezembro de 19 Autor: Karla Santos
Taylor Swift é a artista da década

O Insider está olhando para a última década de grandes nomes musicais com uma série de ensaios de opinião. 

• O Insider relembra os últimos 10 anos de grandes nomes da música com uma série de ensaios de opinião dedicados aos artistas que inspiraram fãs ao redor do mundo.  Aqui, a editora associada de notícias sobre celebridades, Courteney Larocca, explica por que ela acredita que Taylor Swift é a maior artista da década.

 • Swift não só está lançando hit após hit nesta década, mas seus ouvintes são cativados {pelas músicas} de maneira profundamente íntimas.

 • A cantora também tem usado ativamente sua plataforma como uma artista de sucesso para lançar luz sobre injustiças na indústria da música para garantir que uma geração mais jovem de músicos possa prosperar em um ambiente que se preocupa com seu trabalho, em vez de comoditizá-lo.

Taylor Swift sabe que, se você é a pessoa mais inteligente da sala, está na sala errada. Curiosamente, Swift geralmente é a pessoa mais inteligente de qualquer sala.

 Embora o observador casual possa ver Swift como nada mais que uma estrela pop, ela é uma das poucas pessoas que ativamente vem tornando sua indústria – e a vida de seus fãs – melhor de maneiras irreversíveis e notáveis ​​ao longo da década.

Swift tinha apenas 20 anos quando se tornou a artista mais jovem a ganhar o álbum do ano no Grammy Awards em 31 de janeiro de 2010, por seu segundo álbum, “Fearless”. Lançado no final de 2008, transformou Swift em um fenômeno internacional ao longo dos anos 2010; chegando a alcançar o 98º lugar na lista geral da Billboard Hot 200 desta década.

Seu sucesso tão cedo fez sentido – o público ama um prodígio; além disso, havia algo tão incrivelmente relacionável em uma adolescente dizendo ao seu crush: “você pertence a mim”.

Mas para mim e para outros fãs de Swift, foi mais do que isso. Ela era alguém em quem podíamos nos ver enquanto navegávamos em nossas próprias vidas e romances. E com o lançamento de “Speak Now”, no final de 2010, Swift provou que não era capaz apenas de reinventar histórias de amor otimistas, mas também possuía um entendimento completo de sobre decepções amorosas, e dor também.

Swift demonstrou suas proezas nas composições desde o início, e sua música continuou a se fortalecer por todo o percurso que levou ao álbum de 2019, ‘Lover’.

“Speak Now” é um álbum totalmente auto-escrito que figurou no Billboard Hot 200 por 137 semanas, o que foi — não apenas um enorme dedo do meio para os críticos que alegaram que Swift não escreveu sua própria música, mas também a prova de que ela estava entre os compositores mais promissores de sua geração.

Se armando com letras como “Eu sinto você me esquecer como eu costumava sentir você respirar” e “A pergunta persistente me manteve acordada / duas da manhã, quem você ama?” Swift criou uma base à prova de balas para uma carreira construída em torno de sua misteriosa capacidade de identificar momentos cruciais de intimidade e transformá-los em hinos universais de término, amor e perda que se tornaram trilhas sonoras para a vida real de seus fãs.

Obviamente, a música estelar nunca parou de aparecer. Em 2012 veio “Red”, um álbum que envelheceu tão graciosamente que chegou a várias listas dos melhores álbuns da década de 2010.

Swift lançou sua obra-prima pop, “1989”, em 2014 – um álbum que possui seu maior hit da Billboard Hot 100 até agora, “Shake It Off”, que ficou na parada por 50 semanas consecutivas. “1989” também rendeu a Swift outro álbum do ano no Grammy, fazendo dela a primeira mulher a ganhar duas vezes esse prêmio.


Swift continuou seu crescimento na carreira com “Reputation” em 2017, o que a ajudou a quebrar o recorde da Rolling Stone de turnê americana de maior bilheteria da história, faturando 266,1 milhões. Então, terminando a década, veio “Lover”, de 2019, um álbum que exibe todos os imensos talentos musicais de Swift, mas se destaca em seu catálogo como o primeiro álbum que ela possui os direitos – um triunfo que vai muito além da própria música.

É importante notar, porém, que não há um álbum singular que possa ser facilmente delegado como o “favorito dos fãs”, principalmente porque cada álbum é muito especial na discografia de Swift. Se você escolhesse sete fãs diferentes nas ruas, eles poderiam facilmente ter uma resposta diferente para a pergunta: “Qual é o seu álbum favorito da Taylor Swift?”

Nem os críticos conseguem responder totalmente essa pergunta. Enquanto “Red” é conhecido por ser muito querido pela crítica (e é o meu favorito), a Billboard teve seis de seus escritores argumentando que um de seus primeiros seis álbuns de estúdio era o melhor. Além disso, quando eu classifiquei as melhores e piores músicas de Swift para Insider no início deste ano, as músicas de cada um de seus álbuns entraram na lista das “melhores”.

Uma das razões pelas quais os fãs de Swift se apegaram e se apegam constantemente a sua música nesta década – levando a seu domínio no topo das paradas – é porque suas letras sempre pareceram pessoais mas ao mesmo tempo relacionáveis.

Pegue “All Too Well” como exemplo. Foi um corte profundo escondido habilmente na faixa n° 5 do “Red”. Nunca foi lançado como single, mas essa poderosa balada pop-rock se tornou o tipo de aspiração que a maioria dos artistas sonha em escrever.

Ouvir Swift tecer detalhes íntimos sobre ouvir a mãe de seu malfadado amor contar histórias sobre sua infância — ou deixar seu cachecol na casa de sua irmã pode parecer muito específico para alcançar um público maior fora de sua sala de piano, mas é exatamente essa sinceridade que faz as melhores músicas de Swift serem tão onipresentes.

A relacionabilidade de Swift se provou crucial em 2017, quando se tratou de seus impactos nas mudanças sociais fora da indústria da música

Dois meses antes da publicação de Harvey Weinstein no New York Times, Swift foi a um tribunal de Denver contra um ex-DJ de rádio que a apalpou em um meet-and-greet de 2013 e teve a ousadia de processá-la por danos morais depois que ele, com a divulgação da história, foi demitido de seu emprego.

As frases do depoimento dela — “Eu critico seu cliente enfiar a mão dele debaixo da minha saia e agarrar minha bun**” e “Eu não vou deixar você ou seu cliente me fazerem sentir de qualquer maneira que isso seja culpa minha” — estarão para sempre arraigadas na mente dos fãs de Swift, ao lado das letras que ela escreveu em seus diários do ensino médio.

Depois que ela ganhou seu simbólico US$1, que ela exigiu em nome de “quem se sente silenciado por um ataque sexual”, a Rede Nacional de Estupro, Abuso e Incesto, ou RAINN, disse à ABC que sua linha direta nacional registrou um aumento de 35% nas ligações por telefone no fim de semana após seu testemunho.

“Ver alguém que eles respeitam, que se identificam [com o fato de que foram assediados], tem um grande impacto”, disse Scott Berkowitz, presidente da RAINN, à ABC News na época.

Uma mensagem exibindo um trecho da música “Ours”, de Taylor, foi exibida do outro lado da rua do caso civil de Taylor Swift vs David Mueller no tribunal Alfred A. Arraj em 14 de agosto de 2017 em Denver, Colorado.


É fácil olhar para uma estatística e não pensar nas pessoas por trás dela, mas posso dizer que, por mim, Swift teve um papel fundamental na maneira como encarei o assédio sexual sofrido por mim.

Mesmo antes de seu testemunho destemido, voltei para sua balada de 2010, “Dear John”, para confirmar que eu não era a única mulher que já contou seus passos, rezando para que o chão não caísse novamente enquanto namorava um homem com uma “necessidade doentia de levar o amor embora”. Mais tarde, encontrei consolo em “Clean”, o atmosférico “1989”, mais íntimo, que promete ao ouvinte que um dia eles poderão finalmente respirar após um relacionamento de montanha-russa.

Não há dúvida em minha mente que eu não sou a única que viu sua própria dor refletida nas letras de Swift, permitindo as lamentações. Afinal, ela não teria se tornado a artista com a maior quantidade de prêmios de todos os tempos do American Music Awards, que é uma premiação totalmente votada pelos fãs, se sua música fosse apenas OK.

Swift também realizou progressos para melhorar a indústria da música, tanto para seus colegas artistas quanto para si mesma

Não vou relembrar os recentes problemas legais provocados por Scott Borchetta, que vendeu a antiga gravadora de Swift, Big Machine Records – e, portanto, todo o catálogo de Swift até o “Reputation” de 2017 – para Scooter Braun (porque quem precisa da Big Machine, afinal?). Eu direi que a luta de Swift  para ser dona de sua arte e sua luta por todos os artistas são apenas um exemplo do trabalho que ela fez nesta década para proteger os direitos dos artistas.

Você deve se lembrar que ela foi criticada sem parar tanto por tirar sua música do Spotify como por escrever uma carta para a Apple condenando sua política de não pagar artistas durante um período de teste gratuito de três meses da Apple Music. Mas, por trás de todas as críticas misóginas, “ela só está com dinheiro”, cuspiram nela, você descobrirá que ela fez essas coisas para trazer à tona questões de sua indústria que magoavam artistas novos que não têm os milhões de dólares que Swift tem. Em menos de 24 horas, Swift recebeu uma resposta direta à sua carta aberta à Apple, dizendo que a empresa decidiu reverter sua decisão.

Quando Swift decidiu deixar a Big Machine para trás em 2018, ela não apenas saiu por sair. Em vez disso, ela negociou um contrato com a Universal Music Group que garantia a ela os direitos de tudo que ela criasse na gravadora, como também incluía uma cláusula estipulando que “qualquer venda da UMG ao Spotify, resulta numa distribuição de dinheiro para seus artistas, não recuperável.”

Ela também disse que a gravadora concordou “no que eles acreditam que serão termos muito melhores do que pagos anteriormente por outras gravadoras importantes”.

Isso significa que com seu contrato, Swift garantiu que outros de seus artistas preferidos desta década, como Rihanna, Lady Gaga, Ariana Grande e Kanye West, sejam beneficiados pela receita que sua arte traz. O mesmo vale para os artistas menos conhecidos e novos artistas que assinarem com a gravadora.

Até outros artistas creditaram Swift pela forma como ela mudou o jeito que consumimos a música pop

É difícil imaginar se as estrelas pop de hoje, como Ariana Grande, seriam capazes de citar o nome de seus ex-namorados em músicas como “Thank U, Next” e fazer com que elas sejam os hits de sucesso que conhecemos hoje se Swift não tivesse criado músicas sobre términos como “Dear John”, de 2010, e “Style”, de 2014, que deixaram bem claro quem foram as inspirações das faixas – John Mayer e Harry Styles – logo nos seu respectivos títulos.


Halsey, outra artista que surgiu esta década e ganhou bastante destaque, chegou a eleger Swift como uma de suas heroínas da composição, principalmente por suas pontes inteligentes.

“A ponte [de uma música] é um biscoito da sorte. Ele une tudo, é o ápice, uma das partes mais importantes de uma música. Pergunte à Taylor Swift, ela escreve as melhores da história”, disse Halsey em novembro de 2019 em uma entrevista à Capital FM.

Qualquer um que tenha ouvido “Out of the Woods”, “Don’t Blame Me” ou “Lover” sabe que isso é verdade.

Swift merece ser a artista da década porque sua música validou as mulheres enquanto ela lutava simultaneamente por uma geração mais jovem para criar novas músicas em um ambiente melhor

Demorou 13 anos para Swift lançar uma faixa que contemplava os duplos padrões misóginos que ela teve que enfrentar como mulher na indústria da música, e é fácil concordar com seu sentimento: se Swift fosse um homem, ela seria, sem dúvida, “o homem”.

Mas, embora ela talvez tenha enfrentado alguns obstáculos e críticas abertamente sexistas ao longo de sua carreira, se ela fosse homem, ela poderia não ter tocado a vida de muitas mulheres com sua música.

Sendo alguém que idolatra Swift desde os 11 anos de idade, posso dizer que a razão pela qual ela importa é porque ela não apenas produz faixas lindamente elaboradas que encantam os fãs em níveis extremamente pessoais, mas também porque quer tornar o mundo um lugar melhor e mais justo – com um contrato de música, uma carta aberta e uma composição no tempo certo.

Isso é algo que não podemos nunca esquecer.

Matéria publicada pela INSIDER e traduzida e adaptada pela equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up