27 de agosto de 10 Autor: Erika Barros
Taylor fala com a EW sobre o Speak Now

Taylor deu uma entrevista recentemente à Entertainmment Weekly sobre seu novo álbum, ‘Speak Now‘, que será lançado no dia 25 de Outubro mundialmente. Leia a tradução completa da entrevista abaixo:

A estrela, que escalou à fama nos últimos anos, falou recentemente com o EW sobre seu novo CD, falando que é uma “coleção de confissões/coisas que eu desejava ter dito quando era o momento.”

A música que entitula o CD, por outro lado é sobre “o momento em um casamento onde você fala agora ou se cala para sempre.” Isso é apenas uma prévia do CD, o resto poderá ser encontrado na edição de preview da revista Entertainment Weekly dessa semana.

– Você se lembra do momento quando terminou de escolher a tracklist do álbum? Como se sentiu?
Eu terminei a tracklist há dois meses. Eu não paro de escrever até ter o suficiente para preencher um álbum. Eu venho tentado bater o que eu tenho nessa lista de canções poderosas para o álbum.

– Eu penso que trabalhar em um CD é estressante. Mas quando você fala sobre trabalhar em ‘Speak Now, você parece feliz. Foi um processo alegre? Ou teve uma parte estressante?
Há elementos que envolvem tensão e alegria ao fazer um álbum. Para mim, eu sou ou extremamente estressado ou muito alegre, mas quando eu termino de compor uma canção, você me verá no ápice da felicidade. Mas se eu não escrevo uma canção em uma semana e meia, você provavelmente me verá extremamente estressada, por outro lado, se não escrevo uma canção há mais de 9 dias eu começo e sair do foco de um assunto porque fico pensando no que poderia estar compondo. Pra mim é um desafio divertido compor e tentar bater as minhas composições anteriores. É um dos meus passatempos prediletos – melhorar o que eu compus antes. Quando eu escrevo uma coisa eu fico extremamente feliz, mas sei que poderia ter feito melhor. Isso é realmente engraçado pra mim.

– Você considera que todas as canções desse novo disco serão sobre amor? Ou há algumas que não são?
Eu consideraria as canções do álbum como emotivas – das quais somos formados – há algumas canções sobre paixão, adoração e positivismo, os sentimentos mágicos do amor. Mas há também canções sobre quando o amor não dá certo, o que na maioria das vezes acontece, sobre todos os diferentes modos em que o amor não dá certo, todos os diferentes modos que isso pode te levar a sentir e tudo o que você passa nessas fases. E depois vem toda a dinâmica social, lidando com pessoas e apredendo que a vida é muito imprevisível – eu acho que essas é uma das coisas que aprendi – a vida e o amor são imprevisíveis.

– E você ama escrever sobre o amor e as decepções. Você é romântica?
Eu acho que tudo o que passo na minha vida irá se refletir na minha música – Se passam na minha vida um monte de pessoas e algumas delas são boas, outras ruins e outras confusas, você vai ter um álbum assim. Nunca se sabe o que eu irei escrever no futuro, mas para mim, eu encontro dificuldade na hora em que preciso me concentrar pra fazer o álbum com um pouco de cada emoção. Eu gosto de sentir como se tivesse colocado tudo o que passei nesses dois últimos anos.

– Eu ouvi dizer que ‘Mine’ caiu na rede quando você estava em um avião, e a música já estava em todos os cantos quando você pisou em chão firme. Como você se sentiu?
O lançamento do meu primeiro single não foi nada como eu imaginei, porque eu gosto das coisas estruturadas, planejadas e em ordem. Eu nunca vi outro tipo de lançamento. Você planeja a data que vai lançar e esse será o dia do lançamento. Quando eu peguei aquele vôo, pensei que estaria indo pro Japão e que seria normal – assistir alguns filmes, dar um cochilo. Mas quando deu uma hora de vôo minha agente veio até mim e disse, “Hey, tente não entrar em pânico. Mas o que você acha do seu single ser lançado no dia 5 de Agosto? E já era 5 de Agosto no Japão, 8+5 = 13, que é meu número da sorte! Eu disse “O single vazou não é?” e ela disse “Sim”.

– Então como você conseguiu lidar com isso?
Bem, foram duas semanas antes do previsto, mas felizmente tinhamos o single pronto pro lançamento. Porque tivemos um bom tempo trabalhando nesse álbum, bati na maderia. Quanto a minha próxima reação, eu comecei a fazer um monte de perguntas: Qual é a qualidade da gravação? Nós sabemos de onde vazou? Nós sabemos como prevenir isso no futuro? Qual será nosso próximo passo? Ok, nós vamos lançar no iTunes agora, mas e quanto às rádios? Oh, nós vamos deixar isso acontecer virtualmente. Naquele momento tive que ver com o que me preocupar. De repente eu comecei outra vez, eu posso mudar e controlar isso? Não. Mas o que eu posso fazer e dar o próximo passo e descobrir qual vai ser, e eu acho que fizemos a escolha certa em lançar imediatamente no iTunes e lançar pros fãs. Eles foram legais o suficiente para fazer que a música ficasse em #1 no iTunes. O que eles fizeram foi maravilhoso.

– “Mine” fala sobre o quê?
Minha tendência de fugir do amor. Cada exemplo real e direto de amor que eu tive na minha frente acabou em adeus ou em rompimentos ou em coisas assim. Então eu acho que desenvolvi esse padrão de fugir quando se trata de se apaixonar. Essa música é meio que achar a exceção disso.

– Algumas pessoas têm dito que “Mine” parece que poderia ter sido incluída no “Fearless”. Sua música mudou para esse álbum?
À medida que minha música vai mudando, eu gosto de colocar cada música no seu próprio lugar e leva um tempo para isso. Na minha cabeça, quando eu escrevo a música, eu ouço a produção. Eu não gosto de fazer o álbum todo parecer a mesma coisa, com o mesmo tipo de produção. Nós fizemos algumas coisas que me animaram muito. Usamos uma orquestra completa em L.A. no Capitol Studios, e fizemos umas coisas muito, muito interessantes em algumas faixas que eu estou muito animada, coisas que não haviamos feito ainda. Estou muito animada para que as pessoas ouçam o novo CD, pra ser honesta com você.

– Esse é um CD que deveria ser escutado do início ao fim?
Esse é um álbum e eu estou muito, muito apaixonada com a idéia de tê-lo feito. Não tenho muito interesse em ter poucas possibilidades de singles para rádios e depois encher de coisas sem significado algum. Pra mim, lançar um álbum significa que cada música tenha que ter o que for de melhor que eu pude pensar no momento em que a escrevi.

– Então, outra música que faz parte do álbum é “Sparks Fly” que você já cantou antes e seus fãs já amam. Essa é uma música especial?
“Sparks Fly” é uma música que os fãs têm falado comigo nas filas dos meet-and-greets nos últimos dois anos. Então eu a revisei e coloquei mais vida nela musicalmente e dei mais um ponto de vista producional. E estou muito feliz pelo jeito que ela ficou.

– Você já está pensando na tour promocional que virá para o Speak Now?
Estou muito feliz com tudo o que tem a ver em falar com as pessoas sobre esse CD, porque estou muito orgulhosa dele. Sabe, promover é muito diferente – você nunca está fazendo sempre a mesma coisa. Há ensaios para revistas, entrevistas, programas de tv, performances e os shows. Eu gosto da variedade que isso tem, é definitivamente uma coisa que você tem que dizer para si mesma “Eu não ficarei cansada. Eu não vou reclamar, porque essa sou eu sabendo que vou trabalhar mais intensa e rapidamente e durante mais tempo que qualquer outro momento nos próximos dois anos. Isso e o que eu serei agora”.

– Os últimos dois anos da sua vida têm sido muito ocupados. Há alguma música que reflita os negócios e mudanças dos seus últimos dois anos?
Há sim. A última música do CD é sobre olhar para os últimos dois anos e como eu me sinto quando faço isso.

Fonte: EW.com





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up