Photo_1989_300CMYK

A Rolling Stone já publicou sua crítica para “1989” segundo Rob Sheffield. O álbum foi avaliado num total de 4 de 5 estrelas, empatando com os anteriores “Fearless” e “Speak Now” e superando a classificação de “Red”, de 2012, que foi classificado com 3,5 estrelas! Confira a tradução da crítica abaixo que enfatiza as canções “How You Get The Girl”, “This Love” e “Clean” como as de maior destaque no álbum:

Quando se trata de Taylor Swift e o super envolvente pop dos anos 80, nunca é demais

Quando Taylor Swift decide fazer algo, ela realmente sabe como sobredosar isto. Então em seu quinto álbum, quando ela se entrega com paixão ao pop sintético dos anos 80, ela vai a todo vapor, tentando a maior parte do álbum caminhar na direção dos Pet Shop Boys. 1989 é uma mudança drástica — somente um par de faixas apresenta sua marca registrada, as guitarras manchadas com lágrimas. Mas ela ainda é Taylor Swift, o que significa que ela ainda sonha grande e compartilha mais do que qualquer pessoa em jogo. E ela ainda tem sentimentos por garotos do tipo que nem conseguem soletrar a palavra “sentimentos”.

Swift já escreveu muitas grandes canções, o suficiente para duas ou três carreiras. Red, de 2012, era seu Purple Rain, um eu-sou-o-cosmos épico alastrado a banjos, baladas de piano e dubstep. Mas, como toda estrela pop dos anos oitenta sabia, você não consegue um épico com outro – ao invés disso, você surpreende a todos com uma mudança rápida. Então, ao invés de tentar duplicar o amplo alcance de Red, ela se concentra em um único aspecto do seu som para um álbum inteiro – uma coisa bastante Prince a se fazer.

Max Martin produziu sete destas 13 canções, e suas batidas fornecem às noites de sábado qualquer trilha sonora, como Swift canta sobre a vida de solteira na velha cidade grande que ela sempre sonhou. Em “Welcome to New York”, ela se encontra em um lugar onde “you can want who you want/boys and boys, and girls and girls” (“você pode querer quem você quiser / meninos e meninos e meninas e meninas”). Ela atinge seu estilo em “Blank Space” ao cantar “I can make the bad guys good for the weekend” (“Eu posso caras malvados ficarem bons ao final de semana”) e a hilariante intitulada “Style”, quando canta “you got that James Dean daydream look in your eye” (“você tem o olhar de devaneio de James Dean seus olhos”).

Os melhores momentos são guardados para o fim, quando Swift esquece o conceito. “How You Get the Girl” mistura o melhor de suas velhas e novas faixas, quando ela dedilha um violão de forma agressiva durante a onda de Max Martin. “This Love” traz de volta seu produtor mais simpático, Nathan Chapman, para o tipo de música que eles estavam apenas começando a chamar de “balada poderosa” em 1989 (a única música a ser comparada seria “I’ll Be There for You” do Bon Jovi). No final de matar qualquer um, a cantora inglesa Imogen Heap acrescenta apoio etéreo e suspira a melancolia eletrônica de Swift em “Clean” (“You’re still all over me like a wine-stained dress I can’t wear anymore” / “Você ainda serve em mim como um vestido manchado de vinho eu não posso mais usar”).

Se não há nada tão grandioso como “All Too Well” ou “Dear John” ou “Enchanted”, isso é porque não era para haver. 1989 estabelece o recorde de menor número de adjetivos (e menor contagem de romance) em um álbum de Swift. A maioria das canções paira acima da marca de três minutos, o que é um desafio para Tay – ela sempre foi uma compositora que pode gastar cinco minutos cantando com um lenço e ainda fazer cada linha atingir almas. Mas se você for bom em matemática, note que as três melhores músicas deste álbum – “How You Get the Girl”, “This Love”, “Clean” – são as três que acidentalmente passam dos quatro minutos. Esta ainda é uma artista que gosta de te deixar partido. Profundamente estranho, febrilmente emocional, entusiástico, 1989 soa exatamente como Taylor Swift, mesmo quando se parece com exatamente nada do que ela já tentou antes. E sim, ela leva o álbum a extremos. Você está surpreso? Esta é Taylor Swift, lembra? Os extremos são por onde ela começa.

Fonte.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up