08 de janeiro de 14 Autor: Erika Barros
Scans traduzidos: Taylor na Maverick de Janeiro

Sem título

Taylor Swift é destaque na edição de Janeiro da revista Maverick. Além de um artigo com a cantora, a publicação traz uma entrevista feita com a própria Taylor, que fala um pouco mais sobre a sua turnê, o filme “The Giver”, sua vida como compositora e mais! Confira os scans traduzidos a seguir:

Entrevista cara-a-cara exclusiva com Taylor Swift em Nashville.

2013 tem sido um ano furacão para Taylor Swift. Continuando a vender milhões de cópias do RED mundialmente; downloads digitais de mais de 70 milhões; colocando mais de 12 canções nas paradas e esgotando arenas e estádios pela América do Norte em favor do RED: Os números são atordoantes, e tudo isso com o fato de Taylor ter 23 anos. Nunca houve um músico dessa idade que controlasse não apenas sua carreira e gênero (contry), mas a música em geral. Ela é linda, brilhante, positiva, criativa, hilária e humilde.

Vamos dar uma olhada nos destaques do ano que Taylor teve.

A porção Norte-Americana da RED Tour de Swift tocou para mais de 1,36 milhões de fãs, com 66 shows (incluindo 13 em estádios) em 47 cidades, em 29 estados e três províncias em seis meses. Chamando convidados únicos para dividir o palco com ela, incluindo Carly Simon, Luke Bryan e Sara Bareilles entre outros, ela provou novamente que ama dar aos fãs o melhor show. Tendo tido a chance de ver Taylor em um estágio (Rogers Center, em Toronto) e uma arena (Bridgestone Arena, em Nashville), eu presenciei entretenimento, musicalidade e apresentação que só tinha visto em um show dos Rolling Stones. Isso pode soar louco, mas estou te dizendo agora. Taylor Swift não é apenas a Entertainer of The Year, mas a Entertainer de uma geração inteira.

Tendo quatro singles nas paradas em 2013: 22, Red, Everything Has Changed (com Ed Sheeran) e The Last Time, Red continua a render. Cada uma dessas músicas é algo completamente diferente, de tantas plataformas diferentes que você realmente não faz ideia de onde eles vão surgir, novamente fazendo de Taylor Swift a musicista de todos. Você começa a perder a conta de quantas canções de Taylor estão em cada parada ou quantos downloads foram vendidos, ela consistentemente se certifica de que seus fãs estão felizes e essas músicas e singles novos continuem a ser lançados.

O Country Music Hall of Fame em Nashville, Tennessee abriu o Centro Educacional Taylor Swift em 12 de Outubro de 2013. A doação de 4 milhões de Swift ao Centro é a maior na história do museu. Inclusos no Centro: três salas de aula com tecnologia para facilitar o aprendizado à distância e programas de alcance família e estudante, espaço de galeria de arte, e uma galeria de exposição interativa. Mais uma vez a Senhorita Swift não apenas é humilde e positiva, mas traz mais olhos para Nashville e música country, da maneira certa. Na noite seguinte (13 de Outubro), ela recebeu o Nashville Songwriters Association International Songwriter of The Year pelo quarto ano. Ela permance como a mais jovem a ganhar o prêmio. Kris Kristofferson já disse: “Ela me impressiona. É incrível para mim que alguém tão jovem está compondo canções tão ótimas. Ela tem uma ótima carreira à frente. Recentemente, Mick Jagger disse: “Taylor tem uma presença de palco incrível e realmente se conecta com seus fãs.”

Durante a semana do CMA no começo de Novembro, Taylor foi honrada com o que só pode ser chamado de uma das, se não a maior, honraria. Na terça-feira, 5 de novembro, na CMA International Press Recepction, Taylor foi premiada com o prêmio de Artista Internacional, Mas a honra que lhe foi concedida na quarta, 6 de Novembro, na cerimônia do CMA foi o Pinnacle Award. O prêmio conhece um artista que alcançou proeminência nacional e internacional, através de performances em shows e recordes de venda em níveis únicos na música country. O artista também alcançou o grau mais alto de reconhecimento na vasta expansão da musica mundialmente. O talento do artista e sua presença terão um impacto positivo de longa data na apreciação da música country em gerações futuras.

“Não posso pensar em uma oportunidade melhor do que a maior noite da música country para apresentar um prêmio dessa magnitude para uma artista desse calibre,” disse o Presidente do Conselho do CMA, Ed Hardy. “Conheço Taylor desde que ela tinha 16 anos. Ela veio ao meu escritório com sua mãe para tocar sua música e eu estava impressionado. A marcante carreira de Taylor é a definição do Pinnacle Award.”

Taylor foi para vencer mais dois prêmios: Best Video e Best Musical Event por Highway Don’t Care, que contou com Tim McGraw e Keith Urban. O destaque da premiação foi Taylor convidando as lendas da música Vince Gill, Alison Krauss, Sam Bush, Edgar Meyer e Eric Darken para uma performance acústica e incrível de Red. Não há adjetivos suficientes para descrever essa performance.

Nós estamos presenciando uma combinação de uma vez na vida de talento, espírito e graça no mundo musical. Ao ter a chance de falar com Taylor, você percebe o quão despretensiosa, graciosa e genuinamente real ela é. Mark Twain uma vez disse: “Escreva o que você sabe.” Taylor faz isso, de novo e de novo. Ela juntou uma banda que toca com uma fúria e um vigor que você veria normalmente em uma banda de rock. Sua musicalidade, para mim, é drasticamente subestimada. Veja-a tocando um violão de 12 cordas. Em uma entrevista exclusiva à Maverick Magazine, nós discutimos composição, turnê, fãs britânicos, filantropia e sua gata Meredith. Eu sou fã desde 2006 e continuarei a ser. Eu estou muito interessado em ver o que 2014 trará, mas por enquanto… Aqui vai Taylor!

Você é uma pessoa e compositora muito apaixonada, você raramente deixa a imaginação agir (no bom sentido). A maioria de suas músicas começa com a letra ou a melodia? E você escreve com um instrumento específico (tipo de violão, piano)?
Eu não tenho nenhum ritual específico – A parte divertida é que eu nunca escrevo músicas de uma forma particular. Você pode ter uma ideia no meio da noite que surgiu do nada e, de repente, pegar o celular e gravar a ideia e, depois, você pode voltar nela no dia seguinte. Você pode dizer algo durante uma conversa e perceber que ficaria bom em uma canção. Eu já escrevi músicas em aeroportos, ônibus da turnê, sala de hotéis, e no chão do meu quarto. Ser uma compositora imprevisível é a minha parte favorita. Escrever músicas é o meu jeito de copiar sentimentos e relacionamentos com amor. Essas coisas são complicadas e compor me ajuda a simplificar o que estou sentindo.

A Red Tour fez muito sucesso na América do Norte, você deu aos seus fãs duas versões diferentes (arena e estádio). Quanto tempo demorou para decidir o cenário (design) e a set list? E, em algum momento, você acabou mudando toda a set list?
Eu realmente amo o sentimento de um show teatral com vários momentos e coreografia, mas eu também gosto de deixar algo em aberto para se tornar espontâneo e surpreendente. Eu gosto de fazer um set acústico, que é somente eu e meu violão, e eu posso tocar músicas diferentes todas as noites. Eu também gosto de convidar outros artistas para os meus shows para que eles possam cantar uma de suas músicas. Eu gosto de criações únicas, momentos diferentes em cada show para que faça com que todos fiquem de pé, inclusive eu.

Você é uma pessoa muito positiva e uma modelo para muitos. Você já tinha imaginado que, aos 23 anos, traria uma espécie de luz para a vida de pessoas de várias idades?
Não, mas eu amo fazer músicas e saber que outras garotas escutam minhas músicas e se relacionam com elas. Quando eu estou pelo mundo vivendo a minha vida, eu sempre levo em consideração essas garotas. Elas me deram essa vida ao ficarem ao meu lado e se importando comigo. Então, eu sempre vou pensar sobre elas. A verdade sobre isso é, as minhas escolhas importam para outras pessoas além de mim mesma. Isto afeta as pessoas, então eu tenho que tentar fazer as escolhas certas.

Shelby Lynne me disse recentemente que ela adora o fato de você ser tão positiva e que, se ela soubesse de metade do que você sabe (aos 23 anos), as coisas seriam diferentes. Qual foi/é o impulso que te fez começar sua própria companhia e o quanto você está envolvida nisso agora?
Eu li o que Shelby disse sobre mim, e eu fiquei emocionada e honrada. Ela tem sido uma das minhas heroínas no mundo das composições, e ter o seu ‘selo de aprovação’ foi maravilhoso. Eu fiz a decisão de contratar o meu próprio grupo de administração porque parecia a coisa certa a fazer. Eu acho que não queria uma pessoa tomando conta da minha carreira, então eu escolhi pessoas que eram especializadas em áreas diferentes. Todas as semanas nós fazíamos ligações ou sentávamos juntos para fazermos a escolha. Eu gosto de planejar as coisas, como o lançamento de um álbum de uma maneira estratégica ou ideias criativas para videoclipes e comerciais, e minha equipe é excelente em fazer com que essas ideias sejam ouvidas e realizadas.

Quantos violões você tem e qual é o seu favorito?
Eu perdi a conta. Eu acho que o meu favorito é o ‘Baby Taylor’, que levo comigo para todos os lugares. Ele está todo velho e tem escritas de meus amigos em todos os lugares. Quando Bruce Springsteen foi a um de nossos shows e eu pedi para ele assinar… Ele pegou e tocou “Dancing In The Dark” e, depois, assinou. Possivelmente um dos momentos mais legais da minha vida.

Você aprendeu a tocar um violão de 12 cordas? O quão difícil/fácil foi isso e como isso influenciou na sua escrita?
Eu gosto de experimentar instrumentos diferentes para juntar ideias diferentes para as músicas. Eu escrevo de uma maneira diferente em um piano do que em um violão. Eu aprendi em um violão com 12 cordas porque me disseram que era mais difícil, e meu professor me disse que minhas mãos seriam muito pequenas para tocá-lo. Isso pode fazer com que você descubra um pouco da minha personalidade…

Você doou quatro milhões de dólares para o recém-inaugurado Centro Educacional Taylor Swift. Primeiramente, esse foi um gesto incrível e você disse à platéia que queria que as crianças tivesse acesso a todos os tipos de coisas artísticas. Você está envolvida em mais alguma filantropia?
Quando se trata de filantropia, eu não penso primeiro. Quando algo chega até a mim e sinto que posso ajudar com laguna coisa, é quando decido em me mexer e ajudar. Nunca é pela mesma causa e nunca da mesma forma. Algumas vezes, é para doar uma guitarra ou ir visitar uma garotinha no hospital ou doar uma quantia para um centro educacional ou comprar alto-falantes para um escola que não tem condições. Mas nunca é a mesma coisa. Eu acho que você deve ajudar quando você pode de qualquer maneira, e eu acho que eu tento fazer isso.

Tocar em estádios lotados na Austrália e Nova Zelândia e você teve que adicionar mais dias ao seus shows em Londres. E sobre os fãs da Europa e Asia? Qual a diferença destes em relação a platéia da América do Norte?
Eu tenho sorte por ter fãs ao redor do mundo, e eu amo poder conhecer muitos deles quando estou em turnê. Poder estar no palco e cantar minhas próprias palavras e histórias para platéias enormes é o melhor sentimento que já senti, e eu amo o sotaque diferente e a energia. Muitos dos fãs que já conheci são como eu, seja lá onde eles estejam… fascinados e confusos e frustrados sobre o amor, mas só pensamos sobre isso.

Nós dois somos grandes fãs do Kris Kristofferson. Diga-me como é tocar com ele e o fato dele ter apresentado você em seu primeiro CMA?
Conhecer Kris foi uma das experiências mais legais da minha vida, porque finalmente eu conheci alguém que me inspirou com a sua vida, não apenas com a carreira. Ele parece apreciar o quanto sua vida foi maravilhosa. Algumas pessoas crescem tão amargas, mas parece que ele estava cheio de vida e entusiasmado depois de todos esses anos fazendo isso. Eu espero acabar desse jeito.

Há alguma chance de você fazer shows acústicos em teatros? Você sabe, só você e seu violão?
Eu amo esse tipo de show, e eu nunca diria nunca. Agora, estou nessa fase de adorar tocar em estádios e arenas e sentir a adrenalina. Mas é uma adrenalina diferente em um teatro. Eu continuo fazendo shows acústicos, mas a maioria para meus amigos na minha sala de estar ou one eu e meu amigo Ed Sheeran estamos na mesma festa. Ele sempre faz com que todo mundo que sabe tocar e cantar se levante e toque ou cante. Eu gosto do elemento acústico, e é por isso que eu sempre toco algumas músicas desse tipo em meus shows. Apenas eu e meu violão e todos cantam junto.

The Giver com Meryl Streep e Jeff Bridges… Como eles te encontraram e conte mais sobre sua personagem.
Me ofereceram o papel da Rosemary depois que algumas pessoas encarregadas pelo filme forma ao meu show em L.A. Foi muito de repente e inesperado que recebi essa notícia. Minha personagem tem um papel muito pequeno, mas a história meio que gira em torno dela em um aspecto. Ela é muito aberta e sensível e isso acaba se tornando sua fraqueza. Estou animada para ver quando for finalizado!

Sendo o dono de dois gatos brancos, Meyer e Travis Megee, eu realmente aprecio o seu amor por Meredith. Com que frequência ela viaja com você?
Meredith viaja para quase todos os lugares comigo. Ela não parece perceber ou ligar que estamos em lugares diferentes todos os dias.

Começou com dois shows em Fevereiro e agora são cinco! A propósito, bom trabalho. O que você pode dizer sobre os fãs do UK que ainda não foi dito… e você percebe onde, não somente você, mas a música Country em geral chegou de uma forma global?
Esse será o meu sexto ano no UK e eu amo como as coisas se construíram para mim aqui. Poder fazer cinco shows lotados na O2 está entre em um dos meus sonhos mais fantásticos. Eu costumava ter pesadelos sobre aparecer no palco e olhar para a platéia vazia. É incrível o fato dos fãs nunca deixarem isso acontecer. Eu mal posso esperar para passar duas semanas em Londres fazendo shows na O2, porque os fãs do UK são uma das minhas pessoas favoritas no mundo e eu senti falta deles!

Você teve The Vamps abrindo para você, o que ou quem chamou a sua atenção?
Eles fizeram alguns covers das minhas músicas no YouTube e eu achei incrível. Eu conheci eles na Radio1 Teen Awards e eles eram doces e estavam animados para fazer parte da RED tour.

Alguma prévia que você pode dar aos fãs sobre a turnê?
Eu vou tentar o meu melhor para ter alguns truques de baixo da manga. Você terá que vir e ver você mesmo!

     





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up