jeff1

O site da revista Entertainment Weekly também já entrou no clima dos Grammys. Para isso, eles foram atrás do produtor Jeff Bhasker, que já trabalhou com nomes como Kanye West, Pink, Beyoncé, Bruno Mars, fun. e, lógico, Taylor Swift. E ele tem algumas histórias para contar:

Você pode não conhecer seu nome, mas conhece essas músicas: “We Are Young”, “All of The Lights”, “Locked Out Of Heaven”, “Run This Town”, “Holy Ground”, “Girl On Fire”, “Find Your Love”, “Party”… e isso é um resumo.

Diferentemente de outros notáveis produtores — Dr. Luke, Max Martin, The Dream — o produtor nascido no Kansas e criado em New Mexico, Jeff Bhasker não possui um som caracteristico ou um grande perfil midático. Diferentemente, ele só é um cara que entrega hits atrás de hits, um camaleão do estúdio que lida com as confissões feitas à mão de Taylor Swift tão bem quanto com os hinos de rap ágil compostos no Havaí de Kanye.

Leia algumas histórias do estúdo de Bhasker e veja os Grammys no domingo, quando ele estará concorrendo a três prêmios, incluindo Album of the Year (com o Red de Swift), Record of the Year (com “Locked Out of Heaven” de Bruno Mars) e Song of the Year (com “Just Give Me a Reason” de Pink e Nate Ruess).

Sobre Taylor Swift

Ela que me procurou — ela é bem participativa e em controle daquilo que faz. Então ela veio ao meu pequeno estúdio em Venice (Califórnia), apareceu sozinha, sem nenhuma companhia. Ela trouxe seu violão, sentou e disse: “Hey, obrigada por me encontrar — eu tenho essa música que eu adoraria que você produzisse. Aqui está ela.” E ela tocou a música inteira com seu violão sentada no sofá, e disse: ‘O que você acha?’ E eu fiquei tipo: ‘Isso é incrivel!’ Aqui tem um pensamento inteiro, uma coisa completa. Ela fez sua lição de casa, ela tinha toda a base em antecedência. Não tem fingimento, ou casualidade, ou modismos com ela — essa é a música que ela escreve a partir de suas experiências. Essa é uma artista de verdade.

Vou te contar mais um pouquinho sobre as sessões com Taylor Swift, para te dar uma ideia de quão resistente essa garota é. Era um dia de verão, na minha cabine vocal, algumas vezes eu desligo o ar condicionado para que o barulho não atrapalhe as gravações. Eu tinha me esquecido disso, e ela estava lá há muito tempo. E ela estava tipo: ‘Eu posso sair? Tá meio quente aqui.’ E ela saiu e estava toda suada — estava um forno lá dentro. Eu quase matei a pobre garota! Eu quase mandei Taylor Swift para o hospital por desidratação! E ela não reclamou, ela não foi uma diva — ela veio para trabalhar. Eu fiquei muito envergonhado. [ele ri]

Mas essa foi uma das coisas que eu percebi: Cara, ela realmente trabalha duro. O talento é importante, mas o denominador comum de toda essa gente que estamos falando é que eles são as pessoas que mais são duro por aí. E isso é tudo que você pode pedir como um produtor — para seguir com eles. Você precisa de um amigo. Você [o artista] precisa de alguém ali se, tipo, você está cansado, você continua a trabalhar, um ajuda o outro, um encoraja o outro, um desafia o outro. Você sempre quer estar rodeado de pessoas que são melhores e mais inteligentes que você.” (Músicas chave: “Holy Ground” e “The Lucky One”)

Fonte

Próxima notícia >

»




Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up