Nos últimos dias o clipe de Wildest Dreams vem sendo alvo de críticas a respeito da diversidade de seu elenco. O clipe, que tem como cenário a África em 1950, seria um retrato do colonialismo sofrido pelo continente. O diretor Joseph Kahn respondeu a tais criticas ao compor uma declaração, que fora divulgada pela equipe de Taylor, que compara o clipe a filmes como “Entre Dois Amores” e “O Paciente Inglês”.

“Wildest Dreams” é uma música sobre um relacionamento que estava condenado, e o conceito do vídeo clipe é o de que eles estavam vivendo um affair em uma locação longe das suas vidas normais. Não é um vídeo sobre colonialismo mas uma história de amor no set de um filme de época na África de 1950.

Existem africanos em algumas cenas do vídeo, mas eu raramente foco nas faces que não sejam do foco do diretor uma vez que a grande maioria do tempo o foco é na Taylor e no Scott.

O vídeo é inspirado em romances clássicos de Hollywood como Elizabeth Taylor e Richard Burton, assim como em filmes clássicos como “Uma Aventura na África”, “Entre Dois Amores” e “O Paciente Inglês”, por exemplo.

A realidade é que não apenas existem pessoas de cor no vídeo, mas como os principais criativos que trabalharam neste vídeo são pessoas de cor. Eu sou um Americano-Asiático, a produtora Jil Hardin é uma mulher negra e o diretor Chancler Haynes é um homem negro. Nós escalamos e editamos o vídeo. Nós decidimos em conjunto que seria historicamente errado lotar a equipe com mais atores negros uma vez que o vídeo seria acusado de reescrever a história. O vídeo se passa no passado, feito por uma equipe no presente e todos nos orgulhamos do nosso trabalho.

Não existem interesses políticos no vídeo. Nosso único objetivo era o de contar uma história de amor trágica em uma iconografia clássica de Hollywood. Além disso, esse vídeo tem sido atacado, quando existem muitos outros vídeos que retratam a África. Tais vídeos, tradicionalmente, não são lições sobre a história da África. Não nos esqueçamos que a Taylor escolheu doar todo o lucro desse vídeo para a Fundação dos Parques Africanos para preservar animais em risco de extinção no continente e auxiliar na economia local do povo Africano.

Fonte





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up