Muitos se lembram onde estavam e o que faziam na manhã do dia 11 de setembro de 2001, quando um atentado às torres gêmeas — nos Estados Unidos — matou quase três mil pessoas. 

E não poderia ser diferente, o impacto das notícias e das imagens devastadoras daquela manhã chocou pessoas do mundo inteiro e ficou marcado na memória de adultos e crianças. Uma delas foi Taylor Swift que, com quase 12 anos na triste data, decidiu expressar sua angústia causada pelo ocorrido da maneira que ela sempre soube fazer melhor: compondo.

A música ‘Didn’t They’, supostamente escrita em algum momento entre 2003 e 2005 para uma demo — mas que aparentemente não chegou a ser lançada — conta a história do atentado sob diferentes perspectivas e abre espaço para diferentes interpretações. Mas uma parece ser o consenso: Taylor  questiona o motivo pelo qual Deus (ou qualquer outra força divina) permitiu que algo tão terrível acontecesse com pessoas inocentes, tanto no atentado às torres como num aparente tiroteio em uma escola, também narrado por ela. Confira a tradução:

VERSO 1

Ela caminha para a escola com os braços cruzados
É apenas outro dia
Às 10: 00 ela ouve os gritos
E finalmente ela os vê
É assustador como as coisas mudam
E eu vi a história no noticiário
Eu vi a filmagem do telhado
Eu me sentei e chorei

REFRÃO

Ela não te chamou?
Ela não precisou de você o suficiente?
Houve algum motivo do qual eu não esteja ciente?
Você não anotou
Só mais uma coisa a fazer
Onde você estava?
Será que ela não orou também?

VERSO 2

Ele deu um beijo de adeus na esposa
E pegou o primeiro voo
Assim, ele poderia estar em casa naquela noite
Para colocar seus filhos para dormir
E pelo corredor, três homens caminhavam
E disseram “Estamos aqui para morrer pelo nosso Deus”
Ele se levantou e disse que é engraçado
Porque, meu Deus morreu por mim”
Eu derrubei a revista
Eu li as suas palavras em voz alta
Eu me sentei e chorei

REFRÃO

Ele não te chamou?
Ele não precisou de você o suficiente?
Houve algum motivo do qual eu não esteja ciente?
Você não anotou
Só mais uma coisa a fazer
Onde você estava?
Ele não orou também?

PONTE

Os táxis pararam
No mesmo dia que
Eles foram 100 andares acima
Só para voltar para baixo
Eles nunca acharam que iriam ver o dia
Em que as torres acabaram em chamas
Não sobrou nada para dizer
Quando tudo veio abaixo

REFRÃO

Eles não te chamaram?
Será que eles não precisaram de você o suficiente?
Houve algum motivo do qual eu não esteja ciente?
Você não anotou
Só mais uma coisa a fazer
Onde você estava?
Eles não oraram também?

Eu caminhava para a escola e eu usava uma cruz
Eu estou contando todos os dias

No primeiro verso, Taylor parece abordar a questão dos tiroteios em escolas, contando a história de uma menina que sai de casa para estudar e não volta mais — uma tragédia que, infelizmente, acontece com frequência nos Estados Unidos. Ela ainda acrescenta sua reação ao ler a notícia, de sentar e chorar. 

No refrão, Taylor questiona: ela não clamou por você? A oração dela não foi suficiente para que as forças divinas intervissem? 

Nos versos seguintes, Taylor fala do atentado às torres. Através da história de um pai que se despede para sempre da família e embarca no voo sequestrado pelos terroristas, ela expressa sua tristeza e confusão pela motivação do atentado, a religião, enquanto narra um suposto diálogo entre ele e os sequestradores. “‘Estamos aqui para morrer pelo nosso Deus’ / Ele se levantou e disse que é engraçado ‘porque, meu Deus morreu por mim.’” Ela menciona ainda os taxistas e transeuntes que, incrédulos, pararam para olhar o que estava acontecendo.

Ela volta a questionar o porquê de Deus não ter salvo essas pessoas e deixa implícito, no final, que passou a sentir medo de ir à escola dizendo que ‘carrega uma cruz e conta os dias’.

Impactante observar que tudo isso foi escrito por uma criança, certo? Mas compreensível, ainda mais se pensarmos em um outro trágico acontecimento daquele dia.  O voo 93 da United Airlines, desviado do seu trajeto original por causa dos atentados, também foi sequestrado por terroristas e caiu na região de Shanksville, na Pensilvânia, estado onde Taylor nasceu e viveu até os 11 anos. Esse fator pode ter afetado de forma mais pessoal a pequena Swift, e a sensação de proximidade em uma tragédia que matou 40 pessoas, entre passageiros e tripulantes, pode tê-la inspirado ainda mais a escrever sobre a sensação de impotência frente a algo tão triste, grandioso e irreversível.

Como sabemos, Taylor tem o dom de contar histórias e expressar seus sentimentos através das canções desde muito nova, e a emocionante ‘Didn’t They’ é prova disso.

E com esse post, nós do TSBR também prestamos homenagens às vítimas e desejamos luz aos familiares que sofrem a eterna dor da perda.

Próxima notícia >

»




Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up