Quando Taylor Swift decidiu postar seu primeiro posicionamento político no Instagram em Taylor Swift: Miss Americana, um novo documentário da Netflix que estreou no Sundance Film Festival na noite de quinta-feira, o público aplaudiu. Eles aplaudiram novamente quando ela disse a seu publicista “f*da-se , eu não me importo”, sobre a possibilidade de o presidente a atacar, e novamente quando um clipe de notícias anunciou que o post de Swift aumentou significativamente o registro de eleitores millennials. Para uma estrela pop cuja reputação tem subido e descido e depois descido um pouco mais, parece que a senhorita Americana está preparada para uma recuperação.

Da diretora Lana Wilson, que ganhou um Emmy por seu doutorado em 2013, After Tiller, e produzido pelos vencedores do Oscar Morgan Neville e Caitrin Rogers (20 pés do estrelato) e Christine O’Malley (Wordplay, IOUSA), Miss Americana apresenta para o mundo uma nova Taylor Swift. Por “nova Taylor Swift”, não quero dizer uma Taylor Swift que esteja disposta a dizer a Kanye West para ir tomar naquele lugar – já sabemos que ela está disposta a fazer isso. Não, esta é uma Taylor Swift que está disposta a dizer ao governo americano para ir tomar naquele lugar, e isso é muito novo. Ainda não se sabe se os haters estão dispostos a ouvir a nova Taylor, mas se o fizerem, certamente encontrarão alguém que valha a pena escutar.

Intitulado após sua música recente, “Miss Americana and The Heartbreak Prince”, o filme começa como muitos outros documentários sobre música: as provações e dificuldades de ser um artista mundialmente famoso. Começa com Swift tocando piano em sua casa, vestida com um macacão simples e uma camiseta, lendo seus velhos livros de música. A partir daí, Wilson inicia um resumo bem padrão, mesmo que ainda agradável, da carreira de Swift. Tem tudo o que você deseja e espera que um documentário musical tenha, desde clipes adoráveis ​​de Swift como uma garota carismática de 13 anos até uma recapitulação de sua disputa pública com Kanye West. (Swift chama a famosa interrupção de West nos VMAs de 2009 de uma “experiência formativa” e “um catalisador de muitos perfis psicológicos que eu segui”) . Wilson também passa muito tempo com Swift no estúdio, dando aos fãs uma visão íntima de seu processo de composição como nunca antes visto.

A segunda metade, mais interessante, do filme é dedicada ao despertar político de Swift como uma ativista cada vez mais liberal. Em 2016, enquanto suas amigas famosas estavam em campanha por Hillary Clinton, Swift ficou em silêncio sobre a eleição. Alguns assumiram que isso era por Swift ser eleitora de Trump, uma suposição que ela mais ou menos destruiu nas eleições de meio de 2018 quando saiu – como democrata – a favor do candidato ao Senado Phil Bredesen e fortemente contra a republicana Marsha Blackburn em seu estado natal. Sua decisão de postar esse posicionamento no Instagram – a primeira vez que ela expressou uma opinião política publicamente – é facilmente a melhor cena do filme. Seu pai, um ex-corretor da Merill Lynch, bem como vários outros membros de sua equipe, discutem com ela e dizem para ela não publicar. Eles estão preocupados com o fato de ela alienar metade da sua fanbase e também [preocupados] com a segurança dela. Ela faz isso de qualquer maneira, citando seu arrependimento por não se posicionar contra Trump em 2016 como uma razão pela qual – além de sua experiência recente e desagradável de ir a tribunal, contrariar um DJ que a apalpou e depois a processou quando ele foi demitido, algo que ela diz “nenhum homem da minha família ou organização pode entender.

“Estou triste por não ter feito isso há dois anos, mas não posso mudar isso”, ela diz ao pai bruscamente no filme, à beira das lágrimas enquanto ela luta para explicar por que isso importa para ela. “[Blackburn] vota contra férias remuneradas para mulheres … Isso é sobre certo e errado neste momento”.

Observando Swift desafiar seu pai e seus conselheiros mais próximos com lágrimas nos olhos, é difícil achar que Swift o fez[desafiar] por qualquer outro motivo que não seja o fato dela acreditar que era a coisa certa a fazer. Aqui está a prova de que muitos têm pedido que o feminismo dela é genuíno, não só algo que ela usa quando a convém ou é lucrativo. Após a derrota de Bredesen no meio de 2018, vemos Swift escrevendo uma nova música, “Only the Young”, pedindo aos jovens que não desistam da política quando as eleições decepcionam, música qual ainda não foi divulgada. (A música passa com os créditos do filme e será lançada com o filme.)

Falando em informações sobre a vida pessoal de Swift, os fãs que esperam uma atualização sobre a mãe de Swift, que a estrela pop revelou que foi diagnosticada com câncer de mama em 2015, podem não ter a resposta que esperam. Andrea Swift, 62 anos, está presente no filme e, a certa altura, brinca sobre trazer seu “cão de tratamento” para uma família de amantes de gatos. Ao contrário da cena do Instagram, essa não se aprofunda ou fica triste. Talvez Swift sinta que essa não é sua história pessoal para contar. (Na semana passada, a cantora revelou que sua mãe também havia sido diagnosticada com um tumor no cérebro.)

O confronto público de Swift com ex-proprietários de gravadoras – Scooter Braun e Scott Borchetta, da Big Machine Records, que Swift alegou estarem impedindo-a de usar suas músicas mais antigas na televisão, inclusive neste documentário – nunca é mencionado no filme. De acordo com Wilson em uma entrevista à Variety, é porque esse drama caiu muito perto do filme. (A Variety também informou em dezembro que todas as músicas de Swift foram liberadas para uso em Miss Americana.) Mas a controvérsia se encaixa perfeitamente no tema do filme: Chega de Srta. Taylor Legal.

Eu dificilmente sou fã número 1 de Taylor Swift e, como muitos de seus não fãs, deixei minha opinião sobre a estrela pop fluir com a narrativa do momento. Miss Americana é sem dúvida uma narrativa pró-Tay, mas é uma boa. Wilson e sua equipe capturaram momentos que pareciam pessoais, vulneráveis ​​e profundamente autênticos, e fizeram isso com uma habilidade e arte que os stories do Instagram simplesmente não conseguem igualar. Eu estava convencida de que Swift está pensando profundamente sobre questões de gênero, sexualidade e política de uma maneira que ela nunca fez antes. Para mim, isso é uma coisa boa.

Tenho certeza de que alguns se sentirão diferentes. Como uma mulher educada e privilegiada que vive nos Estados Unidos no século 21 demorou tanto assim? É um ponto justo. Mas eu argumentaria que muitos homens demoraram muito mais para acordar na vida e foram aplaudidos por isso. Espera-se que nunca seja tarde para chegar ao lado da luz.

Resenha publicada pelo Decider e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up