A empresa Carlyle Group, uma investidora em seu catálogo, interveio para incentivar conversas entre Swift e Scooter Braun, que agora controla sua antiga gravadora.

Há pouco mais de uma semana, um alerta preocupante apareceu no smartphone de um executivo da gigante private equity (ou seja, empresa de capital privado) do Carlyle Group: a empresa havia sido chamada por Taylor Swift.

Em uma carta aberta publicada nas redes sociais, a megastar implorou aos fãs para intervirem no que poderia ter sido uma disputa obscura da indústria da música. Os novos donos de sua antiga gravadora, segundo ela, estavam tentando impedi-la de tocar seus antigos sucessos no American Music Awards no domingo à noite. Swift pediu a seus seguidores que dissessem a Scooter Braun, o principal gerente musical que agora controla seu catálogo, como eles se sentiam. Ela acrescentou que estava “especialmente pedindo ajuda” do Carlyle Group, que apoiava o acordo de Braun com a gravadora, Big Machine.

Após o post de Swift, seus fãs bombardearam Braun – ele disse que ele e sua família receberam ameaças de morte – e o assunto até se tornou um ponto de discussão política de alto nível, com a senadora Elizabeth Warren e a representante Alexandria Ocasio-Cortez usando isso para atacar private equity.

O apelo público também chamou a atenção da Carlyle, uma das maiores empresas de private equity do mundo, que se moveu rapidamente para incentivar um acordo entre os dois lados e pediu para Braun entrar em contato com Swift, segundo quatro pessoas que acompanharam a situação.

A intervenção da Carlyle – que as pessoas de ambos os lados dizem que aproximou a luta amarga de uma solução – diz tanto sobre o clima atual quanto sobre private equity. Em um momento de indignação pública sobre a ganância corporativa e uma maior conscientização da dinâmica de poder baseada em gênero, Swift, de 29 anos, conseguiu transformar uma disputa comercial em uma causa célebre.

De acordo com quatro pessoas próximas às discussões, um acordo pode assumir várias formas, incluindo uma parceria ou acordo de joint venture (associação econômica entre duas empresas por um determinado período). Mas o acordo ideal para a artista – e provavelmente o único que ela aceitará, de acordo com sua equipe – parece ser uma venda que daria a Swift a posse de suas gravações da Big Machine. Esse acordo poderia custar-lhe centenas de milhões de dólares.

A propriedade master de suas gravações e os direitos autorais associados colocariam Swift em um outro patamar. Relativamente, poucos artistas de grandes selos – entre eles Jay-Z, Metallica e Janet Jackson – conquistaram esse controle, já que os selos geralmente possuem esses ativos em troca dos riscos que correm no financiamento das carreiras dos artistas. Mas Swift não escondeu seu desejo de controlar seu trabalho, o que se tornou um ponto crucial do seu contrato com a Universal Music Group.

A batalha da cantora com Braun e seus parceiros da Carlyle Group representa uma colisão incomumente pública entre o poder da mídia social de uma estrela e o status de alguém dentro dos negócios da música. Também expôs o embaraço entre artistas e investidores de private equity mais acostumados a lidar com conselhos corporativos de grandes empresas industriais e de consumo do que com figuras populares do entretenimento. “As pessoas em private equity olham para os direitos autorais da música e pensam: ‘É como imóveis’, mas não é”, disse Matt Pincus, fundador da Songs Music Publishing, que foi vendida em 2017. “Você está lidando com viver, respirar artistas.” Carlyle comprou a Beats Electronics, empresa de fones de ouvido do Dr. Dre, em 2013 e fez um investimento inicial em 2017 na Ithaca Holdings, a holding de entretenimento que Braun dirige. Com sede em Washington e acordos prévios com ex-chefes de Estado, como o presidente George Bush e John Major, ex-primeiro ministro britânico, a empresa é, de certa forma, um mediador natural da disputa de Swift.

Mas os gerentes de seu portfólio, que tendem a usar ternos escuros e gravatas finas, não estavam acostumados a lidar com músicos e gerentes que usam tênis e jaqueta de couro, para os quais os negócios costumam ser pessoais. E então, havia os fãs obsessivos e protetores conhecidos como Swifties. Embora o calor nas mídias sociais possa ser direcionado a qualquer pessoa, a qualquer momento, o Carlyle Group estava “infeliz por ser arrastado para a disputa de maneira tão pública”, três das pessoas disseram.

Swift há muito tempo se queixa contra o que considera injustiças na indústria musical, incluindo disputas anteriores com a Apple e o Spotify. Ela veio à público em junho expressar seu descontentamento com o acordo que trouxe Carlyle à cena.

Em 30 de junho, Braun, que descobriu Justin Bieber e tem gerenciado carreiras de nomes como Ariana Grande e Kanye West, assumiu a maior parte do catálogo de músicas de Swift como parte da compra realizada pela Ithaca da Big Machine, uma gravadora independente de Nashville cujo fundador, Scott Borchetta, assinou Swift como uma cantora country de 15 anos. A propriedade da Big Machine dos primeiros seis álbuns de Swift – todos eles hits multiplatinos – permite ganhar dinheiro sempre que a música é usada, tocada por um fã em plataformas de streaming ou colocada em um filme de Hollywood.

A Ithaca pagou de US$ 300 a US$ 350 milhões pela Big Machine, de acordo com duas pessoas informadas sobre seu valor na época. Mas também levou Swift à órbita de Braun, despertando sentimentos calorosos em relação a ele – em grande parte por causa de sua associação com West, um antagonista de longa data. O acordo, escreveu ela no Tumblr, significava que Braun e Borchetta, que ingressaram no conselho da Ithaca, estariam na posição de “controlar uma mulher que não queria se associar a eles. Na perpetuidade.”

A participação de Carlyle na Ithaca foi supervisionada por Jay W. Sammons, que comanda a equipe de mídia, varejo e consumo da empresa. A Carlyle aumentou seu investimento na Ithaca com a recente negociação da Big Machine. (Atualmente, possui aproximadamente um terço da Ithaca, de acordo com uma pessoa informada sobre o tamanho da posição.) E Sammons sabia que Carlyle estava se expondo a uma figura pop franca ao investir na Srta. Swift. Mas, dado o valor substancial de seu catálogo de músicas e a chance de investir em outros artistas da gravadora Big Machine, incluindo Reba McEntire e Florida Georgia Line, ele viu isso como uma oportunidade atraente, disse uma pessoa familiarizada com o seu pensamento.

Logo após a assinatura do acordo, Swift ameaçou em entrevistas fazer novas gravações de suas músicas antigas, potencialmente desvalorizando o investimento de Braun em seu catálogo original. Braun e Borchetta acusaram Swift de distorcer os fatos para se encaixar na narrativa de vítima e disse que ela havia rejeitado as tentativas de negociação nos últimos seis meses.

Então, em 14 de novembro, a estrela pop publicou outro post no Tumblr. Braun e Borchetta haviam dito essencialmente a Swift para “ser uma boa garotinha e calar a boca”, escreveu ela. Os dois homens estavam impondo “controle tirânico” sobre ela, acrescentou, ameaçando bloquear sua apresentação no American Music Awards e se recusando a licenciar sua música para um documentário da Netflix.

A nota de Swift enviou Swifties em uma missão apaixonada para se familiarizar com o portfólio da Carlyle. Alguns clipes compartilhados do comediante socialmente consciente Hasan Minhaj, no qual ele discutiu os investimentos e sua conexão – por meio da propriedade do fabricante de componentes aeroespaciais Wesco Aircraft Holdings, que fornece peças usadas para fazer um avião de combate – à guerra da Arábia Saudita contra o Iêmen. “Quando você pensa sobre isso, você apoia Taylor Swift ou a guerra no Iêmen”, escreveu um fã no Twitter, ganhando mais de 3.700 retweets. Sammons logo viu a postagem de Swift em seu telefone. Preocupado com a reviravolta que as coisas haviam tomado, ele entrou em ação, de acordo com duas pessoas familiarizadas com seu papel, entrando em contato com Braun e outras pessoas para ver o que poderia ser feito para amenizar Swift – potencialmente até vendendo os direitos do catálogo para ela. Logo depois, foram feitas propostas públicas e privadas à Sra. Swift, convidando-a a explorar um resultado que satisfaria todas as partes. Na sexta-feira, Braun usou o Instagram para publicar sua primeira declaração pública sobre o assunto, instigando Swift a considerar seu papel nas ameaças que sua família enfrenta. Mas ele acrescentou que esperava “se unir e tentar encontrar uma solução”, acrescentando: “Estou aberto a TODAS as possibilidades”.

Apesar da posição pública de mente aberta de Braun, ele pode estar relutante em vender. Big Machine é uma parte crucial de uma estratégia maior para expandir o alcance da Ithaca, que tem investimentos em edição musical, gerenciamento de artistas e até mesmo um estúdio de cinema, Mythos. A Big Machine também ajudaria a estabelecer Braun, 38, como um magnata no estilo de seu herói, David Geffen, que controlava sua própria grande gravadora e se tornou um dos principais produtores de Hollywood. O private equity faz parte do cenário financeiro da indústria da música, com resultados variados. Alguns negócios foram bem; em 2013, por exemplo, a Kohlberg Kravis Roberts dobrou seu investimento na BMG, a editora de música e publicação, depois de cinco anos. Outros foram desastres. A Terra Firma Capital Partners pagou cerca de US $ 8 bilhões pela EMI em um acordo altamente alavancado em 2007, pouco antes do colapso do mercado de crédito. O acordo acabou quatro anos depois, mas a Terra Firma já havia alienado os principais artistas com uma abordagem surda de redução de custos. Paul McCartney, Rolling Stones, Radiohead e outras estrelas fugiram do rótulo, alguns com palavras duras para sua administração.

Pincus, o editor de música que agora assessora uma empresa financeira, coloca da seguinte maneira: “É difícil quantificar a questão de saber se o poder de uma estrela mundial pode balançar descontroladamente o valor patrimonial da música em uma planilha”.

Matéria publicada pelo The New York Times e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up