Billboard: Lover colocará Taylor Swift de volta na disputa para o álbum do ano no Grammy?
28/08/2019
Billboard: Lover colocará Taylor Swift de volta na disputa para o álbum do ano no Grammy?

O álbum anterior de Swift, Reputation, não concorreu à categoria. Ela nunca teve dois álbuns de estúdio consecutivos que não foram indicados para esse prêmio.

Agora que Lover de Taylor Swift teve um lançamento bem-sucedido, a questão é: Como será o próximo Grammy? (O álbum foi lançado no dia 23 de agosto, apenas oito dias antes do fim da elegibilidade para o 62º Grammy Awards. Isso definitivamente não é apenas uma coincidência.)

O álbum anterior de Swift, Reputation, foi descartado da categoria “Álbum do ano” apesar de ter sido indicado para “Melhor álbum vocal pop” – que provavelmente era muito mais um prêmio de consolação para Swift, duas vezes vencedora da maior categoria. Além disso, essa era a única indicação para o Reputation, tornando ele o álbum menos indicado de Swift desde sua estreia, que também rendeu apenas uma indicação, “Melhor novo artista”. (Ela perdeu para Amy Winehouse).

Swift, sem dúvida, adoraria voltar a concorrer na categoria de álbum do ano. Ela nunca teve dois álbuns de estúdio consecutivos que não foram indicados nessa categoria.

O segundo álbum de Swift de 2008, Fearless, ganhou o álbum do ano e o melhor álbum country. E todos os álbuns de estúdio dela, desde então, foram pelo menos indicados para o prêmio de seu gênero. Speak Now (2010) foi indicado para o melhor álbum country. Red (2012) foi indicado para o álbum do ano e melhor álbum country. 1989 (2014) ganhou o álbum do ano e o melhor álbum vocal pop. Como mencionado acima, Reputation (2017) foi indicado para o melhor álbum vocal pop.

A dupla vitória de “You Need to Calm Down” (vídeo do ano, melhor vídeo para o bem) no VMAs na noite de segunda-feira é um lembrete do notável poder de Swift em premiações. Ela é duas vezes vencedora do VMA na categoria vídeo do ano, duas vezes vencedora da CMA para animador do ano, duas vezes vencedora da ACM para animador do ano e duas vezes vencedora do Grammy para o álbum do ano. (Swift nunca precisa comprar estantes!)

É provável que Lover conseguirá pelo menos uma indicação para o melhor álbum vocal pop. Seria seu sexto álbum consecutivo indicado ao seu prêmio de gênero.

O melhor cenário para Swift seria se ela ganhasse o álbum do ano pela terceira vez. Ela seria a primeira artista feminina a ganhar três vezes nessa categoria, assim como ela foi a primeira a ganhar duas vezes (como artista principal).

Ou seria mesmo esse o melhor cenário para Swift?

Uma terceira vitória poderia desencadear uma reação que não seria tão interessante para Swift. Apenas três artistas da história do Grammy – Frank Sinatra, Stevie Wonder e Paul Simon – ganharam o álbum do ano três vezes. (A contagem de Simon conta um prêmio com Simon & Garfunkel.) É fácil prever pessoas dizendo que Swift não merecia o prêmio. (E, sem dúvida, outras pessoas dizendo que a premiação está atrasada, já que uma mulher só conseguiu atingir essa marca agora.)

Se Swift ganhar o álbum do ano novamente em janeiro, ela seria, aos 30 anos, a segunda artista mais jovem a conseguir isso pela terceira vez. Wonder tinha 26 anos quando venceu pela terceira vez com Songs in the Key of Life. Simon tinha 45 anos quando ganhou pela terceira vez com Graceland. Sinatra tinha 51 anos quando venceu pela terceira vez com A Man e His Music.

Levando tudo isso em consideração, o melhor resultado para Swift poderia ser que ela seja indicada para o álbum do ano, mas não para ganhar novamente. Isso poderia facilmente acontecer. O favorito neste momento parece ser álbum de Billie Eilish, When We All Fall Asleep, Where Do We Go? Se Eilish ganhar o prêmio, ela estabelecerá um novo recorde como o artista mais jovem a ganhar o álbum do ano. Ela terá 18 anos quando os prêmios forem entregues no dia 26 de janeiro no Staples Center em Los Angeles. A atual recordista? Swift, que tinha 20 anos em janeiro de 2010, quando Fearless recebeu o prêmio.

Além dos álbuns de Eilish e Swift, outros artistas que também tem grandes chances de concorrerem ao álbum do ano incluem Ariana Grande com Thank u next, Lizzo com Cuz I Love You, Khalid com Free Spirit, Bruce Springsteen com Western Stars, Beyoncé com Homecoming: The Live Album e Gary Clark Jr. Tá bom pra vocês?

Este será o segundo ano em que a lista de indicados em cada uma das quatro grandes categorias é expandido de cinco para oito.

Outros álbuns potentes que poderiam facilmente ser indicados incluem Maggie Rogers com Heard It in a Past Life, No. 6 Collaborations do Ed Sheeran, Jonas Brothers com Happiness Begins, Maren Morris com Girl, Solange com When I Get Home, Eric Church com Desperate Man, Tyler, the Creator com Igor, Tool com Fear Inoculum, Jenny Lewis com On the Line, Anderson Paak com Ventura, Megan Thee Stallion com Fever, Interstate Gospel do Pistol Annies e a trilha sonora de A Star Is Born de Lady Gaga / Bradley Cooper.

O último álbum registrou quatro semanas no primeiro lugar, mais do que qualquer outro álbum no período de elegibilidade. Mas dois fatores podem ir contra isso. Poucas trilhas sonoras foram indicadas nesta categoria nas últimas décadas. Além disso, o Comitê de Revisão de Indicações – que determina os nomes finais nas categorias dos Quatro Grandes – pode decidir que o filme foi tão fortemente reconhecido em vários prêmios há um ano que um nome aqui não pareceria tão interessante.

Esta seria a quarta indicação de Swift para o álbum do ano, um recorde liderado por apenas uma mulher na história do Grammy – Barbra Streisand, que já teve seis indicações para o álbum do ano. Como mencionado acima, Beyoncé também tem uma boa chance de conseguir sua quarta indicação ao álbum do ano. Ela tem dois álbuns em jogo, Homecoming: The Live Album e The Lion King: The Gift. E Gaga poderia conseguir sua quarta indicação para A Star Is Born, embora pareça improvável.

Uma outra artista poderia conseguir sua quarta indicação este ano, mas com poucas chances de vencer. Mariah Carey está em jogo com cautela, mas o álbum, embora bem revisado, não teve um grande impacto duradouro.

Matéria publicada pela Billboard e traduzida pela equipe TSBR.

2009 - 2020 Taylor Swift Brasil - todos os direitos reservados. Desenvolvido por Marcelo Monteiro | Erika Barros online
Scroll Up
error: Content is protected !!