Para Taylor Swift, a primeira metade desse mês ficou marcada pela batalha que enfrentou contra o radialista David Mueller em um julgamento onde ela, seu advogado e testemunhas, tiveram que lutar para com que o mesmo fosse, finalmente, condenado de assédio sexual contra a cantora. Relembre como tudo ocorreu clicando aqui.

Em recente entrevista, a advogada de direito civil, Lisa Bloom, responsável por representar vítimas em casos de assédio sexual de vítimas de Donald Trump e Bill Cosby, comentou a respeito da postura da cantora durante todo o julgamento e o que envolveu sua vitória como um grande nome da indústria. Leia o trecho:

No último ano, muitos membros da indústria musical foram às redes sociais falar sobre suas experiências de assédio sexual, na maioria das vezes por sentirem que talvez não teriam nenhum outro recurso ou pois estavam preocupados que talvez fossem colocados de lado na indústria caso tivessem uma postura mais formal. Como você vê as redes sociais como plataforma para denúncias em casos assim?

Quando você tem alguém como a Kesha, por exemplo, que alega um comportamento bem chocante, e não parece que ela vá conseguir um alívio em seus julgamentos, por que ela não deveria usar o que tem, que é sua plataforma, para se defender e defender os direitos das mulheres? Muitas garotas e jovens mulheres se espelham em pessoas como Kesha e Taylor Swift, e quando elas lutam por seus direitos e pelos direitos das mulheres, acho que isso passa uma mensagem muito poderosa.

Desde que você esteja falando a verdade, acho que é bom falar. O risco de dizer algo nas redes sociais é se você não estiver dizendo a verdade, pois pode ser processado por difamação, mas se for verdade, então vá em frente! Geralmente as mulheres ouvem que devem ficar sentadas e caladas, e mesmo que isso não seja dito diretamente, nós sentimos isso. A vida é curta e é algo muito poderoso quando você fala a sua verdade, eu acho que as mulheres deveriam fazer mais isso.

Você poderia explicar um pouco sobre os procedimentos do caso da Kesha e o da Taylor Swift, e o que faz desses casos diferentes? Por que um não parece tão complexo e claro comparado ao outro?

Eu não sou exatamente uma expert no caso da Kesha, não o estudei diretamente, então não sei se tenho uma boa resposta para isso, desculpe. Ela está presa a contratos e leis do ramo do entretenimento, eu acho que tem muito a ver com essas questões, mas fora isso não posso comentar a respeito. O caso da Taylor Swift não é tão complicado, e eu a parabenizo. Estou muito impressionada com o que ela fez. Muitas celebridades apenas diriam, você sabe… “não quero me envolver com isso, vou deixar passar.” E então esse cara a processou, ela revidou e o contra-processou por um dólar. Ela disse, “olha, ele me assediou e isso foi o que aconteceu. Não vou baixar a guarda. Se eu tiver que ir até o tribunal, que seja.” Então ela foi a julgamento e testemunhou de uma forma bela. Eles tentaram culpá-la, envergonhá-la e questionar o que realmente aconteceu, e ela se manteve firme. Eu achei que ela foi incrível.

O que levou isso a ir tão longe ao ponto de irem parar em uma corte? Muitas pessoas estão dizendo, e ela mesma admitiu, que ela é privilegiada por ter dinheiro, recursos e apoio pra ir tão longe. Digamos que você seja apenas uma assistente qualquer em uma gravadora e quer fazer isso, mas provavelmente você não tem muito dinheiro, o que é preciso?

Ter dinheiro é definitivamente uma grande vantagem em nosso sistema legal. Sem dúvidas. No caso da Taylor, ela pode ter os melhores advogados e podia levar esse processo até o último instante, sem se preocupar com dinheiro. Mas sendo sincera, o que brilhou mais em seu caso, foi ela e seu depoimento! Nem os melhores advogados do mundo irão te ajudar quando você está ali em cima no tribunal para depor e responder questionamentos. Muitas pessoas se atrapalham, ficam envergonhadas e tem declarações firmes a serem usadas contra elas, e nada disso aconteceu com ela. Então, uma pessoa comum consegue passar por esse processo? Sim. É isso que eu faço todos os dias no meu escritório, faço pessoas comuns lidarem com nosso sistema legal, e geralmente nós fazemos uma contingencia. Então se eles puderem nos pagar, nós recebemos ao final e quando ganharmos.

Uma vez que a situação vai a julgamento, o que vai ser considerado de ambos os lados para se chegar a uma decisão?

Eles tem que notar a credibilidade das testemunhas, analisar as provas e em que elas são apoiadas. No caso da Taylor, eu percebi que ela testemunhou muito bem. Também houve uma foto, que foi como o centro do caso, onde apareceu claramente que ele [David Mueller] tinha sua mão por trás dela. Mas estava por baixo da saia ou por cima? Ele teve que argumentar, então tudo isso foi analisado. O júri analisou as declarações que ela fez para outros. Acho que sua mãe testemunhou, então tudo isso foi levado em conta, assim como é feito em qualquer caso. Eles a questionaram “por que o seu guarda-costas não fez algo, por que não chamou a polícia?”, essas são perguntas típicas que são feitas a vítimas de assédio sexual, e ela disse, “pra começar, por que seu cliente não colocou a mão fora da bunda?”. Ela foi muito boa. Acho que o que também ajudou Taylor foi ela ser alguém bem pessoal, real e segura em seu depoimento.

 

Fonte: Vice.com





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up