Após a última atualização da Nielsen SoundScan que contabilizou 3,943,604 cópias vendidas do 1989 nos Estados Unidos, já foi aberto o precedente que ao final desta semana o álbum extrapolará a marca dos 4 milhões. Esta será a 12ª semana de venda do álbum, o que significa que um feito como este não era visto desde 2004.

Evidentemente alguém esqueceu de contar para os fãs de Taylor Swift que álbuns não vendem mais. O quinto álbum de estúdio de Swift, 1989, está destinado a passar a marca dos 4 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos nesta que é sua 12ª semana de vendas. Será o primeiro álbum a chegar aos 4 milhões em apenas 12 semanas desde o grande sucesso de Usher em 2004, o Confessions.

O feito de Swift é mais impressionante que o de Usher porque as vendas em geral de álbuns eram muito mais expressivas em 2004 do que são atualmente. 70 álbuns venderam um milhão de cópias ou mais em 2004, comparado com apenas 4 em 2014. (Infelizmente, isso não é um erro de digitação)

Cada um dos outros quatro álbuns de Swift também alcançaram as 4 milhões de cópias vendidas. Swift se tornará apenas a segunda artista a superar a marca dos 4 milhões com cada um de seus primeiros cinco álbuns desde que a Nielsen SoundScan começou a mensurar as vendas de álbuns em 1991. O primeiro foi Garth Brooks. (Os dois primeiros álbuns de Brooks foram lançados antes do inicio da era do SoundScan mas cada um deles já atingiu a marca dos 4 milhões desde que começaram a medir em janeiro de 1991).

1989 vendeu 3,944,000 cópias nas primeiras 11 semanas. Espera-se que ele venda mais ou menos 80 mil cópias nessa semana, o que o irá levar até aproximadamente 4,024,000.

Os outros álbuns de Swift levaram muito mais tempo para chegar aos 4 milhões nos EUA. Seu álbum de estreia, o Taylor Swift, levou 125 semanas para chegar nesta marca. O seu segundo álbum, Fearless, levou 50 semanas. Seu terceiro e quarto álbuns, Speak Now e Red, levaram 69 semanas.

Como Swift desafia a tendência de derrocada nas vendas? Ajuda que “Shake It Off” e “Blank Space”, os dois primeiros singles do 1989, chegaram na primeira posição do Hot 100 da Billboard. (Os dois combinados somam 11 semanas no topo da lista)

E Swift é extremamente acostumada com marketing e promoção. Ela não está só aberta a fazer entrevistas e aparições na midia e premiações, ela é boa nisso e parece gostar.

Ainda, 1989 é o primeiro álbum pop de Swift. Antes disso ela estava tentando conquistar simultaneamente os fãs de pop e country. Ela estava se saindo muito bem, também, mas ela poderia se sair ainda melhor caso se focasse em um único gênero. “Mas, em certo ponto, se você persegue dois coelhos, você perde os dois” é como ela explicou para o Josh Eels da Rolling Stone na sua matéria de capa setembro passado.

Swift provavelmente tinha os Grammys na cabeça quando fez este comentário. Nos Grammy Awards em janeiro de 2013, Red foi indicado a Álbum do Ano, mas perdeu para o Random Access Memories do Daft Punk. Red também estava indicado para melhor álbum country e perdeu para o Same Trailer, Different Park de Kacey Musgraves. Dois anos antes, o seu álbum anterior, Speak Now, não foi nem indicado para Álbum do Ano. Ele perdeu Melhor Álbum Country para Own The Night do Lady Antebellum.

1989 foi lançado tarde demais para os Grammys que serão entregues dia 8 de fevereiro, mas estará na jogada no ano que vem. Provavelmente será indicado para Álbum do Ano e Melhor álbum pop vocal. “Shake It Off” está indicada para Gravação e Música do ano neste ano. É a terceira indicação de Gravação do Ano para Taylor Swift, sua segunda indicação para Música do Ano. Espera-se que Swift se apresente na premiação, mas nada está confirmado.

Espere que o 1989 caia para a segunda posição na lista da Billboard que será divulgada na quarta feira. Espera-se que o álbum de lançamento de Meghan Trainor, Title, comece na primeira posição, com vendas na faixa das 180 mil cópias.

Fonte





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up