06 de agosto de 20 Autor: Maria Eloisa Barbosa
11 motivos que fazem do “folklore” o melhor álbum de Taylor

Lembra quando estava esperando que “Cruel Summer” fosse lançada como single? Mal sabíamos que nos últimos meses, enquanto todos nós estávamos olhando para a parede entediados, a artista da década Taylor Swift estava dentro de sua casa, fazendo uma obra-prima.

De surpresa, Swift lançou o que é, sem dúvida, o álbum mais emocional, vulnerável e maduro já feito por ela, chamado ‘folklore’. Nesse álbum, Swift deixa sua zona de conforto, contando histórias de uma maneira que nunca tinha feito antes. ‘folklore’, seu oitavo álbum, é muito superior ao seu antecessor ‘Lover’, que também era superior ao ‘Reputation’. Não tem uma música pop. Todas as faixas são acústicas, com um tom muito mais sombrio do que estamos acostumados e as músicas vão além de suas próprias experiências de vida. No entanto, no final, ainda tem o estilo de escrita de Taylor por toda parte, assim como em seus álbuns anteriores.

Em poucos dias, os Swifties já estão nomeando o ‘folklore’ como o melhor álbum da cantora. Pelo jeito, estamos entrando em uma nova era de Taylor, que parece muito mais sofisticada do que estamos acostumados.

1. Ela entrou com sucesso em um terceiro gênero de música

Country, Pop e agora Alternativo – não tem um gênero que TSwift esteja e que não faça com perfeição.

2. Ela evoluiu muito em sua narrativa

Como uma cantora conhecida por falar sobre todos os seus términos, sobre lidar com haters e tentar se encontrar, parece que esse álbum tem tudo, menos isso. Como Taylor descreveu em seu post sobre o álbum no Instagram, a maioria das músicas não é de fato sobre sua própria vida, mas, na verdade, sobre outras pessoas que ela conheceu, ou até mesmo sobre personagens de sua cabeça. A vibe e a narração de suas músicas nesse álbum são muito diferentes dos álbuns anteriores, mas eu acho que é isso que o torna bem-sucedido. Ela está sempre crescendo, evoluindo e tentando ultrapassar seus limites como artista. Isso é tão admirável.

3. Os títulos das músicas são impactantes

Eu adoro muito títulos em letras minúsculas por algum motivo. Eu acho que todas essas faixas têm títulos tão inteligentes e acho que a ordem delas no álbum também cria uma construção muito boa. Também acho que algumas das opções de palavras que ela usa – como illicit, ricochet e epiphany – chamam logo sua atenção. No geral, é tão poderoso e cativante e eu adoro isso.

4. Ela xinga… MUITO

Vamos lá, a primeira linha de todo o álbum começa com “Estou indo bem, estou fazendo umas novas merdas”. Além de ser uma das maneiras mais legais de começar um álbum, definitivamente foi uma surpresa para aqueles que estão acostumados com sua inocência e pureza. Ao longo do álbum, ela usa outras palavras como essa, incluindo “fuck” pela primeira vez. Eu acho que posso me acostumar com esse lado de Taylor.

5. “exile”, seu sincero dueto com o cantor / compositor Bon Iver, pode ser seu melhor dueto feito até hoje

“Você nunca deu um sinal de aviso …”

“… eu dei tantos sinais”

Isso basta.

6. As imagens formadas são incomparáveis

Como ela disse no prológo do álbum, todo o conceito de ‘folklore’ “começou com imagens”. Enquanto ela conta histórias em cada uma das músicas, consigo realmente imaginar em minha cabeça essas experiências, como se as estivesse vivendo. Muitos desses personagens nem existem na vida real e mesmo assim ela foi capaz de contar suas histórias de maneira muito expressiva. Isso prova o talento que ela realmente tem. Também adoro a linguagem figurativa que ela usa, como a metáfora da “corda invisível” (em invisible string) ou do “cardigan”, pois esses detalhes descritivos realmente fazem o álbum ganhar ainda mais vida.

7. Referências a músicas antigas

Uma dessas referências aparece na música “invisible string”, em que ela canta “Ruim [bad] foi o clima [blood] da música no táxi em sua primeira viagem para Los Angeles”. Em outro momento da música, ela acrescenta: “Uma corda que me tirou de todos os braços errados, direto para o bar” [dive bar, referência a Delicate]. Sou péssimo nisso e tenho certeza de que muitos outros Swifties realmente sacaram essas referências.

E divertidamente, no verso final da música, ela menciona: “Para os garotos que partiram meu coração / Agora envio presentes aos seus bebês”. Fãs especulam que Taylor tenha enviado um presente para o bebê de seu ex Joe Jonas com a nova esposa Sophie Turner. (Nós lembramos de Taylor orgulhosamente falando para Ellen sobre sua música “Forever & Always” feita depois que ele terminou com ela por meio de um telefonema de 20 segundos). Ugh, essa mulher é tão inteligente.

8. Três músicas do álbum contam a mesma história de três pontos de vista diferentes

No prólogo do álbum, Taylor conta que três das músicas estão conectadas de alguma forma. É claro que os fãs foram rápidos em descobrir quais eram. As músicas “cardigan”, “august” e “betty” contam a história de um triângulo amoroso, em três pontos de vista diferentes. Se você olhar atentamente as letras de cada música, verá que muitos dos versos são paralelos. É pura genialidade.

9. Muitas pessoas estão chamando esse álbum de “16 novas ‘All Too Well‘”

Eu não acho que alguma coisa vai conquistar meu coração como “All Too Well”, mas muitas das músicas desse álbum são próximas disso. Estou um pouco obcecada com esse mashup de “betty” e “All Too Well”, e como as músicas fluem perfeitamente juntas.

10. Sua música nunca soou tão confiante e madura

Enquanto ela deixa no passado os seus altos e baixos dos vinte anos, este novo álbum dá a impressão de que estamos entrando em uma nova era de Taylor Swift. A junção da narrativa com a linguagem madura, com o tom de sua voz e a própria música criam um trabalho mágico, diferente de tudo que já ouvi antes. Parece que ela finalmente está deixando para trás toda a amargura e dor e está seguindo em frente. Eu amo como esse álbum parece despreocupado e sofisticado. Se esse é o caminho que Taylor quer seguir, não ficarei bravo com isso.

11. Ela nos deu ”folklore” exatamente no momento em que precisávamos

Depois de meses de incerteza, tristeza e, francamente, sem expectativas, isso era exatamente o que precisávamos. Apenas alguns meses atrás, as pessoas estavam sonhando com a Lover Fest e, embora todos estejam chateados que esses shows não aconteceram, na minha opinião, esse álbum compensou isso. Eu não consigo nem imaginar o trabalho duro que foi feito para criar e produzir esse álbum, e saber que Taylor e seus colaboradores fizeram isso num provável curto período de tempo é tão impressionante. “folklore” é realmente um álbum impecável e eu não poderia estar mais agradecida por Taylor ter nos abençoado com essa obra-prima durante esse Verão Cruel. Ela não poderia ter feito isso em um momento melhor.

Matéria publicada pelo Odyssey e traduzida pela Equipe TSBR.





Twitter do site

Facebook do site

Scroll Up